quarta-feira, 1 de julho de 2015

Lista de contos de Terror do concurso do blog

Bom pessoal, eu tinha feito um concurso de terror para promover o livro Folhas Secas Daquele Outono, sorteei três exemplares e o povo soltou a imaginação, a proposta era que os leitores enviassem contos que apresentassem o encontro de uma pessoa normal com uma criatura que não podia existir nesse mundo e isso a deixasse perturbada.

No total foram 47 contos, alguns enviados na última hora mas mesmo assim bem interessantes. O concurso teve seus altos e baixos, com alguns contos que pareciam ter vindo direto do universo dos filmes trash com uma escrita que era só a bagaceira, enquanto outros tinham uma seriedade impressionante e conseguiam prender facilmente a atenção.

Além dos prêmios para os primeiros colocados, tinha também um prêmio de participação que basicamente era postar aqui os contos para vocês darem uma conferida. Sendo assim chegou a hora de começar a mostrar as obras, confiram em ordem de chegada:

Obs: Vou postando os links aos poucos para não lotar o blog de conto de terror.


terça-feira, 30 de junho de 2015

[Conto] A mulher de Vermelho

Gostaria de lembrar, antes de tudo, que essa história, apesar de realmente ter acontecido, não tem nenhum tipo de “evidência” que prove que as nossas teorias estavam certas. Pode parecer bobo, mas é sempre bom avisar.
Tudo começou com um sonho. Eu estava sentado no chão da sala de casa, com as costas no sofá. Devia estar vendo algum desenho bobo no Cartoon Network ou fazendo lição, mas me lembro que estava com sono.
Me espreguiço e encosto minha cabeça no assento do sofá. O teto de gesso branco me olha de volta, como uma lousa de escola que acabou de ser limpa e está esperando ser usada.
Fecho meus olhos e fico naquela confortável posição. Adormeço antes que eu possa perceber.
Ouço um barulho estranho. Um chiado de TV? Abro os olhos e percebo que a sala está diferente. O teto branco agora estava sendo iluminado por uma estranha luz azul.
Levanto minha cabeça e descubro que o barulho que havia me acordado era realmente um chiado de TV. Eu... Eu não me lembro de ter tirado do canal. Ao longe, um barulho de gotas pingando pode ser escutado.
Ping.
O que está acontecendo?
Ping.
Por que não consigo me mover?!
Ping.
De repente, escuto um gemido vindo de cima. Novamente encosto minha cabeça no sofá.
Havia uma mulher no teto.
Ela estava grudada, como se a fina placa de gesso fosse seu chão. Seus braços estavam completamente abertos, e sua única peça de roupa era um vestido vermelho puído.
Água pingava de suas mãos.
Ping.
Seu rosto era a pior parte: buracos completamente negros me encaravam do lugar onde seus olhos deveriam estar. Sua boca, um pouco aberta, deixava sair um fraco gemido.
Durante aqueles poucos segundos, seus cabelos negros – que se mexiam como se estivessem dentro d’água – começaram a crescer, e pequenos fios pretos apareceram em sua pele branca como neve.
Eu não me movi.
Ping.
A... Aju...
Ping.
Aju... De...
Ping.
AJUDE-ME!
Sua boca se abriu e mais cabelos negros e molhados saíram dela.
E então ela caiu.
---
Abri meus olhos e fitei o teto branco. Não havia nenhuma mulher lá. A TV ainda estava no canal de desenhos.
Ping.
Levantei meu olhar, assustado. Ainda não tinha ninguém lá.
“Ah, droga, o chuveiro está pingando de novo!”
Ping.
Ouço meu irmão levantar da cama e seguir até o banheiro. Tinha sido apenas um sonho. Um pesadelo, para ser mais sincero.
Me levanto e desligo a TV. Sigo para o meu quarto, me sentindo mais leve do que antes. Apenas um sonho. Nada mais do que isso. Sento na frente do computador e aperto o botão de ligar.
Apenas um sonho.
O barulho dos pingos havia parado. O resto da minha tarde foi normal. Acordei na manhã seguinte no mesmo horário de sempre. Tomei um banho, coloquei meu uniforme e tomei meu café.
Mais um dia normal. Chego na escola e aceno pra minha amiga. Ela estava um pouco pálida.
“O que aconteceu?”, pergunto.
Ela me olha e diz:
“Eu... Eu tive um sonho estranho.”
Meu coração para por um segundo.
”Tinha uma mulher... E ela não tinha os olhos, era muito bizarro.”
Não. Deve ser apenas uma coincidência.
“Ela não estava usando um vestido vermelho, estava?”
A expressão no rosto dela disse tudo. E então eu ouvi um som familiar. O som de gotas caindo.
Ping.
Ping.
Ping.
Ajude-me...

