Como jogos indies tem sido desvalorizados injustamente

Não dá pra negar que jogos Triplo A são naturalmente atraente, afinal de contas, super produções atraem por sua grandiosidade. Empresas gigantes conseguem fazer investimentos em obras que nos fazem brilhar os olhos. Teoricamente, com tanto dinheiro, não teria como jogos, feitos por uma única pessoa, competirem com jogos feitos por equipes de centenas de pessoas e um investimento monstruoso de dinheiro. Mas na prática... Convenhamos, né? Não é bem assim... Mas infelizmente nem todos conseguem dar o valor que os indie merecem. E nesses vários anos do Blog Nerd Maldito, não é incomum ver gamers pegando pesado com jogos independentes.

Apesar de jogos indie terem ganho uma força enorme em relação à década de 2000, é notável que ainda são desprezados por muitos, não importa o quanto sejam jogos aclamados pela crítica e público. E um dos melhores momentos para notar isso, são no final do ano, quando a Epic Games Store começa a liberar jogos de graça com maior frequência e você percebe usuários irados, xingando e desmerecendo os títulos dados, se não forem um Red Dead Redemption 2, Uncharted ou algum jogo caro da Ubisoft.

Descrições como "Só jogo bosta" ou "um monte de lixo" não são incomuns com jogos como: Costume Quest 2, jogo da aclamada "Double Fine Productions" que, assim como o primeiro da franquia, conseguiu atingir notas Muito Positivas na Steam; Bloons TD 6, jogo de uma franquia onde todos os títulos tem notas altíssimas e nesse caso a nota é "Extremamente Positivas" na Steam; Horizon Chase Turbo, jogo brasileiro considerado sequência espiritual de Top Gear, contando inclusive com o compositor original do clássico; Sable, jogo aclamado, com visual super peculiar e que conseguiu notas Muito Positivas. E muitos outros.

Isso apenas mostra o quanto muitas pessoas estão mais ligadas ao preço que à qualidade de um produto. Sendo assim, não importa se um jogo é visto pela maioria como bom, se o valor dele não é alto, para muitos, é um título que simplesmente não merece a atenção e muito menos o respeito. Afinal de contas, quem colocaria um "IRMÃO Grande & Brasileiro 2" perto de um "Grand Theft Auto V"? Sendo que GTA 5 é de uma empresa multimilionária com centenas de pessoas trabalhando e o outro foi só um cara que fez. Não tem como a Rockstar perder, certo?

Jogos indie não são jogos de verdade?
Apesar de não concordar, consigo compreender aquelas pessoas que não consideram jogos indie como jogos de verdade. Afinal de contas em um mundo com uma quantidade absurdamente cabulosa de entretenimento, é fácil ver que algumas pessoas querem apenas se divertir com jogos AAA. Afinal, se tem um enorme público que só curte jogos de futebol como FIFA 22 e FIFA 23, é claro que tem o público que foca só em super produções, não tendo paciência pra aprender a jogar "jogo estranho".

Já conheci um cara que ele simplesmente não conseguia entender como continuam fazendo jogos 2D até hoje. Na visão dele, jogo 2D era coisa dos anos 90, e enquanto aqueles 100 jogos com visuais maravilhosos fazem muita gente brilhar os olhos, ele só via aquilo como um monte de desenhos, não parecendo algo que impressiona, pois pra impressionar, tinha que ser cada vez mais realista.
 
Obviamente, para pessoas assim, jogos indie não são jogos de verdade, são memes, gambiarras colocadas na internet por pessoas que sabem algo de programação, mas que não devem ser levados à sério. Estão lá para causar algum entretenimento em alguém, mas não é o tipo de coisa que eles gastariam um centavo, afinal não têm uma placa-mãe gamer com slot pra tudo que tem de moderno, pra joga algo com visual de Super Nintendo, certo?

Acho que isso só mostra o quanto games podem ser considerado uma forma de arte, embora muitos neguem, com conceitos criativos que são colocados e alguns podem ver, enquanto outros não. Cuphead encantou tanta gente com seu visual, e Hollow Knight deixou pessoas de queixo caído. Mas o mundo é grande e pessoas veem de forma diferente. Portanto é natural que muitos não querem saber de coisas como história, querem é gráficos lindos e uma jogabilidade cheia de ação.

Algumas dessas pessoas não gostam, mas compreendem a importância de games indie para a indústria dos videogames. Conseguem entender claramente o motivo de não ser todo dia que é lançado um God of War Ragnarok. Mas para outros, infelizmente só parece ridículo mesmo quando veem alguém jogando um jogo feio que dói e com jogabilidade completamente parada.

