terça-feira, 2 de setembro de 2014

Plus One - Um filme com potencial desperdiçado

Eu acho que passei por uma longa era onde só haviam dois tipos de filme, os inesquecíveis, realmente muito bons e geniais, e os clichês com imitações descaradas de outras obras, ou usando fórmulas completamente prontas que te faz perceber claramente o que vai acontecer depois. Digo isso porque ultimamente eu tenho me deparado com muitos filmes que percebo bem claramente o potencial que tem e como o universo desenvolvido, ou a história é interessante, mas no final das contas parece que toda aquela maravilha acaba ficando só meio "É... Legal...", e esse é bem o caso de Plus One, um filme que apresenta elementos interessantes pra caramba, mas no fim das contas é só mais um filme entre outros.

A história tem um toque bastante usado em filmes antigos, meio "Que coisa nada a ver", usando fantasias que podem parecer um pouco bobas, mas nesse caso acabou sendo interessante exatamente pelo o que veio depois. Aqui é apresentado alguma coisa que cai do espaço perto da rede elétrica e a "infecta", viram? Como falei, é meio idiota o ponto de partida, porém isso acaba relevando as coisas porque apresenta um efeito diferente. Apagões começam a surgir, e nas áreas afetadas, há uma anomalia, que afeta a realidade, gerando uma cópia de todas as pessoas presentes, porém fazendo a mesma coisa que estavam fazendo quinze minutos no passado.

Quando li sobre o filme, ele estava marcado como filme de terror, mas esqueçam isso, apesar de se passar em uma festa, com jovens, transas, e uma bizarrice gerada por algo que veio do espaço, não é um filme de sustos de maneira alguma. É mais para algo intrigante, porém não creio que seja intrigante o suficiente para ser classificado como suspense também, sendo assim parece um filme meio neutro quanto ao seu gênero.

Apesar da história parecer não dar em nada, foi interessante a forma que usaram os elementos dela, pois há constantes quedas de energia, e quando isso acontece, os "clones" somem, retornando apenas quando a energia volta, só que cada vez mais próximos no tempo, repetindo exatamente o que os personagens fizeram antes. Isso começa a gerar reações variadas entre os personagens, mas o medo é a coisa predominante, fazendo inclusive com que alguns matem seus clones. Ficou bem legal a forma sobre como abordaram o "E se eles chegarem perto o suficiente no tempo até o momento atual?", então ficou aquele pânico de se perder, de deixar de existir.

Mas também foram aplicadas emoções diferentes, como estar em paz e finalmente se encontrar, transmitiu bem aquela sensação que algumas pessoas tem de não ser compreendidas por ninguém, mas que poderia entender a si, gera aquela questão que muitos tem no subconsciente de "Se eu me encontrasse, será que eu seria meu melhor amigo?". Além também é claro, de apresentar a questão de resolver os erros do passado, poder mudar coisas que não tem mais volta.

Infelizmente, o filme é muito mal conduzido, e apesar de algumas questões filosóficas geniais, ele parece um filme bobo no final das contas, usa muitos elementos tosquinhos de filme adolescente, e acaba não prendendo tanto. No fim das contas eu senti como se tivesse assistindo um ambiente com potencial para Donnie Darko, mas que acabou saindo uma verdadeira desgraça.

O universo apresentado me fez pensar em muitos elementos que eu acharia interessante se abordassem, pois chegam a tocar no assunto múltiplos universos e não clones, apenas o impacto entre duas dimensões, mas isso é colocado de uma maneira bem "Cala a boca sua retardada!". Só que realmente é o que pareceu, e se for o caso, qual dos grupos era o verdadeiro? O que garante que o grupo do futuro é que eram os daquela realidade? Não é tocado nesse assunto no filme.

Mas enfim, eu recomendo, só que apenas para passar o tempo com os amigos mesmo, esse é um filme que poderia ter sido muito melhor, e que tem um dos piores finais que já vi, é tão clichê o negócio, que acabou me surpreendendo, porque eu JAMAIS esperaria que o roteirista tivesse tacado um final tão sem sal enquanto poderia ter aproveitado a história pra por um final magnífico devido as escolhas que os personagens fazem durante o filme. Mas bom, é a vida né?

Dá uma ajuda compartilhando? =)

Millennium 3 Cry Wolf - Um RPG cheio de surpresas

Esse é o terceiro episódio da franquia Millennium, que para quem não conhece, é uma série de jogos de RPG do estilo clássico (JRPG) e que consegue prender um bocado com o seu estilo bastante atmosférico e com foco na história. Os capítulos anteriores foram os jogos A new Hope, seguido por Take me Higher, e agora tendo mais uma sequencia, que dessa vez foi chamada de Cry Wolf, e assim como analisei os jogos anteriores, resolvi postar também sobre esse aqui, e já aviso que certamente os fãs de jogo do gênero irão gostar muito desse simpático jogo.

A história continua apresentando a saga de Marine, uma garota que quer desafiar os senhores da terra onde vive, para que assim consiga o poder sobre o lugar, e possa dar uma oportunidade de vida digna para as pessoas do lugar onde ela nasceu. Mas apesar das leis do lugar ditarem que aquele que vencer em combate os donos das terras merecerem governar, a jornada da garota passa a receber uma certa fama, e assim os líderes começam a agir para tentar fazer com que ela nem ao menos possa desafiá-los em torneio.

O jogo tem realmente um grande foco em história, inclusive quando você vai escolher as dificuldades, assim como os títulos anteriores da franquia, aqui você pode escolher o modo história, onde se ganha uma quantidade bem maior de recompensas, e os personagens são muito mais fortes, fazendo assim com que seja uma experiência com foco quase que completamente na história do jogo, e dessa forma seja também perfeito para quem quer apenas se entreter com uma aventura sem se esforçar muito. Mas claro, esse é o modo mais fácil, pois da mesma forma o jogo oferece um modo muito difícil onde as coisas ficam realmente mais complicadas e se encaixe perfeitamente nos padrões de jogadores que queiram uma aventura hardcore.

A jogabilidade é daquela que te faz ter aquela sensação de que os desenvolvedores foram observando coisas que eram adequadas e ficariam boas e assim adicionaram. Então a sensação que se tem é que o jogo recebeu a mesma mecânica, mas também um pacote de atualização para deixar tudo mais suave. Então aqui é adicionada a clássica mecânica de JRPG, mas com certos elementos configuráveis, como por exemplo se vão ou não aparecer encontros aleatórios.

Graficamente o jogo recebeu um toque mais sombrio, assim como a mecânica você percebe certos elementos mais obscuros aqui, com muitas cavernas e ambientes mais pesados, algo que deu aquela sensação de que a história que inicialmente era mágica e em clima fantástico, começou a ficar mais pesada a medida que a personagem se aproxima de seu destino.

Enfim, fica aí essa dica de simpático JRPG, mas porém somente recomendo para quem jogou os anteriores, até porque é possível importar os personagens antigos para essa nova aventura, e assim continuar de onde parou. Quem se interessar pode dar uma conferida no site oficial do jogo.


Dá uma ajuda compartilhando? =)

O homem que se filmou enquanto dormia e vi algo bizarro

A paralisia do sonho é um mal que afeta muitas pessoas, fazendo com que sintam que acordaram, porém ficam paralisadas em suas camas, o que acaba fazendo com que tenham pesadelos, comecem a ouvir vozes, e sintam a presença de alguém ou algo por perto. Alguns dizem que isso trata-se nada menos do que um alerta do sexto sentido humano, outros que realmente é um estado explicado pela ciência.

Um homem chamado Mike Pike sofria de paralisia do sono constantemente, o que o levou a ficar desesperado por alguma solução, pois não aguentava mais ficar em um estado tão desagradável, e acabou decidindo colocar uma câmera ao lado de sua cama para se filmar e assim talvez poder encontrar algum tipo de solução para os acontecimentos.

Uma das alucinações que constantemente Mike tinha durante essas paralisias, era a de alguém parado ao pé de sua cama, olhando para ele, o que naturalmente era algo bem perturbador, porém ele já tinha se consultado e sabia que o estado podia causar esse tipo de coisa, e assim uma solução física se tornou o mais aceitável. A surpresa foi quando já na primeira filmagem, o homem capturou a seguinte coisa:
Em entrevista ao site Examiner, Mike fez algumas declarações quanto ao assunto:

"Eu sou um racionalista e uma pessoa muito cética com nenhum interesse anterior em atividade paranormal, mas depois de fazer algumas pesquisas, parecia que havia uma possibilidade de que essa entidade fosse real"

"Eu assisti ao vídeo inúmeras vezes tentando descobrir alguma explicação lógica para o que poderia ter causado a imagem do que parece ser um fantasma, mas eu não sou capaz de chegar a uma resposta. Eu realmente estou começando a acreditar que eu capturei a entidade que vi durante a minha paralisia em vídeo. Isso me assusta tanto que não consigo mais dormir no meu quarto”

Eita, será que o que o que Mike viu na verdade não foi presença da Névoa Escura?

