Como investir em certos itens revolucionou minha vida (E pode revolucionar a sua!)

Com o passar do tempo e mudanças na minha vida, muitas formas de pensar vieram e foram se modificando, alguns antigos conceitos ficaram para trás, o mundo mudou, eu mudei. E uma dessas formas de pensar que acabou se mostrando extremamente eficaz e agradável, foi começar a investir no meu quarto. Isso porque o benefício que compensou os investimentos foram bem maiores, e é o tipo de pensamento que eu gostaria de ter desenvolvido antes, mesmo quando não conseguia investir nada, pois nem só de coisas caras vem o conforto, mas de pequenas coisinhas que aos poucos fazem a diferença.

Bom, acho que a melhor forma de mostrar o quanto meu pensamento mudou, é vendo minha matéria de 2012 sobre mídias físicas, em que falei sobre o prazer que sentia em ter uma coleção, o quanto achava maravilhoso ter uma estante com coisinhas e o orgulho que dava, e como não era a mesma coisa com mídia digital (steam). Curiosamente já em 2013 eu comecei a usar muito mais a steam e só de pensar no "trabalho" de pegar um disco físico e por em um leitor, já me cansa. O aumento da velocidade das conexões também deu esse empurrão.



Mas apesar disso, esse carinho em ter coisas continuou, especialmente com livros, com enfeitezinhos, coisas que deixam um quarto mais legal e tal. Porém acho que os meus pensamentos deram uma mudada radical em 2017 quando fui despejado de casa. Aliás, mais uma vez quero deixar o meu agradecimento aos leitores que me apoiaram, sério, vocês não imaginam o quanto ajudaram, e se minha situação melhorou, com certeza foi graças ao apoio de vocês, então muito obrigado.

Mas bom, esse despejo foi uma mudança radical demais na minha vida, pois eu sempre vivi em família, e de repente ter que ir embora assim, foi realmente ficar sem chão. Veio aquela tristeza e vontade de desaparecer sem saber o que fazer. Mas eu precisava continuar né? E uma das coisas que aquilo resultou foi no controle das coisas que tenho e em repensar sobre o que preciso.

Pra falar a verdade, antes mesmo do despejo em si, eu já estava me preparando pra isso, pois eu senti que ia acontecer, e por isso meses antes eu tinha escrito a matéria sobre o aperto de se desfazer de revistas antigas, que é uma continuação de uma dica que dei sobre uma lista que melhora a vida da pessoa, e que um dos tópicos da lista é jogar coisas fora como regra.

Ou seja, eu já estava fazendo uma limpa no meu quarto porque sabia que uma hora ia explodir, e quanto menos muamba eu tivesse que carregar, melhor seria. Nessa época meu quarto era lotado de coisas e meio que era uma herança de como cresci. Afinal de contas quando você é criança e adolescente e vai conseguindo alguns pequenos tesouros, por que você jogaria fora né? Afinal você vai usar um dia, certo? Bom... Ao menos em teoria, pois quando vemos nossas coisas é fácil achar algo que está há cinco anos ali.



Quando cheguei no novo apartamento, não tinha um pensamento muito formado sobre isso, é claro, mas eu já tinha passado por uma série de etapas. O meu quarto aqui no primeiro ano era um verdadeiro lixão. Não tinha espaço pra colocar as caixas do meu livro, então ficavam no lado uma em cima da outra, nem cama eu tinha, eu dormia em um colchão, então nem dava pra esconder embaixo.

A mesa do meu PC era a mesma de quando eu tinha ganhado meu primeiro PC no ano 2000, e eu tinha outra mesa de PC de outra época da minha vida, que acabou virando móvel para acumular minhas coisas. Nesse momento eu não ligava muito pra isso, continuava fazendo as mesmas coisas, acordava, trabalhava, juntava dinheiro, pensava em comprar um apartamento um dia. Meio que não importava estar uma bagunça ali, porque eu sabia que era temporário e tal.

Apesar de tudo, com esse momento nebuloso da minha vida, eu criei certas regras que tive que criar e certos pensamentos com a experiência, foi daí que veio a matéria do dilema de comprar produtos de qualidade, pois antes eu não estava nem aí pra longo prazo, estava pensando no momento, e o resultado era uma legião de controles de PC com defeito que eu nunca jogava fora pensando em um dia servirem para algo, enquanto poderia juntar todo o dinheiro que investi naquilo e comprar um controle de qualidade que duraria anos e sem o estresse que causaram.