Jogos Triplo A são criados na base do medo
Pra muita gente, é bizarro as pessoas não criarem um Triplo A o tempo todo, afinal de contas se a pessoa sabe fazer gráficos 3D, o que a impede? A pessoa não tem a mínima noção dos investimentos necessários e tempo para se criar. E os próprios jogos AAA são criados na base do puro medo e cheios de limitações.

O motivo das franquias Assassin's Creed e Resident Evil já terem mudado completamente sua proposta inicial, não foi porque as desenvolvedoras não tem roteiristas criativos, mas por puro medo de não vender. Então por mais que eu quisesse que Resident Evil 7 e Assassin's Creed Odyssey fossem franquias independentes, se eles não tivessem esses nomes, as vendas poderiam ter sido bem menores.
 
Sendo assim, é mais fácil apostar em uma fórmula garantida, do que perder tempo tentando inventar algo que pode dar errado. Muitos podem dizer "Mas se der errado, é só fazer outro". E a pessoa esquece que esses jogos são feitos por empresa, e empresa não tem coração, não tem hobby, não tem vontades. Empresa só quer uma coisa... DINHEIRO. Se aquele novo jogo é fantástico e a empresa sabe que as pessoas vão se divertir, por que não colocar o nome Resident Evil nele pra vender?

Isso sem contar com os acionistas, né? Se eles cismam que algo deve ser mudado, a pressão pra empresa fazer a mudança é monstra. Será que ela vai arriscar não fazer? O problema é que esses investidores não são gamers, são homens de negócios que muitas vezes acham que estão fazendo a coisa certa, mas acabam fazendo várias trapalhadas.

E pra quem acredita que é exagero o dano que escolhas erradas podem dar a uma empresa, é só ver o rombo que Cybeprunk 2077 fez na CD Projekt Red, que era a empresa de videogames mais rica da Europa, superando a Ubisoft, e perdeu 75% de seu valor. Simples assim... Os acionistas veem todo mundo descendo o pau, eles podem não entender de jogos, mas entendem de dinheiro e caem fora.

Games Indie são o combustível da indústria
O que muitas dos que criticam indie não sabem, é que os jogos indie é que são o combustível para a indústria. Se alguns já acham que hoje em dia os jogos parecem todos iguais e cada lançamento usam a mesma mecânica de algo que já vimos antes, demorando pra caramba inovar e as sequências estão focando apenas em novos gráficos e a adição de mecânicas já vistas, imagina se não tivessem profissionais com liberdade criativa?
 
Enquanto uma empresa gigantesca gosta de apostar suas fichas em algo que já viu que dá certo, um desenvolvedor indie não tem pressão de acionistas, e boa parte não tem prazos e nem ao menos depende de videogames pra viver. Às vezes a pessoa trabalha o dia todo e tira um horário quando chega em casa pra trabalhar em um projeto. E se não der certo... Bom, é só seguir a vida ou passar para o próximo projeto, né? 

E claro, existem empresas indie também. Mas a diferença é que elas fazem seus jogos com muito mais amor que estratégia. Enquanto funcionários de empresas gigantes podem ter ideias, mas no geral precisam seguir ordens e o cronograma da coisa toda, funcionários indie costumam estar envolvidos com o projeto d e um jeito diferente e dá pra realmente mudar tudo e sair algo bem diferente.

Indies podem ter uma ideia inovadora e tentar fazer elas, sem medo de se lascarem. Muitos desses jogos são ignorados, outros ficam escondidos em lojas como o GOG, sem receber muita atenção. Mas às vezes basta um influencer descobrir o jogo e começar a explorar as possibilidades, que a coisa pode estourar bastante.
Um exemplo é Minecraft, jogo que pegou muita gente de surpresa quando saiu. Afinal de contas na época era visto como um jogo feio, quadrado que não se esforçava pra ser realista e ainda era complicado de entender o sistema de crafting que não era nada popular naquele tempo. Porém bastou youtubers começarem a jogar e olha onde estamos hoje em dia, né? Um dos maiores sucessos do Xbox Game Pass Ultimate, com gente implorando pra entrar no Xbox Cloud Gaming.

De repente a mecânica de crafting, que em 2009 não era nada popular, estourou e se tornou uma das coisas mais normais em jogos. E muita gente que despreza jogos indie, se diverte pra caramba com isso em jogos grandes. Esse é só um exemplo de mecânica, mas muitas outras coisas são inventadas em indies e evoluem.

O mesmo serve pra mods e fangames. Tem gente que xinga quem cria mod, dizendo que mods estragam tudo, e quando vai ver, a pessoa é viciada em Counter Strike Global Offensive e Dota 2, que são jogos que nasceram como mods, fizeram sucesso e viraram obras independentes. As empresas sempre estão de olho nas tendências, e indies sempre estão fazendo tendências surgirem.