Dá uma ajuda compartilhando? =)

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

O belo teaser live action de Resident Evil Revelations 2

Embora nem todo mundo tenha achado Resident Evil Revelations um bom jogo, ele com certeza conseguiu chamar muito a atenção e ser um belo destaque, tendo em geral a aprovação de grande parte do público que anteriormente atacou tanto a franquia por ter investido demais na ação em outros títulos, e o Revelations foi como um divisor de águas, que ao mesmo tempo que usava parte da mecânica adotada em Resident Evil 4, trouxe também sustos e situações semelhantes a algumas apresentadas em Resident Evil 1.

E em 2014 a CAPCOM acabou dando uma baita de uma surpresa aos fãs, primeiramente anunciando o relançamento Resident Evil Remake, que durante mais de uma década se manteve como exclusivo da nintendo, e finalmente poderia ser contemplado por muitos jogadores que jamais tiveram a chance, e então anunciou Resident Evil Revelations 2 na Tokyo Game Show. Uma das coisas interessantes e que surpreendeu algumas pessoas, é o jogo ter sido anunciado para Ps3, Ps4, PC, Xbox One e Xbox 360, e rumores anteriores diziam que assim como o primeiro jogo, a sua sequencia seria lançada inicialmente para Nintendo 3DS e depois para outras plataformas, porém nem ao menos foi anunciada para o portátil.

Eu sei bem que nem todo mundo gostou, afinal nunca se pode agradar a todos, mas achei simplesmente espetacular a forma que a CAPCOM escolheu para revelar o jogo ao mundo, usando um teaser em live action muito atmosférico, confiram:

Nossa, maravilhoso ein? Achei fantástica a forma simbólica que colocaram, primeiro com o vídeo começando com aquela porta sendo aberta, referência clara a Resident Evil's clássicos onde aparecia uma porta sendo aberta assim que o jogador entrasse em algum lugar, e também sendo um aviso indireto do tipo "É isso aí, manteremos o toque da moda antiga".

Mas sobre o vídeo em si, o fato dele ser preto e branco já dá um certo toque especial, daí essa garotinha correndo em meio a uma festa, com todos os outros personagens se movendo de forma bem mais lenta, o que gera aquela curiosidade sobre o que exatamente está acontecendo, e claro, os braceletes verdes, que é onde há o verdadeiro toque mágico da coisa, nossa essa ideia de braceletes verdes e vermelhos ficou espetacular. A forma como de repente você vê um dos convidados bem estranho, e então outro, e outro, e quando você menos imagina, a situação do cenário já mudou completamente, além desse final com o zumbi olhando diretamente para a câmera, não foi preciso nem ele aparecer dando um susto, a tensão conseguiu ser mantida apenas com o fato dele estar ali olhando direto pra você, isso meio que te transporta pra dentro da cena, realmente muito bom! E vocês, o que acharam? Existe um certo toque de Run Boy Run, não acham?

Dá uma ajuda compartilhando? =)

Toast Time - Um simpático joguinho a moda antiga!

Se você chegou a jogar os jogos da era do Game & Watch, certamente sabe que existe um certo toque especial em jogos daquele estilo, toda aquela mecânica limitada era compensada e muito graças a diversão que aquela jogabilidade era capaz de oferecer. Facilmente aquele tipo de jogo conseguia consumir horas e horas, naturalmente também levando a bateria embora, e Toast Time é um jogo que faz lembrar bastante aquele estilo, embora haja os seus toques que naquela época não era possível devido as limitações.

O jogo se passa em um universo inglês caricaturado, onde você controla uma torradeira e tem que enfrentar criaturas de outra dimensão ansiosas por tempo livre, no entanto você precisa proteger o relógio enquanto a hora do lanche não chega, e assim impedir que as criaturas consigam roubar o tempo livre.

Como podem ver, é bem simples a história e de certa forma até mesmo insana, porém esse é o tipo de obra que a trama é mais para dar um toque de humor e um climinha simpático, que para se tirar alguma coisa mesmo. Então aqui o negócio é se divertir e passar hora enfrentando as criaturas que aparecerem ansiosas por tempo.

A jogabilidade se passa em uma tela vertical, não ocupa o monitor inteiro, apenas parte do meio, (como em alguns jogos para smartphone), e aparece um relógio, a torradeira e logo as criaturas que começam a entrar na tela. Você pode atirar torradas, basta mirar e apertar o botão esquerdo do mouse para que ela saia voando, e assim deve acertar todos os inimigos que aparecerem, mas há também pacotes de bônus que surgem, e se você os acertar, ganhará tiros diferentes, como por exemplo estacas que batem em lugares sólidos e danificam qualquer inimigo que as toque, ou tiros que se espalham em vários pedaços e atingem múltiplos alvos. Além disso a cada tiro, o seu personagem é arremessado para longe, fazendo assim com que ele muitas vezes fique no ar ou em locais que você tenha que calcular onde atirar por tanto você quanto o alvo estarem em movimento.

O jogo tem um visual bem simpático, um estilo pixelizado com um fundo de duas cores apenas, e dependendo do mundo em que você tiver, o fundo muda de cor e também de imagens, isso dá ainda mais aquela sensação de se jogar jogos da era Game & Watch. É ainda possível se destravar alguns bônus bem bacanas, todos com um toque inglês, como por exemplo uma cartola, um daqueles óculos de um olho só, e uma bengala.

Enfim, se você estiver procurando por um jogo apenas para passar o tempo e se divertir, pode acabar ficando belas horas entretido nessa belezinha. Quem se interessar pode dar uma conferida no site oficial do jogo.

Dá uma ajuda compartilhando? =)

MARBLE HORNETS 87 - Sozinho novamente...

Recomendo antes de tudo, dar uma olhada nos episódios anteriores dessa série de terror.

Achei esse episódio bem agradável, tranquilo pra caramba e de certa forma um tanto triste, afinal depois de tudo só sobrou o Tim, também me faz perguntar o que aconteceu na entrada anterior e se isso é uma sequencia ou se ocorreu antes.

Dá uma ajuda compartilhando? =)

domingo, 31 de agosto de 2014

Forever - Mais uma série sobre a imortalidade

Parece que escolheram 2014 para ser um ano com pessoas imortais, primeiro apresentando a sombria Intruders, e apenas duas semanas depois da estreia, lançando o seriado Forever, no entanto esse, ao contrário da outra, é muito mais leve e aberto a um público que gosta de coisas mais simpáticas e suaves em sua forma de ser apresentado, dessa forma definitivamente são séries que abordam um mesmo tema, mas acabam atingindo diferentes pessoas no quesito diversão, podendo facilmente fazer os fãs mais fervorosos de uma odiarem completamente a outra.

Aqui é apresentada a história Dr. Henry Morgan, um homem que trabalha em um necrotério de Nova Iorque, e poderia ser apenas uma pessoa comum, se não fosse o fato de que tem 200 anos de idade, e não tem ideia do motivo de não conseguir morrer. Após viver muitos amores, e perder todos, ele está cansado de sempre reaparecer na água toda vez que morre, e assim passa a tentar descobrir uma maneira de conseguir finalmente morrer.

Essa é uma daquelas séries que embora seja suave, não pode também ser considerada pra todos os públicos, pois aparecem coisas como gente morta, e piadas sacanas, fazendo assim com que não seja exatamente adequado para crianças. Por outro lado é uma série que você nota já no início que tem bastante aquele estilinho de cada episódio aparecer um desafio novo onde os personagens começam a investigar, a no final acabam achando a resposta. Mas também é adicionada uma história principal, no caso tem a ver com uma pessoa misteriosa que começa a ligar para o personagem principal e demonstrar que sabe tudo sobre ele, como se estivesse sempre observando cada detalhe.

Esse é um seriado que deixará muita gente impressionada com o personagem, isso porque ele tem certos elementos clichês que conseguem surpreender o povo, como por exemplo ele analisar o tempo todo tudo e todos, fazendo assim com que vá falar com alguém e saiba tudo sobre a pessoa, sempre dando explicações como "Observei seus dedos suados", ou "Esse pingente é do ano bla bla bla..." e assim vai, claro que isso deixa o personagem bem forçadinho, mas como falei, para uma série desse gênero, acaba sendo adequado e funcionando, podendo entreter um bocado. Não preciso nem falar que só porque o personagem é imortal, ele tem que morrer sem parar das mais variadas formas, é aquele tipo de coisa bem "ÓÓÓHHH!!! ELE MORREU DE NOVO, SÃO TANTAS FORMAS EMOCIONANTES QUE O CARA BATE AS BOTAS!" hahahaha.

