quinta-feira, 23 de outubro de 2014

O horror no museu - Um conto com um toque perturbador

Vejo esses filmes como Begotten, A centopeia humana e outras obras do tipo, e percebo que normalmente esse tipo de obra perturba muita gente e faz com que o povo tenha uma baita repulsa. Por muitas vezes eu chego a pensar que esse tipo de coisa surgiu de mentes perturbadas que só em épocas mais atuais ganharam destaque para apresentar sua arte ao mundo e atrair legiões, no entanto lendo esse conto da primeira parte do século XX, vejo que esse tipo de artista já tinha destaque há muito tempo e causava o mesmo tipo de perturbação que filmes modernos que usam essa essência tem.

Aqui é apresentado um museu com esculturas de cera, essas variam desde humanos até criaturas completamente surreais. A obra choca a todos devido a sua bizarrice, porém ao mesmo tempo acaba atraindo devido ao seu nível impecável de detalhes, além de mexer com as pessoas, já que mesmo sabendo que certas coisas são impossíveis, a vontade de olhar é inevitável, deixando todos abismados e pensativos sobre que tipo de mente doentia seria capaz de criar tantas asquerosidades.

Esse conto é de 1932 e carrega de forma bastante intensa a essência dos Mitos de Cthulhu, colocando diversas citações de elementos criados por H.P. Lovecraft, incluindo algumas verdadeiras surpresas que eu não imaginei que estariam presentes no tal museu por serem um tanto "ocultas" demais, mas apesar disso há uma bela explicação, já que o responsável é um estudioso de artes ocultas e por isso acaba pegando coisas presentes ali e usando como peças de cera. Isso faz com que o conto mantenha uma ligação forte com outras obras do autor.

Um outro detalhe que me chamou a atenção é em como os personagens desse conto me lembraram da dupla que aparece em Do Além, me fazendo pensar que Lovecraft de certa maneira usou a mesma fórmula para contar duas histórias diferentes, mostrando um gênio com uma crença total em algo terrível, e um homem culto, porém cético em relação a aquele tema, e claro a loucura. Não que os dois contos sejam clones, na verdade ambos tem uma história própria espetacular, mas uma essência semelhante.

E por fim, não posso deixar de citar o quanto o autor do conto pareceu querer brincar com o leitor dessa vez, isso porque eu me senti meio que manipulado e pensativo sobre o que é e o que não é real, aquela sensação de "Isso é realidade ou loucura dos personagens?", é aquele tipo de obra que você lê bastante desconfiado sobre qual será o desfeche. Vale demais a pena, confiram:


Dá uma ajuda compartilhando? =)

Prophour23 - Um jogo onde você constrói um organismo

Esse é um daqueles jogos que assim que você inicia uma partida, logo percebe que a experiência é um tanto estranha, apesar disso existe todo um climinha muito interessante que te mantém entretido. Na primeira vez que eu o vi, logo imaginei que era algo semelhante a Doodle God, porém é um jogo bem mais movimentado, e que tem uma essência diferente, sendo que a semelhança mesmo acaba sendo no aspecto visual da coisa e não na jogabilidade.

Não há história, o foco dele é em partidas rápidas, então é aquele tipo de jogo que você abre para se divertir de forma momentânea, e não algo com uma trama que foi feito para ser zerado. A grande satisfação é em ver que conseguiu ir mais longe do que já foi em partidas anteriores, mas ao contrário da maioria dos jogos desse gênero, esse não te deixa respirar e assim é preciso saber jogar, pois as partidas podem realmente acabar sendo bem curtas.

