Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

domingo, 15 de abril de 2018

Masters of Anima | Se torne um invocador de golems!

Esse é um daqueles jogos que apresentam uma proposta simples, porém divertida e graças a isso são capazes de gerar uma boa diversão com uma jogabilidade peculiar, especialmente para aqueles que gostam de histórias envolvendo magos. E aqui você controla um poderoso invocador que usa exércitos para destruir inimigos ou trabalharem a seu favor.


Você assume o controle de Otto, um aprendiz que finalmente consegue atingir o nível de Mestre de Anima, uma poderosa energia que alguns conseguem absorver e converter em invocações. No entanto logo há um ataque e sua prometida Ana é condenada por um poderoso Mestre de Anima inimigo. Apesar do mundo cair no caos e ele ser orientado a ajudar a restabelecer a ordem, Otto é irresponsável e quer apenas conseguir resgatar sua amada do terrível destino que recebeu.

Jogos que tem magos como classe principal sempre me atraem de imediato, e assim obras como o brutal Fictorum ou o cooperativo Son of Nor rapidamente chamam minha atenção. Mas no caso desse foi mesmo uma coincidência, já que quando fui jogar no Twitch pensei que era algum tipo de Tower Defense ou jogo de estratégia. 

Então foi uma surpresa quando descobri que é um jogo isométrico onde você vai invocando uma multidão pra te ajudar e causa o caos por onde passa, tipo o necromante de Diablo 2, ou jogos mais animadinhos como o hilário Okhlos. Porém ao mesmo tempo há sim um toque de estratégia com o posicionamento de invocações.

Esse é daquele tipo de jogo que tem uma certa simplicidade em sua jogabilidade que acaba sendo compensada pelo notável carinho colocado em cima. Ou seja, é simples, mas é gostoso de jogar, daqueles que te fazem passar o tempo quase anestesiado, jogando tranquilamente, semelhante a obras como Minit e Rex: Another Island.

Aqui você deve andar por aí e coletar globos de "Anima", a energia que você usa pra transformar em invocações que podem lugar por você, empurrar coisas pesadas, apertar botões, e outras coisas. É também possível atacar diretamente os inimigos, no entanto como você é um mago, seus ataques corporais são frágeis e sua vida também.

Inicialmente você só poderá invocar golems guerreiros, no entanto com o passar do jogo, começa a poder invocar novos tipos que terão funcionalidades diferentes, por exemplo os magos que te geram proteção para passar em áreas consumidas pelas trevas sem tomar dano, ou os arqueiros que atingem alvos voadores.


As invocações custam Anima, então você precisa coletá-la enquanto mata inimigos e quebra coisas. Existe um limite de invocações, e por isso especialmente quando se tem mais classes disponíveis, é preciso ter estratégia para o que vai fazer, invocando a quantidade que achar adequado e posicionando cada grupo nos lugares certos.

Nos combates você não apenas coloca as invocações para atacarem até morrer, é preciso observar os inimigos, ver o que irão fazer. Por exemplo se ele começa a carregar um ataque em área, é melhor tirar todo mundo de perto, se ele vai dar um ataque deslizando em direção aos seus guardiões de longa distância, é melhor reposicioná-los.

O elemento de estratégia também está no fato de que em alguns lugares é preciso deixar personagens fazendo coisas simultaneamente, isso também acaba se encaixando como puzzle, que você acha frequentemente em tarefas como ordenar os guerreiros a empurrarem esculturas e posicioná-las nos lugares certos para seguir em frente.

Visualmente o jogo é muito bonitinho, sendo feito em lowpoly e apresentando aquele visual tão bacana que conhecemos em alguns jogos como Stormworks, Criminal Bundle, e inclusive a atmosfera do jogo me lembrou um bocado a do também low poly Cross of the Dutchman, com esse climinha de aventura meio compacto.

Enfim, tá aí um jogo que pode não ser o mais viciante do mundo, mas que em sua simplicidade de elementos consegue agradar por ser ótimo pra passar o tempo. Parece ser exatamente o oposto a jogos como Extinction, que tem uma proposta absurdamente grandiosa em tudo e no fim acaba não conseguindo ser bom em nada. Sendo assim, recomendo.


Nenhum comentário: