BABBDI | Misterioso jogo grátis com alto nível de esquisitice em uma cidade decadente

Sempre tento explorar os games grátis mais interessantes aqui no Blog Nerd Maldito. Então games de computador diferenciados como Subway Surfers de Terror e o simplesmente inacreditável Krieger, acabam dando as caras por aqui. Sendo assim, acabou sendo inevitável eu cruzar o caminho de BABBDI, que é um daqueles jogos para PC com estilo retrô que nem mesmo os mais antigos consoles 3D da Nintendo chegaram a ter, faltando muito realismo, mas consegue apresentar uma atmosfera absurdamente intrigante, o que explica as notas extremamente positivas na Steam.

A história se passa em uma megalópole sem nome onde existe um distrito esquecido chamado BABBDI. Um lugar de prédios tão gigantescos que facilmente ocultam o céu com frequência em praticamente qualquer lugar que você esteja. No entanto um ambiente decadente onde suas estruturas estão à beira de serem ruínas e muitos querem ir embora, mas a única forma de sair é através do trem, e conseguir um ticket é para poucos.
Diferente de jogos agitados como Stumble Guys, Among Us ou Grand Theft Auto: San Andreas, aqui temos um jogo mais lento e misterioso, mais próximo de obras elegantes como Concluse. Apesar de ter uma grande quantidade de itens utilizáveis e mecânicas curiosas que você vai utilizando para fazer coisas com mecânicas bem variadas, é um jogo de exploração e paciência, que você tem que compreender logo de primeira se não quiser desistir. Já que ele não é um jogo com belos gráficos realistas, e que parece super polido em sua mecânica. Tem um baita clima de gambiarra.

Então, começando pelo visual, que certamente é uma das primeiras coisas que causa um impacto, ele definitivamente não é o tipo de jogo que você vai pegar a assinatura do Xbox Game Pass Ultimate só pra poder usar o Xbox Cloud Gaming e a tecnologia de computação em nuvem pra poder rodar um jogo de computador pesado que o seu PC não aguenta. Isso porque em uma visão direta ao ponto, o gráfico desse jogo é feio que dói, tipo o amado SCP: Labrat, mas muita gente com certeza vai sentir repulsa, sendo bem distante dos Triplo A que viram jogo em nuvem para muita gente.
Porém gráfico não é tudo, e aqui temos um exemplo perfeito daquele tipo de obra em que "A beleza está nos olhos de quem vê". Afinal de contas quantos jogos AAA não são genéricos, né? Já vimos vários games de PC que tem um 3D lindão, mas parece ser só mais um, sem personalidade alguma. É só ver a vergonha que foi Babylon's Fall sendo jogado no lixo por uma loja, enquanto Cuphead, que nem 3D é, foi aclamadíssimo.

E no universo de BABBDI, podemos ver que tem um baita charme presente. A principio um monte de salas onde a textura é cinza, estilo cimento e que parece que o desenvolvedor tava com preguiça ou só não tinha tempo, então usou a mesma tanto nas partes internas, quanto nas externas dos arranha-céus. Além de personagens nem um pouco bem modelados, parecendo monstros.
Mas a coisa acaba mostrando sua beleza na medida em que você vaga pelo lugar. Inicialmente parece que vai ser um daqueles jogos da Steam completamente limitados e lineares que algum desenvolvedor de jogos indie quis fazer só pra testar suas habilidades, mas sem ser nada demais. Porém ao ver a grandiosidade da cidade e variedade de personagens, itens e ambientes, é que você percebe que é algo que tem seu charme na feiura.

A ambientação misteriosa me faz lembrar aquelas cidades que o autor H.P. Lovecraft costumava sonhar e escrever sobre. Lugares misteriosos escondidos em um lugar apenas acessível pelos sonhos. Misteriosos, pouco habitados, e com construções gigantescas. Uma sensação de vazio, mas também algo impressionante e maravilhoso. Tipo o que ele mostra em Celephais, e inclusive se me falassem se passa na mesma cidade de Azathoth, eu acreditaria com facilidade. Também lembra muito aquela intrigante cidade usada no Rei de Amarelo, e que aparece em várias obras da cultura pop desde sua primeira aparição em Um Habitante de Carcosa.
No entanto, a cidade que temos aqui não é como se fosse um reino de fantasia medieval ou alienígenas como normalmente cidades oníricas e cidades lovecraftianas costumam apresentar. O que temos aqui é algo muito urbano, mas em caos. Como ruínas modernas, me lembra a representação de cidades da União Soviética que muitas obras apresentam, como locais urbanos, mas sempre com aquela aparência de velho e que tudo é tecnologia antiga. Tipo o ambiente que temos no mais do que maravilhoso Pathologic 2, que aliás é um dos melhores RPGs que você vai ver!