Acho que fiquei meio traumatizado com a ideia de a qualquer momento eu não ter casa de novo e ter que carregar um monte de coisas e o pesadelo de perdê-las. E assim comecei a pensar de forma mais minimalista nas coisas. Ter menos itens, porém os que tiver, serem de ótima qualidade para me servirem bem e valerem o investimento.



Apesar de tudo, a bagunça continuava no meu quarto e eu realmente não me incomodava com isso, pois era temporário. Infelizmente (e ironicamente felizmente), eu comecei a sentir umas dores horríveis nas costas, a cadeira que eu sentava era torta pra esquerda e comecei a sentir uns estalos do lado esquerdo do pescoço. Isso me deixou paranoico, e logo vieram uma série de outros problemas, respirar mal ao dormir, cansaço, etc.

Foi nessa época de estresse que não vi alternativa e decidi comprar duas coisas que achava tosquíssimo gastar dinheiro. A primeira uma cadeira gamer, que é um dos itens que até hoje considero algo que tem o nome mais ridículo do universo. E a segunda coisa foi um colchão de qualidade, coisa que foi realmente o cúmulo. Afinal de contas um colchão é só pra dormir né? Pra que pagar caro em algo assim.

No entanto esses dois itens foram essenciais para abrir minha mente a uma era de imensa prosperidade em minha vida. A cadeira gamer não era exatamente o que eu queria no início, mas uma cadeira boa, já que trabalho no PC, porém em meio às buscas, acabou que esse era o tipo de cadeira que mais se adequava.

Já o colchão, tinha anos que eu lutava com colchão ruim, cada noite era um tormento, lembro que tinha um que as molas eram estouradas e umas pontas ficavam cutucando, e outro era fundo no meio e detonava minha coluna. Mas de repente voltar a dormir bem foi maravilhoso, essa sensação de saber que vai deitar e apagar era incrível demais.



Isso meio que me iluminou em pensamentos sobre o quanto eu poderia estar me esforçando tanto para juntar dinheiro e investir no futuro, mas qual seria o meu estado quando eu chegasse lá? Por que não ter uma vida tranquila hoje e demorar um pouco mais para atingir o meu objetivo, porém até lá ser algo bem menos árduo?

Só que o mais maravilhoso disso tudo, é que ironicamente os investimentos em qualidade de vida que pensei que iriam dificultar as coisas pra mim, atrasando eu conseguir juntar dinheiro, acabaram fazendo exatamente o contrário, pois passei a ser extremamente produtivo. Trabalhar melhor, ter mais ânimo par fazer as coisas, me estressar menos.

Isso me fez pensar no quanto eu poderia começar a investir de forma inteligente em coisas que me trariam benefícios e acelerariam a produtividade. No exemplo do colchão por exemplo, passamos 8 horas por dia deitados neles, ou seja um terço das 24 horas do dia, ou seja, um terço de nossas vidas dormindo. Então investir em um ótimo colchão não é algo em vão, é garantir que um terço da sua vida seja mais confortável, que você acorde bem sem estar todo quebrado, que você consiga dormir rápido. É um baita de um investimento maravilhoso.

Quanto a cadeira, eu sei que não é pra todo mundo, mas pra alguém como eu, que trabalha sentado ali o dia inteiro, é fazer com que o trabalho seja tranquilo. É garantir que eu possa me jogar na cadeira, deitar, por o braço na lateral. É algo realmente bom e que foi o meu ponto de partida para conseguir um novo ânimo.



É claro, se eu tivesse esse pensamento com 15 anos, não daria pra eu convencer minha mãe a comprar um colchão tunado pra mim, porém me ajudaria a ter uma ótima base, que é a de ter poucas coisas, porém coisas realmente úteis que vão agilizar minha vida. E tem coisinhas baratas que fazem toda a diferença e que eu poderia ter anos antes.

Exemplo, aquele controle Air MOuse C120, que eu fiz review. Nossa, eu comprei aquilo pra assistir Netflix e não ter que ficar levantando, no fim ele foi tão útil que a coisa que eu menos faço com ele é usar em vídeos. Eu uso para ler mangás, para fazer coisinhas no PC como atender uma ligação enquanto estou deitado na cama com fones, eu zerei Death Mark usando esse controle.

