Diferenças entre a HQ e a série The Walking Dead 8x09

Esse é um especial onde faço uma comparação entre as diferenças entre os episódios da série The Walking Dead e as edições da revista em quadrinhos The Walking Dead. Caso você queira ver a lista de episódios de todas as temporadas, pode conferir aqui: 


Se o que você está procurando é onde conseguir ler The Walking Dead, saiba que a revista em quadrinhos foi lançada no Brasil e pode ser encontrada por preços bem bacanas com vários outros conteúdos da franquia. Quando foi lançada por aqui a franquia não era conhecida, então o nome ficou como "Os Mortos Vivos". Se você ainda não assistiu, saiba que obviamente eu vou comentar sobre quem morreu. Mas chega de papo e agora vamos para a comparação!

Esse episódio começa com toda a cena do Carl fazendo as coisas porque sabe que irá morrer em breve. Algo curioso é que essa foi a adaptação de algo bem recente em relação à HQ, já que adaptaram da edição publicada em maio de 2017 e o episódio saiu em fevereiro de 2018, ou seja, os produtores parecem ter batido o olho e corrido pra adaptar.

Mas a verdade é que a decisão de matar o Carl foi uma das que mais deixou os fãs revoltados. Boa parte do pessoal que só assiste a série apenas ficou triste, afinal de contas quem diria né? Foi uma surpresa e algo horrível. No entanto fãs da HQ entraram em fúria, isso porque foi a única criança que sobrou desde o início, que cresceu com aquilo, um personagem único. Todos os outros são adultos, mas ele começou um menininho e quase chegou à idade adulta, poderia dizer "Na minha infância o mundo já tinha acabado".

Além de coisas que acontecem na HQ, o personagem cresce no arco seguinte a esse, até então é mantido como garotinho e cresceu um pouco, mas ainda é uma criança. Na série não tinha o que fazer já que o ator estava crescendo. O arco seguinte a esse dá um salto e ele aparece adolescente e muito parecido com o Carl da série, mais contido, mais calmo, uma pessoa bacana, não o garotinho irado da HQ, e arruma uma namorada estranha pra caramba, exploram bem o personagem, como cresceu, como se apaixona e como todos olham pra ele.

Pra falar a verdade, acho que essa decisão foi feita no meio do desespero, pois os produtores fizeram a merda de matar a Andrea rapidamente, e na HQ é a adaptação da morte dela. De todos os personagens, foi a única que teve tempo de se despedir do pessoal e dizer o quanto gostava deles. Sem ter com quem colocar o romance de Rick, a substituíram pela Michonne. E só sobrou ela e Carl para fazer Rick ter uma perda terrível, escolheram Carl.

Então é o que falei, foi algo adaptado rápido demais, isso porque aquela edição foi com certeza o quadrinho mais triste que já li na minha vida, e inclusive o próprio Robert Kirkman fez uma carta de desculpas, porque o clima é pesado demais e os fãs ficaram super abalados. Foi realmente algo feito com um sentimento enorme, gostei demais, fenomenal a coisa. E obviamente algo tão marcante tinha que parar na série, não podiam perder essa oportunidade.

Mas agora as diferenças são, o combate é outro, isso acontece em um arco mais pra frente na HQ, em uma guerra e durante um combate em um lugar lotado de mortos vivos, Andrea é mordida. Ela está salvando Eugene e no meio de tantos mortos acaba tomando uma mordida no pescoço, é algo mostrado na hora e dá um susto imenso.

Ela não tem tempo de fazer de tudo, já fica muito mal, é levada, colocada em uma cama e um por um dos personagens vai falar com ela, se despedir e tal. Ao contrário de Carl, ela não comete suicídio, ela se transforma e Rick a mata como zumbi.

As outras cenas do episódio são possíveis na HQ, mas não acontecem desse jeito, especialmente a de Carol (que morreu na época da prisão na HQ) e Morgan (Que é louco na HQ, mas no geral fica contido no acampamento).
Basicamente essas são as diferenças. Mas e aí, o que acharam do episódio? O que acharam da ideia do Reino? Se empolgaram com algo tão diferente? Ou acharam uma tosqueira louca? E se você estiver afim de ler as HQ's de The Walking Dead, pode dar uma conferida aqui.

Comentários