O Filho de Chucky | O ápice da tosqueira na franquia

Normalmente quando uma franquia faz algo tosco demais porque alguém teve a brilhante ideia de exagerar a ponto de acabar com tudo, vem um reboot da coisa toda. É só ver "Highlander", que conseguiu a façanha de cada sequência ignorar completamente o filme anterior, fingindo ser continuação direta do primeiro filme. Mas esse não foi o caso de "Seed of Chucky" de 2004, que pegou o que já tava tosco e piorou muito mais!

A história é sobre um boneco chamado Shitface, que está vivo de verdade, mas não compreende sua existência. Ele é escravizado por um homem que faz apresentações com ele, fingindo ser um ventríloquo sensacional. Até que Shitface vê na TV uma apresentação de um filme que está sendo rodado, de uma lenda urbana sobre um boneco assassino chamado Chucky e sua namorada Tiffany, o que o faz fugir para tentar entender de onde veio.
Assumo que achei interessante a proposta inicial da coisa, com esse climinha de lenda urbana. De certa forma me faz lembrar o que introduziram em "Pânico 2", em que mostram um filme que apresenta os acontecimentos do primeiro filme. E aqui, com essa ideia de lenda urbana, a coisa fica ainda mais atraente, com potencial para o que tivemos em "O Mistério de Candyman". Mas infelizmente tudo acaba por aí.

O que temos aqui é um filme que mostra com todas as forças o quanto a franquia estava desgastada nessa época. Até mesmo a fotografia é um bagaço, parecendo aquelas de séries vagabundas, e não a de um filme. Eu sei que o conceito por si só de um boneco que mata gente já é zoado, mas se você for assistir o primeiro "Brinquedo Assassino" vai perceber que tem uma temática sombria, envolvendo magia negra, com uma investigação elegante da coisa e diálogos super bem feitos.
Mas aqui, todo o horror possível, é tacado fora e vira só um besteirol mesmo. É notável que a coisa foi feita para ser algo do tipo "Olha que engraçado!", o que com certeza pode atrair um certo público, mas para os fãs de terror que estão maratonando a franquia, a coisa pode não cair tão bem e apenas ser vista como um verdadeiro desperdícios de recursos.

E o pior é que a sensação é de que os personagens só estão andando por aí, sem uma história mesmo. Assim como o filme anterior, nessa o Andy nem é mencionado e muito menos o Tyler, de "Brinquedo Assassino 3", sendo que ambos eram personagens chave para que Chucky pudesse transferir sua alma. Até mesmo no caótico "A Noiva de Chucky", eles tinham um objetivo, que era desenterrar o corpo de Charles Lee Ray pra pegar um talismã e se libertar.
Agora em "O Filho de Chucky", o que temos são três personagens discutindo problemas familiares, brigando, se reconciliando e essa coisa toda. Não tem nada, só são eles andando pra lá e pra cá, matando uma galera de vez em quando e se envolvendo em um drama entre bonecos que realmente afasta muito o horror da coisa.

É claro que não dá pra negar que o conceito em si acaba atraindo, mas é aquele tipo de coisa que é mais fan service puro. Algo que funcionaria bem como uma fan fic, que assim não precisaria ser levado a sério, mas levando em consideração as origens da coisa, adicionar todo esse negócio de ter uma noiva no filme anterior e de repente um filho, é uma pena.
Mas não vou dizer também que ninguém gostaria de assistir esse filme. Sei bem que existem fãs de trash toscão mesmo. Eu gosto de coisa trash também, porém quando pegam uma franquia com potencial e tacam isso, acho que já é outra coisa... Por exemplo, "O Sofá Assassino" é algo que começou do bagaço já no início, então não tem o que cobrar.

Uma outra coisa interessante no filme, são as referências presentes, que podem acabar atraindo alguns fãs, como por exemplo o Chucky com um machado detonando com uma porta e depois colocando o rosto ali, o que é clara referência a "O Iluminado", ou o Glen/Glenda (nome que o personagem assume depois) metendo a faca em uma mulher na banheira, fazendo referência ao clássico "Psicose".
Mas infelizmente essas coisas não mantém um filme e acaba sendo muito problemático. Até o final indica que a produção não tinha ideia do que estava fazendo e passa muito a sensação de que eles só falaram "Cansamos gente, vamos acabar com o filme?" e tacam um final corridaço lá, que quando você menos espera diz "CHEGA".

Enfim, eu realmente só assistiria um filme desses em duas ocasiões. A primeira é querer assistir algo sem ter que pensar muito, naqueles dias de tédio extremo que só quero passar o tempo. A segunda é maratonando, que era o que eu estava fazendo com um amigo. Sim, tem algumas coisas engraçadas como eles matando a Britney Spears, mas no geral eu achei o filme uma desgraça. E vocês, gostaram?
 

Postar um comentário

0 Comentários