Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Fighting box - Jogo brasileiro onde pancadaria não falta

Hoje vou falar sobre um jogo que me encantou visualmente assim que bati os olhos, mas que realmente é o tipo de obra que acaba sendo para um público específico, pois infelizmente falta um conteúdo mais profundo para conseguir prender o jogador por muito tempo. É o jogo brasileiro Fighting box, então vamos à análise!


O jogo não tem história, na real não tem nem menu direito, você abre, aparece uma tela indicando os controles e assim que aperta um botão, já vai pro meio da pancadaria louca entre personagens, e assim segue em um estilo arcade. Ou seja, é aquele tipo de jogo que é digno de máquinas antigas de fliperama, você vai jogando pra ver que pontuação faz.

Aqui nós temos uma obra com visão isométrica em que você controla um lutador de boxe quadradão, bem no estilo jogos voxel mesmo como minecrafte o objetivo é descer o cacete nos adversários até morrerem ou serem derrubados para fora do cenário. Cada vez que você os vence, o próximo nível é carregado sem enrolação.

Apesar de meio secos nas texturas, os visuais dos cenários são bem simpáticos, tanto que o que realmente me chamou a atenção no jogo foi o visual dele. É cheio de coisinhas, podem ter armadilhas como um martelo gigante passando pra lá e pra cá, esteiras que podem jogar os personagens no chão, estacas que ficam surgindo e sendo recolhidas e assim vai.

A física do jogo é completamente bizarra e você pode saltar e seu personagem virar de cabeça pra baixo. A inteligência artificial dos inimigos também é uma desgraça e com essa física em alguns níveis você pode ficar paradinho só esperando ele tentar te pegar pra logo morrer, desabando pra fora do cenário.

O jogo em si é bem trash, falta bastante polidez na coisa e pode ser muito enjoativo já que meio que é aquela coisa que vai direto ao ponto, uma fase atrás da outra sem parar. Se cansar é bem fácil, não dá vontade de ficar jogando por horas. Falei com o desenvolvedor e ele revelou que ia postar em acesso antecipado, mas clicou sem querer em publicar como completo e aí ficou só a bagaceira hahaha.

Por outro lado, o jogo pode ser divertido se você olhar por um ponto de vista mais descontraído. Por exemplo se você pensar como um Surgeon Simulator da vida ou Octodad, dá pra tirar belas gargalhadas, especialmente se você for streamer ou estiver jogando com amigos presentes. Digo isso porque as situações são muito bizarras.

E pra você ter uma ideia do que estou falando, os controles sãõ no estilo de Resident Evil 1, ou seja, não basta apontar para o lugar onde você quer andar, é preciso girar para aquele lado e então apertar o botão de ir pra frente, daí some isso com o fato de que seu personagem pode virar de cabeça pra baixo ao tentar saltar e imagine a bagaceira hahaha.

Bom, hoje em dia é mais fácil criar jogos, então é comum surgirem joguinhos assim não muito ambiosos. Acredito que dá pra perdoar pelo fato de que é um jogo barato demais, portanto não é como se você estivesse pagando trinta contos em uma coisa e ela fosse super zoada. É algo como uma experiência arcade e pra um público fechado.

Enfim, tá aí um jogo que depende mesmo da pessoa e que as reações realmente podem ser variadas. Se você comprar pensando em um jogo de luta super polido e com um baita visual bonito, bom o visual é legal, mas polidez aqui é complicado hahaha. Agora se você for comprar pra transmitir em uma strem e rir muito, a coisa pode ser bem divertida.

Nenhum comentário: