A petição contra a HQ Second Coming, que mostra Jesus como herói

Sem sombra de dúvidas, Jesus já apareceu nos lugares mais estranhos, a verdade é que há muitos séculos que ele se tornou um produto que o povo vende loucamente, seja na própria igreja com coisas personalizadas relacionadas, seja em outras áreas da cultura pop. No entanto é tão inusitado quanto, quando algumas petições aparecem aleatoriamente, e uma delas é Second Coming, que deixou muita gente irritada.


Tudo começou no fim de 2018 quando a DC Comics anunciou Second Coming, uma revista em quadrinhos que colocava Jesus como herói em um universo alternativo. Nesse, a versão do Super Man se chama Sun Man, que é surpreendido com a segunda vinda de Jesus, que trabalhará em conjunto para tentar salvar a humanidade. A descrição oficial dada foi essa:

"Testemunhe o retorno de Jesus Cristo, quando ele é enviado por Deus em uma missão sagrada que levará o verdadeiro Messias da humanidade a se tornar colega de quarto com o salvador favorito do mundo: o todo poderoso super-herói Sun-Man, o Último Filho de Krispex! Mas quando Cristo retorna à Terra, ele fica chocado ao descobrir o que seu evangelho se tornou - e agora, ele volta para se fazer entender"

Rapidamente rolaram manifestações de toda parte, por um lado pessoas falando que se Thor, que é um deus, pôde se tornar um super herói, qual seria o problema de o deus cristão também se tornar? Por outro lado o mesmo argumento acabou sendo usado para explicação, afinal de contas "Thor é um deus falso e Jesus não", sendo uma explicação para poder brincar com a entidade nórdica. E assim surgiu essa petição: 

“DC Comics está prestes a lançar uma série ultrajante e blasfema, com Jesus Cristo de ajudante de um herói 'todo poderoso'. Deixe a DC saber que esse quadrinho é inapropriado. Isso deveria ser removido de seu calendário de lançamentos imediatamente.” 

A coisa atingiu 100 mil assinaturas rapidamente e claro que isso só fez a treta rolar ainda mais solta, especialmente porque existem HQ's bem mais blasfemas, seja Escape From Jesus Island, em que tentam clonar Jesus várias vezes e fazem uma ilha de aberrações, Chosen, em que um garoto de 12 anos descobre ter os poderes de Jesus e brinca com isso, ou Preacher, que o Deus Cristão é mostrado como um ser extremamente mimado e egocêntrico cheio de ódio e bastante covarde.

Então acabou sendo uma daquelas coisas naturalmente controversas, especialmente porque foi algo bastante peculiar, afinal de contas blasfêmia é o que não falta hoje em dia por aí, e meio que se tornou algo comum, ninguém vai pra fogueira mais. Então especialmente o fato de ser algo suave, fez com que a coisa gerasse ainda mais falatório.

Enfim, é uma questão delicada, muito provavelmente a ofensa é exatamente por ser algo apresentado de forma modesta, o que o torna mais realista para quem adora a Deus, enquanto outras obras são tão exageradas que acabam nem levando a sério e só ignorando. Vez ou outra aparece uma petição vinda de grupos que fica polêmica, um exemplo foi o abaixo assinado pra mudar a localização de Far Cry 5 pro Canadá.

Comentários