Autor: Pedro Araújo

Esse é um dos contos que concorreu ao concurso de contos de terror.

Veja se Star Wars Battlefront roda em seu computador

Você é daqueles que viu a gigantesca lista com todos os jogos de star wars e resolveu pegar como desafio encarar cada um dos títulos da franquia? Naturalmente o reboot de Star Wars Battlefront não poderia deixar de estar nos objetivos não é? Afinal de contas trata-se de um simulador das batalhas mais épicas de guerra nas estrelas.

Para quem não tem a mínima ideia do que diabos eu estou falando, Battlefront é um jogo lançado originalmente em 2004 e pouco mais de um ano depois, já saiu Battlefront 2. Muitos anos depois, no começo de 2013 rolou um baita de um escândalo sobre o cancelamento de Battlefront 3, que afirmavam estar 99% pronto e foi cancelado. Para então aparecer o reboot do jogo.

Os jogos da franquia se diferenciam por terem foco completamente no tiroteio e guerra com centenas de personagens pra todo lado controlados pelo computador. Ou seja, é um jogo de guerra mesmo, inimigos pra todo lado, máquinas enormes e explosões. Cada vez que você morre, assume o papel de um outro soldado, e aos poucos um dos times vai diminuindo de tamanho.

No entanto infelizmente para alguns, o computador é da mesma época do Battlefront original, ou seja, é só a bagaceira, daí não dá né? Hahaha, portanto vou por aqui os requisitos mínimos para você poder se divertir sozinho ou com seus amiguinhos em meio a chacina sem sangue de Star Wars:

Processador: Quad Core CPU eg. Intel Core i5-2300 @ 2.8GHz ou um AMD Phenom II x4 955 @3.2GHz or AMD FX-8350 @ 4.0GHz.
Memória Ram: 6 GB
Sistema Operacional: Windows 7 SP1, Windows 8/8.1 (64-bit)
Placa de Vídeo: Nvidia GEFORCE GTX 680 ou AMD Radeon HD 7970 with 2GB de memória de vídeo.

E aí, vai dar? Claro, você pode também deixar de jogar no PC e jogar no seu Xbox One e Playstation 4 para rodar lisinho hahaha, enfim, confiram o trailer de gameplay:

Hitman - Uma adaptação no limite do tolerável

E finalmente assisti a adaptação da franquia de jogos do Hitman para os cinemas, lançada em 2007. Obviamente quando fui assistir, já tinha visto um monte de críticas bem negativas e comparando ao jogo, porém sempre que vou assistir uma obra, tento abrir minha mente, sei bem que não será exatamente igual ao jogo, e sei que tem coisas hollywoodianas que vão colocar, sendo assim ir assistir só pra criticar as mudanças é perda de tempo ao meu ver. Sim, eu acho que seria legal ver um filme que fosse uma adaptação perfeita da história de um jogo, mas como sabemos que existem outros quesitos pra se fazer um filme, são muitas vozes ordenando "faça isso e faça aquilo", o jeito é ter em mente que será mesmo mudado. Então notei mudanças, achei desagradáveis algumas, mas é preciso pensar um pouco além, nem sempre ser diferente significa que algo fique a maior porcaria do universo e um lixo que faz ter vontade de vomitar, como muitos fãs dramáticos gostam de gritar por aí.

Uma coisa que achei interessante na história, é que eles não se aprofundam muito na origem do assassino, apenas mostram flashs de onde ele veio, mas não dão maiores explicações, sendo assim para quem não jogou, é meio estranho as coisas, mas talvez até para quem jogou a coisa não seja exatamente a mesma, já que há algumas coisas que me fizeram achar um certo toque de diferença. Mesmo assim o que é apresentado se parece bastante com o plano de fundo original, portanto aqui temos o um assassino apenas conhecido como "Agente 47" e que recebe contratos explicando as condições e o alvo ao redor do mundo. Porém as coisas mudam quando ele assassina o presidente russo com um tiro na cabeça e no outro dia ele aparece na televisão apenas com um arranhão na testa, como se o tiro tivesse errado e não bastando isso, novos assassinos são enviados para matá-lo.

Bom, eu gostei do filme, foi um tempo divertido, existe um toque estiloso na coisa e sem o peso de ser uma obra que vive nas sombras da franquia de jogos, acho que ele poderia ser considerado quase como um filme da trilogia bourne, apresentando um assassino extremamente bem treinado, combates estilosos, conspiração e um jogo político envolvendo agências secretas. Não chega a ser tão estiloso, mas é notável que é um filme bem trabalhado, mas que não chega a aquele ponto em que te faz pensar "Caramba! Como ele foi inteligente pensando em uma coisa dessas!", é algo que vai mais direto ao ponto, onde você nota atitudes inteligentes do personagem, mas como não chega a mostrar ele bolando de uma forma mais detalhada, essa sensação também é eliminada.

Não gostei do ator que foi escolhido para interpretar o personagem, achei ele muito "Menininho", quando penso no Agente 47 eu já imagino um homem de quarenta e poucos anos, chegando aos cinquenta, mas esse tem muito cara de jovem que raspou a cabeça. Também não gostei da atitude do personagem, ele passa uma atmosfera de heróizinho, acho que o assassino de Entrevista com Hitman mesmo não sendo um filme que tenha alguma ligação com a franquia, é perfeito tanto no ator quanto na atitude, aquele lá sim é o assassino que acho que deveria ter sido apresentado aqui.

Existe também uma presença de uma garota que me deu uma impressão de que o roteirista estava se segurando pra por um romance na história, porque era quase um "Aiiii eu quero que eles se apaixonem e se beijem!", mas felizmente ficou só na ameaça mesmo e por mais que irrite essa forçação toda, o cara se segurou e assim a personagem consegue até ser divertida em determinados momentos.

Houve um esforço que achei bem legal para colocarem ambientes que lembravam do jogo, restaurantes, reuniões ilegais com chefes do crime, hotéis e o próprio fato do filme com uma história se passando inteiramente na Rússia foi algo que me agradou um bocado.

Enfim, eu me incomodei com diversas partes, mas no fim acabei gostando do filme, e se você olhar pra ele tentando se esquecer que é uma adaptação, fica algo bem legal. É um filme de assassino estiloso envolvendo toda uma conspiração e com cenas radicais.

RONIN | Jogo com um sistema de combate espetacular

Por muito tempo eu vi a Devolver Digital apenas como mais uma distribuidora de jogos, mas sem nada de muito especial. Hoje em dia vejo um padrão nos jogos que ela fornece, isso porque parece que a empresa tem uma tara em jogos super violentos, agitados, muito divertidos e com um aspecto visual bem peculiar. Alguns jogos dela são o nostálgico Broforce e o sanguinário Shadow Warrior.

Além disso a empresa também é responsável por distribuir algumas outras obras que não tão agitadas assim, mas tem um baita de um impacto visual inesquecível, como o belíssimo Titan Souls, e o atmosférico Gods Will Be Watching. Sendo assim, mesmo a Devolver tendo alguns jogos bem parados, eu já observo visuais belíssimos e jogabilidade muito agitada e violenta como um padrão. E com Ronin a coisa é mais ou menos nesse estilo.

