O rombo que Cyberpunk fez na CD Projekt Red em 1 ano

Atitudes em empresas podem levá-las à total glória ou o verdadeiro caos e a CD Projekt Red é a prova viva disso. Do mesmo jeito que ela se destacou de uma maneira gloriosa, uma atitude a fez virar piada na indústria, o lançamento de Cyberpunk 2077. E o primeiro ano após o seu lançamento, fez um verdadeiro rombo à honra e ao bolso da empresa.
 
A CD Projekt Red é uma daquelas empresas que fez um verdadeiro milagre. Ela nasceu de forma inusitada, com dois caras que não sabiam programar e usaram seu dinheiro para investir em The Witcher, um jogo que só não continuou vivo até hoje porque o sistema de combate envelheceu muito mal, mas que quem joga, vê um mundo medieval vivo, com decisões que afetam mesmo a coisa, gráficos muito bem trabalhados para sua época e uma quantidade de detalhes fenomenal.

O segundo jogo da franquia teve um bom sucesso comercial, mas era ainda um jogo bem falado que não foi um estouro total. Agora The Witcher 3 foi a obra que colocou a empresa na visão daqueles que nem sabiam quem era ela. Uma boa jogabilidade, bons gráficos e a ousadia de inventar coisas, o fez se tornar um jogo influente que podemos ver por exemplo em Assassin's Crered Origins, que teve uma inspiração imensa e fez a franquia finalmente mudar a fórmula.

E isso foi além com boas escolhas, como mesmo a versão básica do jogo vinha com trilha sonora, adesivos e um mapa do universo do jogo. E a mini edição de colecionador era um ótimo custo/benefício. Além disso a empresa continuou lançando DLCs gratuitas por um tempão e dando suporte frequente. O carinho que a desenvolvedora criou gerou um respeito tão cabuloso da comunidade que o downgrade de The Witcher 3 quase não irritou ninguém.
Essa série de atitudes fez com que a desenvolvedora tivesse um crescimento absurdamente monstruoso e se tornasse não apenas uma empresa gigantesca, mas uma das maiores empresas da Europa, indo pra bolsa de valores e atraindo investimentos do mundo inteiro. Isso a fez virar um verdadeiro exemplo no mundo dos negócios e base para muitas pequenas empresas seguirem os passos.

E claro que se esperava o mesmo para Cyberpunk 2077, que ficou em desenvolvimento por um tempo gigantesco. Mas que prometeu muita coisa e não parava de aparecer em todo lugar. Os desenvolvedores prometeram descontroladamente tudo. Falaram que teriam coisas como um mapa vertical gigante em que seria notável a subida em locais e parte frequente da gameplay a subida, ou os mil NPCs que teriam rotinas diárias, tornando a cidade um local com cidadãos vivos. E muitas outras coisas!

Naturalmente ela seguiu os passos do seu grande Triplo A anterior, e assim como The Witcher 3 teve um marketing mais caro que o desenvolvimento do jogo, Cyberpunk 2077 aparecia em todo lugar o tempo todo. Cidades grandes tinham enormes painéis, propagandas não paravam de aparecer. Gente que não tinha interesse em PC, desenvolveu uma vontade de conferir o jogo.
 
A sensação era de que assim como The Witcher 3 foi super influente, esse jogo iria mudar a indústria, apresentar conceitos novos e fazer as desenvolvedoras adicionarem mecânicas únicas. A quantidade de promessas era grande demais e como tinham feito um jogo que surpreendeu tanto, existia uma certa segurança de que aquele seria um jogo bom. A quantidade de pré-vendas foi surrealmente fora do normal, sendo nada menos do que 13,7 milhões de cópias, enquanto muitos jogos jamais chegam a 1 milhão ou levam anos para alcançar isso.
E nessa propaganda toda, a pressão começou. Jogadores xingando a empresa, mandando lançar logo. Um ódio tremendo de gente falando que era pra lançar de uma vez e cada vez que a desenvolvedora adiava por não estar pronto, as pessoas xingavam mais e diziam que era pra lançar de uma vez. E bom... Ela lançou!

O jogo saiu só o bagaço, com uma quantidade surreal de bugs, um peso absurdo e problemas dos mais variados. Na internet virou uma verdadeira piada e guerra com gente xingando de todos os lados. Fãs frustrados, haters rindo porque ficaram felizes do jogo ter dado errado, pessoas que protegeram a empresa com tudo, tentando se explicar. O verdadeiro caos.

Era notável que o jogo era defeituoso, múltiplos NPCs iguais andando pela rua e um mapa limitado. O jogo tem elementos magníficos que foram completamente ofuscado pela quantidade de problemas técnicos presentes. Muita gente simplesmente deixou de acreditar e a desenvolvedora acabou sendo alvo de chacota.

Inclusive, algo interessante é que isso teve um efeito positivo. Enquanto antes uma pressão enorme para lançamentos rápidos era comum, se tornou padrão ver um tipo de comentário quando uma desenvolvedora fala que não terminou e precisa polir um jogo. Muita gente comenta "Pode levar o tempo que precisar, melhor do que sair igual a Cyberpunk 2077". Algo que ficou feio demais para a desenvolvedora.
E durante o primeiro ano, foi gritaria total. Absolutamente qualquer coisa que a CD Projekt Red falava, o povo caia descendo o pau. As atualizações eram esculachadas por não conseguir arrumar, o multiplayer foi cancelado e a desenvolvedora não teve nem coragem de lançar as duas expansões prometidas para saírem mais rapidamente, pois ficou focando mais em corrigir o jogo.

As outras mídias que iriam fazer adaptações, finalmente pararam de ser faladas. Como é o caso de "Cyberpunk Edgerunners", adaptação para anime feita pela Netflix, que teve um certo estouro, ou o RPG de Mesa Cyberpunk Red, que evaporou, e nem preciso falar de quadrinhos, jogos de tabuleiro e outras coisas né?

Enquanto durante o desenvolvimento teve umas pequenas polêmicas como o registro da palavra Cyberpunk, que é algo que poderia ter causado um caos muito maior por ser uma palavra comum e um gênero usado em várias obras sendo abocanhado por uma empresa, ela teve vários protetores ao fazer isso. Mas após o lançamento, certamente isso iria causar uma ira muito grande, pois as pessoas estavam procurando motivos para odiá-la.
 
Ainda assim, com esse falatório todo e na esperança do jogo ser arrumado, as vendas conseguiram ser extremamente impressionantes e totalizaram 17,3 milhões após o lançamento. O número é impressionante especialmente pelas pré-vendas, mas o objetivo da empresa era chegar a 30 milhões em 12 meses e isso não chegou nem perto.

Mas uma das coisas que provavelmente mais doeu foi a queda das ações. Enquanto se vê por aí falando que as ações de uma empresa desabaram 5% e foi um rombo na desvalorização, a CD Projekt Red viu as suas ações abrirem um buraco no chão e irem para o núcleo terrestre, pois a queda foi absurdos 54%, ou seja, a empresa passou a valer menos do que a metade do que valia e naturalmente o objetivo era crescer horrores.

E esse foi um exemplo de como ações podem causas efeitos mirabolantes tanto positivos quanto negativos. A CD Projekt Red sentiu na pele os dois lados da moeda, crescendo de forma extrema, mas também tomando um tapa forte na cara e descendo de maneira inacreditável. Mas e vocês, como se sentem em relação à empresa?
 

Postar um comentário

0 Comentários