As Egocêntricas Maldições de Souichi | Mangá de Junji Ito que soma o macabro ao hilário

Apesar do mangaká Junji Ito ser naturalmente associado ao terror, todos nós temos gostos variados e somos capazes de nos expressar de formas diferenciadas. Alguém que é um roqueirão com visual malvado pode perfeitamente amar gatinhos. Não somos puramente uma coisa, sendo que esse autor japonês também não. E com "As Egocêntricas Maldições de Souichi" podemos ver perfeitamente outro lado dele.

Souichi Tsujii é um menino de 12 anos de idade que vive em sua casa com sua família, mas ele é muito diferente das outras crianças. O seu jeito de agir é sombrio e ele sente que tem poderes sobrenaturais obscuros e é capaz de amaldiçoar aqueles ao seu redor. Além disso o seu próprio visual é esquisito, sempre andando por aí com pregos na boca devido a uma condição médica que lhe falta ferro no sangue.
Essa é uma série que usa o estilo de publicação que Junji Ito mais gosta, com histórias fechadas em seus capítulos, mas que vão aos poucos dando continuidade. vimos isso em Tomie e Uzumaki. Porém a diferença aqui é que ao invés da coisa focar naquela temática lovecraftiana de um mal antigo tão descontrolado que destrói tudo, temos as histórias de um menino e sua interação com outras pessoas.

As publicações inclusive foram originalmente uma encomenda da editora Asahi Sonorama (que mudou para Asahi Shimbun) em 1991. Isso meio que se tornou o especial de Halloween da época, sempre publicando duas histórias anualmente até 1995, quando totalizou dez capítulos. No entanto tudo só foi encadernado como volume único em 2002, só vindo para o Brasil duas décadas depois, com o lançamento de As Egocêntricas Maldições de Souichi" em português.
Cada história tem o foco na vítima e não no Souichi, sendo que inicialmente são focadas em histórias de férias, seja de verão ou inverno, mudando completamente a ambientação. Mas depois Junji Ito abre e decide fazer algo  que apresenta a vida do personagem de uma maneira mais profunda, apresentando coisas como o passado dele ou o dia a dia na escola.

Eu tenho a sensação de que como levou 5 anos para a história toda ser publicada, inicialmente Junji Ito tinha uma ideia e depois abandonou ela, ou a editora tinha uma certa exigência e então mudou de ideia. Isso porque no começo a coisa é mais lógica do que sobrenatural, apresentando explicações para o que tá rolando, coisa que o autor não gosta nada de fazer. Mas depois a trama vai assumindo mais uma cara semelhante ao que estamos acostumados.
Ainda assim, mesmo com o ambiente mais tenebroso, algo se mantém... O humor! Esse é um personagem realmente esculhambado. A sensação que tenho é que o mangaká se inspirou em algum adolescente trevoso que tentava chamar a atenção mostrando o tanto de ódio, horror e trevas que está impregnado em sua alma, mas que no fim das contas o bagulho só saía esculhambado mesmo.

Isso porque aqui temos uma família super normal e bonitinha, com os membros sendo extremamente simpáticos e agradáveis com as visitas e no meio aquele garoto do mal, sempre falando coisas tenebrosas e falando sobre as maldições que vai tacar e as desgraças que conseguirá atrair para a vida daqueles que ousarem desafiá-lo.
Mas na prática, vemos situações como uma personagem notando furos em seu pescoço e o menino andando por aí com uma garrafinha com um líquido vermelho dentro e sempre falando que está se deliciando com aquela "cobertura especial" que o "doou" para ele usar em sua raspadinha de gelo. Para depois a menina finalmente experimentar a bagaceira e descobrir que era cobertura de morango.
 
Essa forma fica ainda mais evidente quando a prima dele (Que é super boazinha, mas é considerada sua maior rival) decide ler seu diário e tem os verdadeiros delírios de poder de um jovem que se acha das trevas. Cheio de erros gramaticais e com uma narrativa de seu coração sombrio e das maldades que fez, que fica inevitável não rir muito.

Acaba sendo aquele tipo de leitura muito gostosa para se ler antes de dormir, com um climinha de terror, mas sem ser uma coisa extremamente pesada como o autor costuma apresentar. E existe uma bela mistura de suspense e humor. Se por alguns momentos você quer entender o que está acontecendo, em outros você apenas gargalha com o quão do bagaço o personagem é.
Claro que não posso deixar de citar a beleza visual da coisa. Por mais que o autor tenha usado um estilo mais voltado para a comédia, ele não mudou em nada o quão caprichados e únicos são os seus quadros. Então se você ficou abismado com o visual de Frankenstein e Contos de Horror da Mimi, saiba que aqui temos coisas tão maravilhosas quanto.

Enfim, "As Egocêntricas Maldições de Souichi" é um mangá ótimo para passar o tempo, com uma leitura muito rápida e histórias fechadas que te permitem ir no ritmo que achar melhor e dá um gostinho híbrido de terror e comédia. Vale muito a pena! No Brasil a obra foi lançada pelas mãos da editora Pipoca e Namquim em uma edição de luxo encadernada. Confira no link de afiliado da Amazon.

Postar um comentário

0 Comentários