A história parece ter pego Kill Bill como base, isso porque existe meio que aquele climinha de filme trash, apresentando algo moderno com homens de gravata e tudo mais, no entanto ao mesmo tempo ninjas usando espadas. E aqui é mostrada uma história de vingança, onde você controla uma heroína que se dedica a localizar e assassinar um grupo de pessoas por vingança.
A jogabilidade a principio me deu a impressão de ser exatamente no mesmo estilo de NOT A HERO, pois você precisa invadir lugares, matar todo mundo, subir e descer elevadores, entrar estilosamente por janelas (Ou mesmo arremessar inimigos por elas), entre outras coisas, algo muito agitado, porém usando uma katana ao invés de armas de fogo.

Mas a verdade é que embora o estilo de invasão e matança seja igual, o grande diferencial é na forma de combate, que é surpreendente e apaixonante, te dando uma baita de uma sensação de estar livre. Assim que encontrei o primeiro inimigo, a tela parou, e apareceu o anúncio de que o combate era em turnos!

Aqui você mede com o mouse a distância que você pode saltar, podendo se prender nas paredes e no teto em saltos imensos, no entanto essa distância é limitada, mostrando um traço branco de até onde você pode ir, assim que você alcançar aquele traço, seu turno vai acabar e os inimigos farão suas ações.
É possível ver as próximas ações dos inimigos pois aparece uma linha vermelha marcando onde eles estão mirando, por exemplo se um inimigo aponta uma arma pra você, ou faz uma pose com uma espada, aparecerá uma linha traçando por onde os próximos ataques inimigos passarão, e obviamente onde você não deve estar naquele momento.

E é aí que as coisas ficam interessantes, pois você se sente um verdadeiro ninja, tendo que calcular seus movimentos. É espetacular derrubar um inimigo e aparecer em cima dele a opção de atacar, mas também naquele lugar aparecer uma linha vermelha, indicando que o próximo ataque de algum dos inimigos passará por ali, ou seja, se você fizer aquele ataque, matará um inimigo, mas seu turno acabará e ficará vulnerável.

E pra empolgar ainda mais as coisas, um tiro ou espadada é o suficiente para você morrer, então você tem que realmente pensar no que fazer, e as vezes parece ser impossível completar algumas ações, pois todo lugar que você vai, diversos inimigos estão mirando.
Existe também um gancho que te permite fazer manobras bruscas de vez em quando, como ir em uma direção e lançar o gancho pra trás, fazendo com que você seja puxado de uma vez naquela direção, isso pode te tirar da linha de fogo diversas vezes. Esse jogo de certa forma me lembrou a beleza dos movimentos de Toribash, porém sem ser tão complexo, fazendo com que qualquer um consiga facilmente se adaptar rapidamente ao que é apresentado.

Você ainda vai destravando novas habilidades com pontos que ganha e assim dá uma boa variação na coisa, mas você tem que se adaptar também a elas, por exemplo existe uma habilidade que te permite arremessar a katana em algum infeliz, no entanto você tem que se movimentar até lá para pegá-la de volta, é lindo fazer isso enquanto desvia de balas.

Enfim, fica aí essa dica de jogo que mistura estratégia, combate em turnos e, por incrível que pareça, ação agitada. Realmente muito gostoso de se jogar e consegue facilmente encantar. Quem se interessar pode dar uma conferida no site oficial do jogo.

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Algumas curiosidades sobre os lobos de Game of Thrones

Lobos são animais maravilhosos, bonitos pra caramba e que definitivamente um monte de pessoas são apaixonadas por esses bichinhos, apesar de que por serem selvagens, acabam sendo em geral apenas algo admirado. Mesmo assim, essa paixão surgiu junto com a própria humanidade, já que os cachorros domésticos são nada mais do que lobos que foram domesticados e aos poucos ficaram mais dóceis a cada geração até se tornarem o que são hoje, o "Melhor amigo do homem". Então os cães da série Game of Thrones não poderiam deixar de chamar atenção, e o próprio George R.R. Martin os colocou por ser apaixonado por lobos.

George R.R. Martin é tão apaixonado por lobos, que se tornou um dos grandes investidores a uma organização chamada Wild Spirit Wolf Sanctuary, criada especialmente para ajudar lobos criados em cativeiro, e incapazes de sobreviverem sozinhos em ambiente selvagem.

