Anna's Quest - Um point and click suave e muito divertido

A Daedalic Entertainment realmente é o tipo de empresa que consegue oferecer uma surpresa atrás da outra e não se contenta em manter um único estilo. Ao mesmo tempo que vemos aventuras pesadas como em Dead Synchronicity: Tomorrow Comes Today onde vemos pessoas sendo arrastadas de suas casas gritando, também são apresentadas obras completamente suaves como o mais que simpático Fire. E hoje vou falar sobre uma dessas obras que tem um climinha suave, porém apimentado, onde sempre algo está acontecendo e você se sente uma criança brincando de pega-pega.

Essa obra tem um universo super inocente e onde o conceito de mal é um tanto engraçado, portanto se encaixa naquele tipo de jogo perfeito para todos. Inclusive se você é do tipo que não gosta de jogos mais suaves por achar pouco movimentados, uma das coisas que mais agrada nesse é a constante sensação de precisar se apressar em fazer as coisas.

Aqui você assume o papel de Anna, uma garota que vive com o preocupado avô. O homem sempre diz que não é pra ela sair de casa e que ela não sabe o que tem lá fora. Certo dia ele adoece e a menina não sabe o que fazer, a sua única opção é ir buscar ajuda, e assim ela parte. No entanto enquanto anda pela floresta, uma bruxa a persegue, captura e joga em um quarto com uma câmera e algumas máquinas, se comunicando com a garota através de um microfone e fazendo testes estranhos.

Para a surpresa de Anna, ela logo descobre que os testes são para despertar seu poder paranormal de telecinese. Mas a menina se surpreende ao descobrir que tem uma outra pessoa no quarto, um garoto chamado Ben, que fala que a bruxa é malvada e que fez alguma coisa que o prendeu no corpo de um ursinho. E assim ela passa a usar as suas habilidades para tentar fugir da vilã.

Esse jogo é realmente uma maravilha divertida, a forma em que as coisas acontecem te fazem rir e ficar muito entretido, além de situações que te dão uma certa tensão, como por exemplo quando você está para sair da torre e quando abre a porta, a bruxa chega e fica lá, é uma situação que na hora é hilária, mas ao mesmo tempo te faz se apressar em clicar pra fechar a porta. E a bruxa é só a primeira personagem que você interage, pois vão surgindo novas situações bem incríveis.

A jogabilidade usa o sistema de um point and click clássico, portanto você clica no lugar onde quer ir para que a personagem anda, pode coletar objetos para colocá-los em seu inventário, e também pode combiná-los para fazer alguma gambiarra. Como toque especial do jogo, existem os poderes da ana, então diversas vezes você irá usá-los para fazer coisas.

O visual é maravilhoso, existe um toque de fofura tão especial, um traço de desenho animado que lembra um pouco os traços usados na trilogia Deponia, e diversos pequenos detalhes que dão um baita diferencial a coisa. Por exemplo, da janela do quarto é possível ver um morro onde tem a casinha da bruxa, mas graças a escuridão você vê apenas o formato dela. Daí quando você está prestes a fugir, Anna fala para Ben "Eu acho que eu vi a bruxa vindo para cá!" e pela janela você pode ver uma pequena sombra descendo pelo morro. Esse tipo de pequeno detalhe é bem encantador mesmo.

As músicas são belas como em jogos da empresa em geral, mas acho que quanto a som o que realmente merece destaque são os dubladores. Eu joguei em inglês, não sei como é a dublagem em alemão (A empresa é alemã), mas caramba, é simplesmente intensa a voz de cada personagem, você ouve a bruxa falar e sente até um arrepio em como aquela voz parece ter nascido pra dublar aquilo.

Enfim, Anna's Quest é um daqueles joguinhos fabulosos que apresentam uma jogabilidade casual, mas conseguem desenvolver uma história que te encanta rapidamente e te faz querer saber o que vai acontecer depois. Você pode conferir mais informações no site oficial de Anna's Quest.

Comentários

Gabriel Villar disse…
Sempre fui fã de adventures, principalmente dos point and click (acho que pq jogava muito esse estilo na minha infância). Joguei a trilogia do Deponia e fiquei muito satisfeito com o trabalho bem feito da Daedalic, mas achei muito ruim o final...(totalmente aberto e sem perspectiva de uma continuação) O que me deixou receoso de acompanhar os outros jogos da produtora.