A polêmica mensagem de retirada de Assassin's Creed Liberation da Steam pra quem pagou

Todo mundo já viu algum jogo sair da Steam, algumas obras terríveis, outras verdadeiras maravilhas como o belíssimo Shattered Horizon, ou o fim tristonho que teve o atmosférico Betrayer, e até obras super conhecidas e amadas como Alice: Madness Returns. Mas todos esses títulos sempre deixavam algo em comum, que é deixar os compradores continuarem baixando eles. No entanto a Ubisoft deu um susto em todo mundo quando surgiu a notícia de que ela não apenas retiraria, mas impediria o acesso dos donos a um de seus títulos.

Desde o início da popularização de jogos vendidos apenas digitalmente, isso sempre teve uma certa polêmica. No começo havia uma forte resistência de abandonar a mídia física, mas no computador a coisa perdeu força rapidamente com a popularidade da Steam. Mas aquela perguntinha sempre surgia "O que acontece se a Valve falir?".
Mas a força da plataforma é tão grande que essa preocupação apenas passou a ser colocada de lado. Outras plataformas geravam mais medo, até porque aconteceram coisas como Destiny 2 ser retirado da Battlenet e os donos receberem keys da steam, ou o Bethesda Launcher falir e a empresa dar cópias dos jogos na plataforma da Valve.

Por outro lado, títulos sempre foram retirados, seja por escândalos cabulosos como o da Digital Homicide, que todos os jogos da empresa foram retirados de uma vez, já que ela conseguiu a façanha de tirar a Valve do sério a ponto de ser expulsa da plataforma, até saídas variadas como problemas de direitos autorais, como Soul Reaver e até mesmo jogos velhos que se tornaram injogáveis com sistemas operacionais modernos e a desenvolvedora não quis investir em um a patch, por isso preferiram retirar ou nem mesmo colocar, tipo Silent Hill 2.
Mas foi uma surpresa desagradável para os fãs de Assassin's Creed Liberation HD no começo de julho de 2022, quando surgiu na loja o aviso "Observação: a pedido da distribuidora, Assassin’s Creed® Liberation HD não está mais à venda no Steam. ", o que para os donos do jogo não era nada demais, afinal de contas já tinham comprado. Porém abaixo tinha um outro aviso muito mais intimidador... "Por favor, observe que esse título não vai ser mais acessível à partir de 1º de setembro de 2022".

Isso gerou a frustração da comunidade, já que tinham pago pelo jogo na plataforma da Valve, o que obviamente a tornava a plataforma de preferência, apesar dos jogos da Ubisoft em sua maioria obrigarem as pessoas a abrirem o Ubisoft Connect (Antigo uPlay) mesmo  que tenham comprado ele na Steam.
Um dos motivos que alguns reclamam, são os servidores de download, que podem funcionar melhor em uma plataforma do que em outra. No caso, se um jogo é comprado na Steam, mesmo obrigando a abrir o Ubisoft Connect pra ter acesso, os arquivos são baixados pelos servidores da Valve e não pelos da Ubisoft.

Após todo o falatório, a Ubisoft acabou atualizando a página do jogo na Steam e retirando a parte em que falava que o título se tornaria inacessível, ao invés disso colocou uma nova mensagem, indicando que seria apenas a DLC com elementos multiplayer, mas que o jogo base se manteria jogável. Curiosamente ela também reativou a opção de comprar o jogo, que estava desativada. Olha aqui o novo aviso:
 

O caso acabou levantando novamente o tema sobre compras digitais não serem reais, com os protetores da mídia física falando que pagaram e podem ter literalmente em casa o produto que compraram. Por outro lado, também apareceram pessoas que defendem o ocorrido, afirmando que o jogador aceitou os termos de uso e por isso não pode reclamar. E vocês, o que acham disso?

Postar um comentário

0 Comentários