Bird Box | Meio assustador, meio tristonho e bem atmosférico

Esse é um filme que fui assistir sem saber muita coisa além do trailer, logo descobri que era baseado no best seller Caixa de Pássaros e virou uma grande mania, tornando-se rapidamente um dos filmes mais assistidos da Netflix. Obviamente como toda coisa de sucesso baseada em livros, ganhou uma multidão de haters assim como já tinha uma multidão de adoradores.


A história é sobre um fenômeno bizarro que acontece no mundo, de repente as pessoas veem algo, pode ser terrível, pode ser maravilhoso. Ninguém sabe dizer o que é, no entanto isso faz com que cometam suicídio logo depois. Não demora para o pânico em massa começar e a civilização entrar em colapso.

Bom, digo logo que posso estar bem errado, mas acredito que o autor copiou na cara dura o filme Fim dos Tempos, do M. Night Shyamalan, lançado em 2008 (O livro é de 2014). A diferença é que o filme do indiano só foi odiado e (talvez por ser um livro) a obra do Josh Malerman foi idolatrada e conseguiu muito sucesso.

Mas ambas as histórias é sobre a civilização entrando em colapso com algo que faz as pessoas se matarem sem ligarem nem um pouco para o quanto pode ser brutal a morte. Inclusive me surpreende muito eu não ver uma comparação constante. Talvez o povo simplesmente tenha esquecido completamente do filme do Shyamalan.

Em uma pesquisa, vi que o autor disse que fez um rascunho antes de Fim dos Tempos e antes de A Estrada, mas infelizmente dizer isso não cola muito né? Achei até meio esquisita a declaração, afinal de contas quando se acontece uma coisa dessas, o melhor é só não dizer nada né? Não falando que o cara tenha copiado, porque existe obviamente a possibilidade de ser uma coincidência.

Por outro lado, sendo ou não cópia, também é importante levar em consideração que a mesma ideia pode ser fantástica na mão de uma pessoa e uma verdadeira desgraça na mão de outra. Apesar de eu ter gostado do filme do Shyamalan, ele é extremamente odiado, e  Bird Box a base de haters veio depois do filme, o que indica que mesmo que seja uma cópia, muita gente pode usufruir demais.

O filme tem seus brilhos sim. Eu gostei bastante, provavelmente não é um filme que marcou minha vida (o tempo dirá), mas acho que ele faz um trabalho muito bom em entreter. Não li o livro e não posso julgar em relação a diferenças, mas como filme em si, eu gostei especialmente da mistura de sensações que tive.

O negócio é que a trama tem como foco uma mãe e duas crianças de cinco anos, assim como uma caixa de sapato cheia de pássaros, o que me deu uma certa agonia tanto em ver as duas crianças pequenas vivendo o horror da coisa, como o quanto os bichinhos sofrem na caixa (Na real acho que a maioria nem vai ligar, mas tenho uma queda por pássaros e isso me deu agonia demais).

Um amigo assistiu comigo e ele disse que não tava achando nada demais, porém cada vez que acontecia coisas como uma criança cair do barco, me dava aquele aperto imenso. Aquela sensação meio perturbadora que o jogo Shelter causa, com a ameaça constante de um dos filhos ser perdido de alguma maneira.

A história é construída entre o presente e um flashback de cinco anos antes quando a coisa começou, o que achei bem interessante, uma técnica boa que faz prender a atenção. Ao invés de focar só na "aventura" dos protagonistas em um mundo pós apocalíptico como vemos em todo filme de zumbi, ou no início da coisa, como vemos em A Chegada, usou o tempo de filme pra apresentar os dois e tornar mais interessante.

A parte do início mostra o mistério, as teorias em cima do que está acontecendo lá fora, tem uma atmosfera meio semelhante a Pontypool e O Nevoeiro, com os personagens presos em um lugar e sem saber exatamente o que está acontecendo do lado de fora, fazendo quem assiste ficar com aquele climinha intenso de mistério.

Já a parte da jornada dos personagens passa uma sensação mais semelhantes a obras como A Epidemia e The Signal, com aquela exposição em um mundo perigoso e que a qualquer momento algo novo e bizarro pode aparecer e causar um momento bastante agitado, com pessoas correndo em desespero.

Quanto a atmosfera em geral, eu achei bacana esse meio termo entre tristeza e horror. Os personagens vivem em um mundo muito horrível, algumas cenas me causaram aquela "agonia agradável" que vem com o mistério. Como um momento em que os personagens estão em um lugar e do lado de fora ouvem alguém bater à porta e pedir por ajuda, pedir para que abram e o deixem entrar. E começa aquele conflito "Abrir ou não abrir? É uma pessoa em perigo mesmo?".

Enfim, é um filme que gostei bastante de assistir, mas sei que não é pra todo mundo, especialmente aqueles que gostam de ter respostas bem explicadinhas no final, pode ser bem irritante esse filme. Mas para quem não se importa com mistério pode ser realmente algo muito agradável de se ver e passar o tempo.

Comentários