Na primeira temporada do seriado, os lobos usados na verdade eram cachorros de uma raça chamada "Inuit do Norte" que surgiu em 1980 no Reino Unido com o cruzamento do pastor alemão e do malamute. A sua aparência muito parecida com o de um lobo o tornou uma raça bem adequada para o papel. Além do mais é uma raça muito inteligente e dócil, o que fez com que fosse mais atraente ainda.

Uma das coisas que chocou muita gente na primeira temporada, foi que Ned Stark sacrificou o lobo de Sansa (A personagem mais chata já criada em todo o UNIVEEERSOOO!!!) como forma de punição, mas a cena foi tão brutal e real com um guincho do bichinho, que pessoas começaram a se manifestar sobre mal tratos de animais e o escândalo chegou a um ponto de fazer o próprio autor dos livros a publicar em seu blog que não aconteceu nenhum maltrato e o animal não morreu, até porque ele nem mesmo aparece sendo filmado.

A atriz Sophie Turner, que interpreta Sansa (Ou Sonsa, para descrever melhor a maldita) gostou tanto do cachorrinho, que decidiu adotá-lo, e assim levou "Lady" pra casa, o que deixou muita gente aliviada depois que ficou sabendo disso.

A partir da segunda temporada, com o crescimento dos lobos, os cachorros em cenas reais foram descartados e passaram a adicioná-los a partir de efeitos especiais onde uma cena é feita com os atores sozinhos e na outra é adicionada uma nova camada em que estão os animais. Confiram também o musical sensual de Game of Thrones.

Os 48 jogos do Playstation 1 mais amados no Japão

Quando se está no meio de uma geração de video games, é bem normal que títulos novos cheguem e saiam. Muitos desses títulos se tornam os favoritos de algumas pessoas, porém as vezes é algo momentâneo, e assim aquela emoção e empolgação dura apenas durante um período. Apenas alguns jogos é que realmente marcam a vida das pessoas.

Naturalmente isso também é uma coisa que depende de muitas coisas, cultura, gostos pessoais, regiões que os títulos foram localizados, e mais... E quando uma geração passa, não tendo mais lançamentos e o "calor momentâneo" causado por eles, é que realmente se pode ver os títulos que ficaram na memória das pessoas.

Você certamente já deve ter visto a lista com todos os jogos de Playstation 1, mas talvez queira algo mais "filtrado" para poder escolher os títulos. Uma companhia de pesquisa chamada Goo Ranking, fez uma pesquisa no Japão, com 500 pessoas, sendo metade homens e metade mulheres. O objetivo era descobrir os jogos mais amados pelos japoneses no playstation 1, e a lista dos melhores jogos na visão deles é essa:

  1. Final Fantasy VII
  2. Resident Evil (Série)
  3. Boku no Natsuyasumi
  4. Final Fantasy Tactics
  5. Ridge Racer
  6. Dance Revolution
  7. Parappa the Rapper
  8. Arc the Lad (Serie)
  9. Tokimeki Memorial (Série)
  10. Suikoden
  11. Monster Rancher (Série)
  12. Crash Bandicoot
  13. PoPoLoCrois
  14. Xenogears
  15. ChoroQ
  16. SaGa Frontier (Serie)
  17. Valkyrie Profile
  18. Atelier Marie: The Alchemist of Salburg
  19. Digimon World
  20. Ace Combat
  21. Wild Arms
  22. Revelations: Persona
  23. Chocobo Racing
  24. Theme Park
  25. Mega Man Legends
  26. Gunparade March
  27. The Conbini Ano Machi o Dokusen Seyo
  28. Front Mission (Serie)
  29. Warriors of Fate
  30. Ore no Shikabane wo Koete Yuke
  31. Chocobo Stallion
  32. Tokyo Majin
  33. King's Field II
  34. Policenauts
  35. Burger Burger
  36. Klonoa: Door to Phantomile
  37. Kagero: Deception II
  38. Brave Fencer Musashi
  39. Linda Cube: Again
  40. Tecmo's Deception: Invitation to Darkness
  41. Double Cast
  42. Tobal (Serie)
  43. Astron?ka
  44. Carnage Heart EZ: Easy Zapping
  45. Einhänder
  46. Circadia
  47. The Legend of Dragoon
  48. Shadow Tower
E aí, o gosto dos orientais se encaixa com o de vocês? Uma coisa engraçada, é ver jogos que eu nem conheço na lista, e ao mesmo tempo perceber que não tem alguns jogos que eu amava, e que sempre pensei que eram muito populares no Japão, como por exemplo Tenchu, ou mesmo o clássico Silent Hill, não é incrível que ele não deixou uma marca tão grande por lá? Ver essa listinha também me fez lembrar daquele comercial espetacular do playstation através dos tempos, que mostra a evolução de um grupo de amigos, assim como de seus consoles. Enfim, não deixe de conferir também a lista com todos os jogos de Super Nintendo.