Enfim, eu não posso dizer que me apaixonei por Forever, mas vendo para o público que a série é direcionada, acho que cumpre muito bem o seu papel em entreter, então se você curte algo mais suave com alguns toques de humor e está afim só de passar o tempo com uma historinha rápida, pode realmente ter um ótimo tempo assistindo cada episódio.

Dá uma ajuda compartilhando? =)

Shadowgate - Um robusto simulador de aventura medieval

Eu tenho que assumir que nunca tinha ouvido falar de Shadowgate, ou ao menos se ouvi falar, não consigo me lembrar. Sendo assim, só fiquei realmente conhecendo o jogo, quando saiu o seu reboot de 2014, e isso me fez conhecer o clássico originalmente lançado no final dos anos 80 para MAC e Nintendinho 8-Bits. Não demorou muito para eu perceber que é um daqueles jogos aclamados e que (com razão) foi muito amado por sua experiência intensa. Então chegou a hora de eu fazer uma análise dessa maravilha!

A história se passa em um universo de fantasia sombria medieval, te colocando no papel de um herói que adentra um castelo cheio de perigos e passa a explorar cada um dos lugares, decifrando seus mistérios e enfrentando inimigos constantemente.

A jogabilidade é um tanto diferente, embora seja um point and click, esse jogo não é um adventure, mas sim um RPG, e assim a mecânica é um tanto própria do jogo. Aqui você tem uma lista de ações no topo da tela, e a partir dela é possível escolher o que fazer, como por exemplo "Pegar", "Olhar", "Usar", essas coisas... Mas a beleza do jogo, é que as coisas são todas um tanto mais mecânicas, e não vão direto ao ponto, com a grande quantidade de ações, você tem que interagir com o ambiente, e tentar ver o que fazer, sendo que há uma enorme quantidade de possibilidades.

Existem duas formas de jogabilidade, a primeira usa o estilo clássico, onde você tem que selecionar a ação, selecionar o item, e as vezes mais uma vez selecionar o destino, por exemplo Usar > Chave > Porta, e assim ir seguindo, sendo que muitas vezes é preciso também clicar no inventário para poder selecionar o item, e assim poder prosseguir. Existe uma beleza especial nesse estilo de jogabilidade, pois deixa bem claro o quanto o jogo tem opções, mas por outro lado pode se tornar um tanto cansativo. E existe a segunda forma de se jogar, onde você pode configurar atalhos para rapidamente selecionar e fazer as coisas, esse jeito também faz sumir os atalhos da tela, deixando as coisas mais intensas.

O jogo causa uma baita sensação de se estar jogando um RPG de mesa, pois além da visão em primeira pessoa, o belo ambiente medieval, e a enorme quantidade de possibilidades, é muito fácil morrer, e você ainda conta com um mapa, e dessa forma pode sair andando e descobrindo coisas, e se arriscando, existem armadilhas e elementos que provocam a sua curiosidade, só que muitas vezes você fica desconfiado, pois fazer uma algo possa ser bom, porém ao mesmo tempo pode ser uma bela de uma desvantagem, fazendo assim com que você queira deixar algumas coisas quietas e simplesmente passe reto.

O visual do jogo é maravilhoso, com imagens que parecem pinturas pintadas a mão, porém com um ambiente que se mexe, além de diversos efeitos constantes, fazendo assim com que a experiência tenha um toque cinematográfico, além disso você tem um mapa que te permite vagar pelo lugar e alguns dos cenários podem mudar completamente de visual dependendo do que acontecer. Você também tem certas opções para mudar para elementos clássicos, como o som original do jogo, ao invés da maravilhosa música orquestrada, a transição de áreas no estilo 8 bits, e os textos.

Enfim, para quem estiver procurando por uma aventura mais intensa e com um climinha medieval a moda antiga, essa pode ser uma opção perfeita! Quem se interessar pode dar uma conferida no site oficial do jogo.

Dá uma ajuda compartilhando? =)