Bio Evil | Uma versão 2D de Resident Evil para Mega Drive

Com o passar do tempo, a história dos video games evoluiu e vimos gêneros inovadores surgindo. No entanto o mundo dos demake nos faz sonhar em como certos jogos poderiam ter sido lançados antes em outra plataforma. E Bio Evil é um projeto fenomenal de fãs que adapta Resident Evil 1 para Mega Drive/Sega Genesis. E a coisa ficou impressionante!



A verdade é que o primeiro jogo da franquia já foi usado e abusado de todas as formas, ele ganhou o HD Remaster, a versão Deadly Silence, que tem inclusive cooperativo. E ainda teve alguns testes bem inusitados como a versão em primeira pessoa. Porém mesmo assim os fãs continuam querendo ver mais daquela obra.

A Capcom inclusive chegou a tentar algo mais retro, por exemplo temos aquela versão cancelada de Resident Evil 1 para Game Boy, e para aqueles que sentiram um vazio por não poder experimentar a coisa, Bio Evil pode ser exatamente o que procura. E o mais bacana é que não se trata meramente de uma versão retro, mas uma versão feita para rodar de verdade em um Mega Drive.

A maioria dos demakes como Radioactive Decay, 8-Bit Bayonetta, Goldeneye 2D e Soul Reaver 2D são jogos pixelizados, porém feitos para rodar em um computador e não em consoles da era 2D. Existem raros como D-Pad Hero, que são uma rom de verdade e precisa de emulador ou uma fita especial que dá pra gravar jogos e rodar no console original. Porém Bio Evil é um desses!

Ou seja, ele não é apenas mais um que diz "É assim que seria no Mega Drive", ele literalmente é um jogo feito para rodar no Mega Drive ou emulador e que funciona de verdade. E conseguiram fazer uma adaptação fenomenal, pois todos os elementos principais que vemos no console, estão lá e muito bem colocados, mantendo a atmosfera.

Já vimos que jogos de terror 2D são possíveis como o atmosférico Clock Tower, que conseguiu inovar no Super Nintendo, ou a surpreendente versão de game boy de Alone in the Dark the New Nightmare, que conseguiu adaptar gráficos inacreditáveis. E não podemos deixar de lembrar de jogos que vieram depois e conseguiram manter a atmosfera graças à potência dos PC's, como Lone Survivor e Yomawari.

Em Bio Evil colocaram como base o ângulo de câmera isométrico, e usando esse estilo, colocaram todos os elementos que conhecemos, inventário que precisa ser administrado, itens para ser coletados e usados em quebra-cabeças, vida que tem que ser curada com ervas e tudo acompanhado por uma música misteriosa que deixa a coisa perfeita.

Os ambientes estão muito bem adaptados, contendo os cenários da mansão que já tanto conhecemos, porém refeitos em 2D. É tipo como se a equipe de Shadowrun pra Super Nintendo tivesse sido contratada pra fazer um Resident Evil em 1993 e recebido todos os detalhes de como deveria ser a coisa exatamente.

A nossa sorte é que a Capcom não é muito frescurenta com esse tipo de coisa, e graças a isso pudemos ver projetos inclusive incentivados como Mega Man X Street Fighter, a não ser que a coisa seja realmente uma concorrência e esteja cabulosamente bonita demais como aquele Remake de Resident Evil 2 feito por fãs.

Enfim, é sempre demais ver projetos desse tipo né? Vez ou outra vemos um jogo recebendo uma adaptação, mas dedicada desse jeito e ainda feita para rodar no próprio console, a coisa é uma verdadeira loucura. Você pode conferir a página do projeto aqui. E não deixe de conferir também a inusitada versão de Final Fantasy VII para NES.

Comentários