Injustice | Um jogo que joguei especialmente pela história

Eu não sou muito fã de jogos de luta, e quando Injustice Gods Among Us saiu, lembro de ter achado legal e tal, tinha uma edição de colecionador espetacular, mas não foi algo que empolguei para ir a fundo. No entanto um amigo meu começou a falar constantemente do jogo enquanto conversava comigo pelo skype, todos os dias nós conversávamos e ele jogava enquanto isso. E então como é normal de gamers, ficava comentando vez ou outra, e no meio disso comecei a ficar surpreso com os elementos do jogo. Já tem algum tempo que joguei, mas uma hora eu precisava escrever sobre, e chegou esse momento!

A história apresenta o Coringa armando uma bomba baseada nas emoções do Super Homem, e se ele ficasse nervoso, ela explodiria. Para o azar do homem de aço, o palhaço é bem sucedido. Metrópolis inteira é destruída, e pior, Lois está grávida e também morre. Isso faz com que Clark fique furioso, abandonando completamente seus princípios. Ele assassina o Coringa, e assume o controle da terra, matando todos os heróis que se opõem, e dando uma chance para os vilões que quiserem se unir a ele para manter a ordem, matando todos os outros e fazendo uma lei marcial no planeta inteiro.

Sério, a trama desse jogo é simplesmente fantástica demais, a ideia do Super Man dominando o planeta todo e assassinando outros heróis é incrível, e o próprio desenvolvimento da trama vai trazendo algumas surpresas, cheguei até mesmo a ficar chocado com uma das mortes que acontece, a coisa é bem empolgante e foi exatamente isso que me fez querer jogar Mortal Kombat X, porque é da NetherRealm Studios também e eu precisava de mais daquilo.

O que você vai sentir, não é que está jogando um jogo de porrada, mas sim assistindo um filme de umas três ou quatro horas de duração. Isso porque você luta com um personagem e já vem apresentações. E não estou falando daquelas apresentações todas fechadinhas em um cenário, mas sim de algo grandioso, aberto, mostrando guerra e tudo mais, é maravilhoso.

As cenas vão passando e as apresentações terminam quando a pancadaria começa, ou seja, pode ser que os personagens estejam voando na porrada, passando por uma cidade, então de repente chegue um outro herói e assuma, e aí do nada a porrada começa em um cenário, é realmente bonito de se ver.

Com essa história alternativa, é possível ver umas coisas bem mais imprevisíveis também, traições, mortes de heróis, e até mesmo um toque de brutalidade. A história do jogo foi a maior atração pra mim e assim que teve promoção na steam, fui correndo comprar, se não me engano paguei menos de dez reais, uma bagatela.

O Super Homem é muiiito filho da puta nesse jogo e de certa forma esse poder imenso que ele tem sobre a terra me lembrou a HQ espetacular Entre a Foice e o Martelo, que apresenta um Super Homem soviético. Além do mais esse é um dos títulos que está na lista de jogos com dublagem em português, e que dublagem viu! Eu cheguei até a citar na matéria do Mortal Kombat como foi uma surpresa que aquela dublagem lá é uma desgraça e essa aqui é simplesmente impecável.

Enfim, está afim de assistir uma animação fodona, e se apaixonar por um jogo de luta mesmo que não te agrade o estilo? Então aqui está um jogo perfeito, você vai ficar completamente empolgado com a história e o ritmo que ela segue, portanto na próxima promoção, não pense duas vezes e pegue esse! =D