Com a vinda da internet das coisas então, parece ter sido o ponto máximo para eu perceber que não precisava pensar que um dia terei o apartamento dos sonhos. Eu posso fazer o meu quarto dos sonhos e me mudar levando poucas coisas, pois é possível ter extremo conforto, diversas opções de coisa bacanas e ainda assim no fim das contas acumularem pouco espaço.

Então isso me colocou para ter em mente algumas coisas que eu queria.  1 - Agilizar as coisas do dia a dia, 2 - Ter saúde, 3 - Ter conforto, 4 - Ter espaço. E sim, é óbvio que todo mundo quer isso, no entanto é o que eu disse, eu não fazia questão. Só comecei a pensar nisso quando minha saúde começo a se debilitar. E assim passei a investir em pequenas coisas pra agilizar meu dia a dia.

No começo eram outras coisas relacionadas ao meu trabalho, uma mesa espaçosa pra poder colocar um monte de coisas sem ter aquele estresse de do nada a mesa estar cheia de tranqueira, um fone de ouvido decente (Que está na lista de coisas que ganhei via doação, mas que se não tivesse ganho, com certeza compraria), e depois a coisa foi evoluindo pra itens não relacionados.

Aos poucos meu quarto ficou bem menos poluído e útil. Comprei uma cama com gavetas embaixo pra aproveitar esse espaço, a mesa que peguei também tinha área para guardar coisas, tendo mais pontos para esconder. E logo peguei umas coisas que o meu eu de 2016 iria me dar um esculacho se ficasse sabendo que comprei isso.

Um exemplo, eu comprei um desses estojos baratinhos de manicure, o motivo é o fato de que minhas unhas são super ferradas e ficam quebrando o tempo todo. Direto tinha que sair atrás de alguma tesoura gigante vez ou outra ficava na agonia com um fiapo me infernizando por dias até crescer o suficiente e eu tentar a sorte e cortar o bastante ao invés de só fazer ele voltar à etapa zero.

É algo pequeno, mas com esse estojo ali na gaveta, passei a só abrir, pegar e já era. São alguns minutos que pouco indo atrás de tesoura, tentando cortar o fiapo e me estressando. Falando de forma isolada, é bobo apenas, porém eu fiz isso com cada coisinha da minha vida. Passei a pegar a mania de cada detalhezinho, eu pensar se não podia resolver de alguma coisa.

E não é apenas com produtos prontos, por exemplo, minha mesa é afiada feito uma navalha nas laterais, eu ficava me cortando nela sem parar, assim como batia na ponta lateral da gaveta dela. Não sei de um objeto que resolva isso, mas pensei em uma solução. E assim achei tiras de borracha de fogão. No fim não apenas emborrachei e acabei com esse tormento, mas também usei em vários lugares da casa, como a parede onde a maçaneta da porta batia e fazia barulho.

Nós temos um tempo de vida super limitado se você pensar bem, e ficamos gastando tempo com tantas coisinhas pequenas. E sempre tem um aparelhinho ou uma gambiarra que poderia dar um jeito. Inclusive foi assim que surgiu a área de itens daqui do blog, que na verdade são produtos que acabei me deparando na busca de formas. Postei no facebook e depois pra deixar registrado acabei colocando aqui.

Mas além de um ambiente útil que me poupasse muito tempo, eu também queria um ambiente agradável. Não sou muito fã da cor vermelha pra falar a verdade, mas acho uma cor bonita e como o meu gabinete era vermelho (e eu não pretendia mudar tão cedo), decidi basear meu quarto inteiro nisso. No entanto a cor vermelha é forte demais e só ia me estressar, então a escolha foi de ter duas cores neutras (preto e branco) e detalhes em vermelho.

E assim passei a comprar itens vermelho, preto e branco pro meu quarto. Sempre que tinha opção de cores, eu escolhia isso, até que ficou desse jeito, partes pretas, partes brancas e espalhados pelo lugar alguns objetos vermelhos. Isso gerou uma ótima sensação de conforto. Peguei aquela minha segunda mesa de PC antigo e virei de costas em um canto, ficou parecendo ser uma mesa normal e como era branca, combinava.

Essa também acabou sendo a minha forma de compensar não ter uma estante lotada de colecionáveis legais. Os itens do meu quarto se tornaram enfeites naturalmente exatamente pelo fato de terem cores parecidas. Porém além de serem enfeites, também são itens úteis. Até os itens que comprei para enfeitar nichos (um cofrinho em forma de cabine telefônica, um aromatizador e um grupo de grampeadores ecológicos).