Quando vi o trailer, já me atraiu bastante o visual do jogo e a jogabilidade que ele aparentava ter, e assim que pude abri-lo pela primeira vez, o visual realmente já mostrou ser algo encantador, sendo semelhante a um livro de medicina antigo que é aberto, a música orquestrada do jogo apenas dá um toque mais especial a coisa, é bem fantástico ver o livro se abrindo e ter o desenho de um peixe com várias indicações de partes dele, sendo que cada parte é uma opção, como "Aprender", "Jogar", "Opções" e etc... O visual do jogo durante as partidas também é nesse estilo, apresentando vários orgãos que você vai posicionando no que parece ser uma folha de papel.

A mecânica do jogo te põe para construir um organismo, você inicialmente tem apenas o coração e gotas de sangue vão surgindo na tela, você deve coletá-las para encher uma barra, que é usada como custo para criar novos orgãos, você começa clicando no coração e fazendo crescer novas partes do corpo, e pode evoluí-las, e ligá-las. Quando você liga dois orgãos, dependendo da combinação, efeitos novos irão surgir, por exemplo você pode fazer um número maior de sangue ser produzido, e assim pode criar mais rapidamente as novas partes do corpo.

Seu objetivo é defender o coração, por isso é preciso usar orgãos para impedir que pragas cheguem a ele, com a ligação de orgãos, você pode fazer coisas como pegar espinhos e colocar eles em veias, que vai significar que se alguma ameaça tentar passar entre aquela ligação, irá levar dano e morrer. Mas cada vez mais uma quantidade de ameaças irá surgir, e cada orgão tem a sua saúde própria, as vezes vale mais a pena cortar a ligação dele com outras partes saudáveis do corpo e investir em outro orgão.

Enfim, fica aí essa dica de jogo, mas eu já aviso que ele é MUITO difícil, por isso é preciso realmente se dominar a mecânica, recomendo fazer o tutorial antes de tudo, pois ir direto ao ponto pode ser bem complicado. Quem se interessar pode dar uma conferida no site oficial do jogo.

Dá uma ajuda compartilhando? =)

O mau cheiro - Curta metragem de terror japonês

Esse é mais um dos Contos de terror de Tóquio e outros lugares do Japão, e mostra uma história que pelo nome, eu pensei que seria algo mais ou menos semelhante ao bizarríssimo mangá Gyo, mas a verdade é que não tem nada a ver, mas mesmo assim ainda tem o seu toquezinho carismático de bizarrice, confiram:

Caramba, até certo ponto o que pensei foi "Cruzes, essa bizarrice veio diretinho de Silent Hill", mas na hora que a bagaça pisa no pé da garota, foi inevitável e comecei a gargalhar, eu sei bem que existe o seu horror nisso, uma coisa prendendo uma garota, mas acho que acabou não transmitindo muito bem essa essência, e olha que as coisas estavam indo muito bem, mas ver uma colegial japonesa sofrendo e tentando tirar o pé de um monstrengo que insiste em pisar, foi algo bem hilário ao meu ver kkkk.

Agora eu realmente adorei o final, essa ideia de você não precisar saber do que se trata, acaba deixando aquele climinha de que o universo é um caos e que de repente algo pode acontecer e nunca sabermos o que é aquilo. No caso, foi bem bizarro a "maldição" sendo transmitida, e a bizarrice continuando, apesar de que esse final acabou ficando um tanto trash graças ao início onde a garota fala "Isso aconteceu em um dia que eu estava voltando pra casa", quero dizer... Como assim né? "Ah, um dia desses fui amaldiçoada... Minha irmã se fudeu...", uahahaha, normalmente quem é amaldiçoado não sobrevive pra contar a história, ou então ao contá-la, começa com um "Esse mal começou assim..." e não como se estivesse apenas falando de mais uma história do dia a dia. Mas e aí, o que vocês acharam?

Dá uma ajuda compartilhando? =)

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Supernatural Bundle - Um bom pacote de jogos macabros

Hoje vou postar aqui uma boa dica para jogos com temas sombrios que a Bundle Stars está oferecendo, alguns desses jogos eu já analisei aqui no blog, enquanto outros eu não fiz análises, porém ainda assim são bem interessantes e tenho certeza que chamará a atenção de alguns aqui. Os jogos são:

Splatter Blood Red Edition - Um jogo atmosférico de tiroteio com visão aérea onde você enfrenta uma legião de mortos vivos.