Notas altas valem de alguma coisa?
Do jeito que algumas pessoas falam, parece que se o jogo é indie, ele simplesmente não prestam e são lixos. Mas se são tão ruins assim, então o que significam essas notas altas? E quanto a jogos como Watch_Dogs? Que foi lançado tão bugado, que fez rendeu à desenvolvedora o apelido de Bugsoft, que nunca mais saiu, sendo que levou anos pra ser arrumado e as notas mudarem. Ou  Battlefield 2042? Que a DICE ameaçou gamers revoltados em seus fóruns.

Você olha "Papers, Please", um jogo de menos de 20 reais com notas EXTREMAMENTE POSITIVAS e super aclamado e coloca ao lado de "BABYLON'S FALL", jogo que a versão mais barata custava R$350, a mais completa R$500, mas ainda assim tinha itens pra comprar dentro do jogo, e as notas eram horríveis e em seis meses o servidor e até o CEO da PlatinumGames pedir desculpas. Se a Epic decidisse dar esses jogos no fim de ano, qual você acha que o povo xingaria, e qual, acha que vibrariam?

Bom... Levando em consideração os anos que atualizo a lista de jogos grátis do blog Nerd Maldito, eu duvido muito que não xingassem demais a Epic, dizendo que só tava dando jogo tosco e que "Paper's Please". Afinal de contas se aqueles jogos que citei no começo do artigo foram taxados de lixos e "só bosta", mesmo com notas cabulosas, por que esse não seria? Notavelmente as pessoas não estão nem aí se um jogo é detonado ou se o outro é extremamente divertido, elas só querem saber de uma coisa... O preço!

Jogos se tornaram itens colecionáveis
O pior é que muita gente até sabe bem o quanto o mercado indie é importante. Eles entendem bem as notas super alta que os jogos recebem e muitas vezes até jogam e se divertem. Mas ainda assim ficam putas quando veem indies sendo liberados de graça. E acredito que o motivo é o fato de que jogos não são mais vistos como algo para se jogar hoje em dia, mas sim para colecionar.

Com a quantidade de jogos grátis que se tem hoje em dia, é muito difícil alguém pegar um jogo e jogar imediatamente. Muito provavelmente a pessoa vai pensar em jogar um dia, sem data determinada pra isso. E os anos vão passando e o jogo vai esperando pra sempre até se tornar velho demais pra pessoa ter vontade de jogar aquilo.

Temos uma sobrecarga de entretenimento com séries, filmes, livros e muito mais. A falta de tempo é grande. E assim, com tanta coisa, às vezes a pessoa até tem tempo, mas fica na preguiça de jogar algo. Quem não tem uma biblioteca gigantesca de jogos que foi pegando ao longo dos anos? Tem pessoas que nem precisam de um PC Gamer, tem tantos jogos, que basta abrir o Geforce Now e conseguem sincronizar com uma penca.

Acredito que as pessoas estejam mais interessadas na satisfação de ter uma conta cheia de jogos caros, do que jogos divertidos. Afinal de contas, diversão pode ser achada de forma fácil sem nem precisar ser seletivo. Você baixa o Battle.net e tem ali Hearthstone pra virar o fim de semana com os amigos, entra na Steam, tem Stumble Guys pra dar umas gargalhadas...

Sendo assim, infelizmente parece ser mais um vício em uma biblioteca de itens caros ou famosos do que qualquer outra coisa. Acredito que a pessoa se auto-sabota, e fica repetindo pra si que vai jogar um jogo, sendo que na verdade ela não vai. A ideia de não ter que gastar aquela nota é que causa um alívio na pessoa, pois gastar vinte conto seria fácil pra ela, mas gastar duzentos, seria algo que simplesmente não aconteceria. 

Os indie é que pagam o preço
Infelizmente o resultado disso é um baita de um preconceito com jogos indie, que acaba sendo algo completamente desnecessário. Até a Rockstar Games já criou jogos com visuais mais simplórios, como Grand Theft Auto: Chinatown Wars, e no fim, os indie é que acabam pagando. As pessoas olham para visuais e já começam a xingar sem nem se dar o trabalho de ir atrás. Mas a verdade é que são obras completamente necessárias, afinal de contas não é à toa que Terraria foi o primeiro jogo da Steam a atingir 1 milhão de avaliações positivas.

E quanto a você? O que acha disso? Consegue valorizar o mercado de jogos indie? Ou prefere focar em obras Triplo A? Tem alguma empresa que admire, ou algum indie que se destacou? Ou mesmo um Triplo A que foi uma decepção? Compartilhe sua visão sobre o assunto. Confira mais coisas interessantes no Blog Nerd Maldito.

Postar um comentário

0 Comentários