Também comecei a cuidar bastante da ideia de poluição visual, tentar esconder o máximo de fios usando organizadores de fios, e procurando usar apenas o espaço necessário. Por exemplo, um tempo depois acabei vendo que era hora de comprar uma impressora moderna, com wifi (pra não ter que ficar mais passando pdf pro pc pra depois imprimir), e uma das coisas que dei logo prioridade era ser pequena.

Isso de ter poucos itens, mas eles terem o máximo de utilidade é demais. De repente vi as minhas coisas diminuindo, porém a utilidade aumentando muito. E fui dando um jeito também de esconder coisas que eu não precisava ver, tipo as caixas de som, que passei a controlar a altura pelo teclado mesmo, já que tirei de cima da mesa pra deixar o máximo de espaço possível.

Quanto a saúde, também comecei a investir em diversos itens, desde comprar um irrigador oral, que é algo que passei a usar todo santo dia, até um purificador de ar, que deixo atrás da mesa do PC. Mas como limpar é um saco, também fui investindo em itens para diminuir a poeira e deixar tudo cada vez mais tranquilo.

A combinação de itens também é algo maravilhoso também, tipo usar um suporte articulado no monitor, que diminui a quantidade de coisas em cima da mesa, deixando bem menos poluída, e ao mesmo tempo permite deixar ele em posições variadas pra caramba. No caso comprei um com dois braços para segurar dois monitores.

Um deles é normal pra fazer minhas coisas, e o segundo é touchscreen, abrindo um novo leque de possibilidades, seja interagir com o chat da twitch podendo rolar pra cima e pra baixo, seja para mexer em programas de edição clicando direto na tela. E pra assistir coisas é só deitar na cama e puxar pro lado, daí usar o controle pra mexer na tela.

E indo direto aos dispositivos smart mesmo, com um Google Home, um smartphone e uma Mi Band 4, você pode realmente se sentir na Batcaverna, interagindo entre os três, e se decidir investir em coisas mais espalhafatosas como lâmpadas inteligentes, aí sim a coisa pode virar puro cyberpunk dentro do eu quarto kkkkk.

Acho que também é bacana pensar em como um item pode ser mais do que um simples item normal. Por exemplo, tem um espelho que comprei, que ele tem um pequeno círculo no meio, na parte de baixo e se você clicar nele, acende ao redor. Essa luz é ótima pra quando você for ver alguma coisa, tipo um fio de cabelo infernal que caiu na tua boca, e você não tá conseguindo tirar de jeito nenhum kkkkk.

Claro que com isso tudo, passei por muitos produtos que não deram certo ou foram substituídos, mas acho que é natural errar né? Afinal os que ficaram, acabaram se tornando tão úteis que vai ser difícil eu parar de usar. Por exemplo, eu comprei um tapete pra deixar meu quarto mais aconchegante, mas juntava tanto pó, que não valeu a pena.

Da mesma forma, comprei uma daquelas vassouras mágicas e foi útil pra caramba por um tempo, agilizou demais minha vida. No entanto depois que comprei um robô aspirador, além de ter sido um dos melhores investimentos que fiz na minha vida, a vassoura perdeu a utilidade completamente, já que eu não precisava mais passar ela no chão. Então não foi um desperdício de dinheiro, mas eu poderia ter economizado se tivesse pulado direto pro aspirador.

Ainda assim, acho que é bom saber a hora de se desfazer de algo que não deu certo e vender. Infelizmente sou péssimo em vender coisas usadas, então uma saída que achei foi dar para meu primo de 14 anos e ele se diverte com as tranqueiras, mas as que ficam realmente fazem a diferença. É um baita prazer mexer no quarto e ver que tá lotado de coisas úteis.

Então eu só queria compartilhar com vocês a experiência, vale a pena investir em pequenas coisas, e quando puder, em grandes coisas. Com o acumulo de pequenos problemas resolvidos, você passa a ter uma vida mais calma, tem mais tempo, se estressa menos, tem mais saúde. Realmente vale repensar se você quer mesmo ficar tendo trabalho, se machucando, sentindo agonia com algo, ou pagar para não ter mais esse problema, porém ser mais produtivo. Se tiver algo te incomodando, então pense em como isso poderia parar de incomodar, faça uma lista! De pouco em pouco sua vida vai ficar muito mais suave.

Comentários