Blackbay Asylum - Aquele jogo maravilhoso de aventura com toque de terror e humor negro, baseado na obra de Lovecraft.

Dracula Trilogy - Os três primeiro jogos dessa franquia clássica do PC do estilo point and click.

Dracula 4 e 5 - Mais dois jogos da franquia que seguem o mesmo estilo.

Into the Dark: Ultimate Trash Edition - Um jogo de terror daqueles com um clima muito pesado, cheio de sangue e elementos macabros.

Larva Mortus - Jogo de visão aérea que se passa no final do século 19 e te coloca no papel de um caçador de criaturas.

Necronomicon: The Dawning of Darkness - Mais um jogo baseado na obra de Lovecraft, que te põe para começar a investigar o que aconteceu com um amigo seu, mas logo você se vê em uma macabra história envolvendo um livro antigo.

Pixel Puzzles: Undeadz - Esse é um jogo de quebra cabeças onde definitivamente você não tem tempo para relaxar, aqui você tem que atirar zumbis e montar o quebra cabeça antes de ver sua barricada cair e te devorarem.

White Noise Online - Jogo onde você e quatro amigos são colocados em um lugar sinistro e devem investigar, porém há algo mais ali, que pretende matar um a um, é como se fosse um Sleender cooperativo.

Zombie Solitaire - E pra finalizar tem esse jogo de cartas com temática de mortos vivos.

Dá uma ajuda compartilhando? =)

Costume Quest 2 - Um JRPG disfarçado e muito divertido

Hoje vou fazer uma análise sobre a continuação de Costume Quest, que vi críticas variadas em relação ao título, alguns amando bastante, e outros com uma impressão bastante negativa. Mas em geral esse é daquele tipo de jogo que não é ruim, ele é muito bom mesmo, super polido e passa uma ótima essência, acredito que a maioria concorda com isso. O problema é em não haver uma grande diferença em relação ao primeiro jogo, o que acaba sendo um pouco triste para alguns, já que parece mais com uma expansão que um novo jogo.

A história tem uma ligação completamente direta ao primeiro título, sendo assim é altamente recomendável para aqueles que gostam de trama, que joguem o jogo anterior antes de começar esse. Apesar disso não é também algo para se perder, dá sim para acompanhar o ritmo, o negócio é que você já começa com o seu grupo de amigos em frente a portais e falando sobre o que aconteceu na aventura anterior, e assim vem aquela pergunta "Como os personagens foram parar aí?". Apesar disso logo você se sente por dentro da trama do segundo jogo, onde o vilão é um dentista que odeia o dia das bruxas porque com tanto doce, os dentes das crianças acabam estragando, e assim ele pega um artefato mágico que lhe dá poder o suficiente para alterar o tempo e criar um futuro sombrio sem doces e sem fantasias.

Sem dúvidas o grande toque especial e diferencial desse jogo em relação ao primeiro, são os portais para viajar no tempo e assim alterar os acontecimentos. Esse toque sem dúvidas dá meio que uma cara nova ao jogo, um novo tipo de jogabilidade com alteração temporal e consequencias, por outro lado não chega a ser um elemento grande o suficiente para roubar a cena e ser visto como algo que o destaque como segundo jogo da franquia.

Houveram também algumas mudanças em certos elementos também, especialmente no sistema de combate que agora está um pouco mais dinâmico, com novas opções que certamente farão vários jogadores se sentirem em uma pancadaria mais movimentada, por outro lado é possível também se sentir exatamente o contrário com as animações que não podem ser saltadas, o que inicialmente pode ser tranquilo, mas para os mais apressados pode ser um pouco agoniante e fazer a pessoa querer apenas sair logo da luta.