Então por mais que não seja um jogo feito pra usar toda a potência de um Sony Playstation 5, Microsoft Xbox Series X ou mesmo um PC Gamer, ou nem ao menos chegar perto mesmo da potência de um Xbox One ou Nintendo Switch, temos algo que vai além dos gráficos e que pode não ser um The Last of Us em ambientação, mas te coloca submerso pelo mistério desse ambiente. Isso pode ser algo super viciante.
Você encontrará coisas como restaurantes, ambientes industriais, áreas de vigilância, redes de esgoto e muito mais, isso sem contar com as várias residências. Sendo assim, é mais fácil você achar um cassino em BABBDI, do que uma taverna ou qualquer elemento de fantasia medieval. É como se fosse um ambiente de Dark Fantasy usando temática urbana moderna. Ao invés de castelos gigantes que um dia tiveram sua era de ouro, tipo o super atmosférico Fear & Hunger, temos aqui megaprédios super grandiosos em tamanho, mas visivelmente decadentes.

Esse é um daqueles games da Steam onde não é óbvio no que fazer. Você acaba deduzindo com facilidade no começo que deve sair desse lugar porque um NPC fala que vai embora dali com sua esposa porque ele tem um ticket para o trem, e outro comenta que ele é sortudo e que a única forma de sair desse lugar é com um ticket. O jogo não foi lançado com tradução para português PT-BR, infelizmente, no entanto é muito fácil pra quem tem inglês intermediário, já que cada NPC não fala um super texto, mas sim frases rápidas.
Sendo assim, você deve sair por aí testando o que cada coisa faz. Você pega objetos e embora alguns sejam óbvios, como a lanterna, outros são um tanto estranhos. Tipo um secador de cabelo ou um dispositivo que sempre aponta para algo que está em um determinado lugar dessa cidade, mas você precisa achar uma forma de chegar até lá para descobrir.

Apesar de poder parecer, por sua ambientação decadente que talvez seja até mesmo um game pós-apocalíptico, esse não é um jogo de terror. Sendo assim, não se preocupe que tá bem distante de ser um Poppy Playtime, com um inimigo atrás de você. Na verdade o jogo não tem nem combate e seu personagem é absurdamente resistente, não tomando dano mesmo que você pule de arranha-céus.
A cidade é absurdamente robusta em relação à quantidade de locais para entrar e explorar, e me faz pensar que se ele tivesse sido construído para um console como Microsoft Xbox Series S, usando gráficos medianos, certamente já seria um problema de peso, pois é realmente uma quantidade enorme de salas e entradas nos edifícios. Prey é o único jogo que consigo pensar de cabeça que tenha gráficos cabulosos e tenha usado algo assim.
Por exemplo, aconteceu muitas vezes de eu olhar pra baixo e ver que podia pular em um buraco, e quando menos esperava, ir parar em um lugar como uma rede de esgoto onde pessoas dançavam ao redor de um barril em chamas, ou subia tão alto que dava para ver toda a grandiosidade da cidade e com locais conectados entre os prédios que só me faziam tentar imaginar como alcançar aquelas novas salas.

Enfim, no jogo Game Dev Tycoon e no documentário Indie Game: The Movie, temos amostras do que é ser indie e trabalhar no fundo de quintal. E aqui temos um game grátis que parece ter sido feito com todo o carinho que um desenvolvedor indie deve colocar em sua obra. Sendo assim, se você cansou de obras tão leves como os jogos do google grátis como o Doodle Champion Island Games, mas também não quer um Fortnite, esse aqui é um jogo gratuito que pode ser um bom meio-termo. Você pode fazer download de BABBDI grátis aqui. E se quiser conhecer muito mais coisas interessantes, visite o Blog Nerd Maldito.

Postar um comentário

0 Comentários