Mas o jogo usa os mesmos elementos que foram apresentados no primeiro, sendo assim é um JRPG no dia das bruxas e continua passando aquele climinha de história da infância, acaba sendo perfeito para quem quer um pouco de mais do mesmo, porém para aqueles que acabaram de jogar o primeiro jogo da franquia e querem sentir a "nova emoção", pode valer a pena esperar um pouco mais para sentir saudades e então jogar.

Graficamente o jogo continua lindo, são os mesmos gráficos, mas há cenários novos e também alguns antigos reaproveitados, porém modificados um pouco, só que em geral ainda é aquela coisa super fofa com traços carismáticos nos personagens e um climinha de se estar assistindo a um filme de animação 3D.

Enfim, Costume Quest 2 é um jogo bom, realmente muito bom, no entanto ele não inova muito em relação ao primeiro, o que pode acabar decepcionando algumas pessoas, sendo assim para quem jogou o jogo anterior, o ideal é esperar um pouco e só então jogar esse, para não ficar puramente com a sensação de "mais do mesmo". Quem se interessar pode dar uma conferida no site oficial do jogo.

Dá uma ajuda compartilhando? =)

Veja a edição de colecionador de Far Cry 4

Quando Far Cry 4 foi anunciado, o jogo foi massacrado por acusações frustradas de vários tipos de preconceito, aquela capa acabou não sendo a versão final do jogo, e sinceramente eu acho uma pena, pois quando foi anunciada a versão de colecionador, e eu vi a estátua, de imediato imaginei "nossa, se já ficou incrível o visual dessa, imagina se fosse com mais detalhes, igual a aquela?". Mas bom, não se pode ter tudo não é? E acho que nem que fosse aquela iria adiantar muito pra mim, kkkkkkkkk. De qualquer maneira, essa aí na imagem é a edição de colecionador do jogo, os conteúdos dela são:

-Caixa de colecionador, em um estilo que parece couro de um animal.
-Diário de de viajante.
-Mapa de Kryat.
-Poster de propaganda.
-Estátua de Pagan Min sentado  em deus elefante.

Dá uma ajuda compartilhando? =)

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Conheça as diferenças entre a HQ e a série The Walking Dead 5ª temporada - Episódio 02

Hoje vou fazer uma análise comparativa de mais um episódio de The Walking Dead em relação a revista em quadrinhos, se você ainda não tiver visto, recomendo dar uma olhada no episódio anterior primeiro.

Esse é um daqueles episódios que eu considero (em essência) como uma adaptação perfeita, isso porque a sequencia de certos acontecimentos é mostrada de uma maneira muito semelhante a dos quadrinhos, apesar de não exatamente os mesmos personagens terem sido usados.

O episódio começa com os personagens andando e conversando, uma coisa que notei, e que se apareceu em episódios anteriores, eu não tinha percebido, é que Sasha está namorando Bob. Essa personagem nos quadrinhos pelo o que vi, é meio que uma referência a filha de Tyreese que morre ainda na prisão com o seu namorado. Talvez exista algum tipo de semelhança aqui, mas acredito que o casal foi colocado mesmo para representar o casal Dale e Andrea, que como já falei, nos quadrinhos são namorados, então os roteiristas pareceram improvisar com Bob e Sasha mesmo.

Depois temos a aparição do padre Gabriel, ele também surge do nada nos quadrinhos, mas aqui é o grupo que o acha, enquanto na HQ os personagens estão conversando quando do nada ele chega andando perguntando se eles querem ouvir um pouco da palavra de Deus. A personalidade do personagem é realmente parecida, em ambas as obras é um cara tão chato quanto, mas na HQ ele chega andando calmamente e não se importa nem um pouco com as armas dos personagens, dando muito mais motivo para desconfiar do que esse da série, que está desesperado e indefeso prestes a ser lanchado.

Então vem a cena da igreja, os personagens realmente vão pra lá e Gabriel parece ainda mais no controle, ele age bem calmamente mesmo com todo mundo desconfiando dele. Também é mostrado na ida, os caçadores os observando. E por fim tem a cena da igreja e aquele final, na HQ acontece um pouco diferente, mas bem parecido, Dale está muito abatido por ter perdido os dois filhos gêmeos Ben e Billy, que na série é representado pela história de Lizzie e Mika, só que na HQ os dois são filhos adotivos de Dale e Andrea, já que os pais deles eram personagens do grupo também, mas morreram, e quando um mata o outro, Carl assassina o que enlouqueceu para que ele não machuque mais ninguém. Dale fica deprimido e assim sai para a floresta em um momento que o grupo dorme, daí vem os Caçadores e o pegam.

Como falei na análise anterior, toda aquela parte de arrancarem o pé existe na HQ, e fiquei feliz de apresentarem dessa maneira, achei que desperdiçariam a ideia com o Santuário, mas acabou que a coisa ficou bem mais interessante, já que os caçadores da HQ não tem uma história anterior, eles já são mostrados por aí sequestrando e matando gente. E hummm, a carne do Bob parece ser mesmo crocante, até eu queria experimentar uma fatia! *-*

Dá uma ajuda compartilhando? =)

A City Sleeps - Um jogo psicodélico de tiro e pancadaria

Esse é um daqueles jogos psicodélicos que te chama a atenção de início especialmente pelo visual com cores muito brilhantes e que acabam sendo destacadas ainda mais devido às batidas da trilha sonora apresentada. É aquele tipo de obra que você se sente transportado para o "Mundo da música". Apesar disso, esse é um jogo que eu não tive a sensação de ser muito rápido como normalmente jogos do gênero são, por outro lado deu para sentir uma certa dificuldade devido a quantidade de projéteis que constantemente são lançados em sua direção.

Aqui você assume o papel de Poe, que é o membro mais jovem de um clã de exorcistas dos sonhos, que como o nome já deixa bem claro, tem como objetivo entrar na mente das pessoas enquanto dormem, e se livrar dos demônios dos sonhos ali presentes, que acabam causando pesadelos. A história acontece quando os moradores de um lugar chamado SanLo caem em um sono permanente e você precisa ir lá tirá-los desse pesadelo.

Como podem ver, esse é um daqueles jogos com uma história muito estranha, porém em geral ela não é o foco da obra, estando ali mais para dar um pouco de profundidade a coisa. Definitivamente esse é um jogo com foco na jogabilidade, tendo aquele toque de arcade e aquela sensação de tentar fazer o melhor possível em cada um dos níveis.

Esse é um STG horizontal e você assume o papel de Poe enquanto voa para o lado direito e inúmeros inimigos vão surgindo, alguns atiram e outros usam ataques corporais. Você tem dois tipos de ataques, o de tiros e os golpes com espadas. Além disso tem uma habilidade especial que permite "enfeitiçar" objetos voadores com certas habilidades e assim eles te darão apoio, por exemplo você pode fazer os restos de um caro começar a atirar em todos os inimigos presentes, funcionando como uma torre, mas ele pode também lançar vida para todos os lados, te permitindo recuperar energia enquanto ataca.

Graficamente e sonoramente o jogo deixa bem claro que é uma coisa muito psicodélica, com aquelas luzes estilo neon destacadas constantemente, e uma música com diversas batidas que certamente irá empolgar alguns. O gráfico é 2D e embora não tenha exatamente me impressionado, é bastante decente e com certeza capaz de chamar a atenção de algumas pessoas se você publicar algumas screenshots na internet.

Enfim, se você estiver em um clima psicodélico e buscar por algo que te transporta para um mundo que parece uma verdadeira rave, A city Sleeps pode ser uma ótima alternativa, quem se interessar pode dar uma conferida no site oficial do jogo.

Dá uma ajuda compartilhando? =)