Castlevania: Bloodlines - Vampiros em conflito durante a primeira guerra Mundial!

Hoje eu irei falar sobre o único jogo de Mega Drive que já zerei na vida, quem sabe não seja o primeiro de muitos? Uahahahaha, tudo para seguir a linha dos Castlevania, essa continuação foi lançada em 1994, e se chama Castlevania: Bloodlines e é o único da série lançado para esse console.

História

No ano de 1917, Elizabeth Barthley, a sobrinha de Dracula, é ressucitada por um feiticeiro, e essa por sua vez, resolveu que traria o próprio Conde de volta à vida. Porém precisava de milhares de almas para o ritual de sacrificio, e então matou descendentes da coroa austíaca, dando assim início à primeira guerra mundial. Então dois guerreiros atravessam a Europa em direção à Transilvania, destruindo exércitos de mortos vivos, para chegar ao castelo do vampiro.

Sobre o jogo

Dessa vez você pode escolher entre dois personagens para seguir a aventura, um é John Morris, o atual possuidor do lendário chicote Vampire Killer, e o outro é Eric Lecard, amigo de infância do descendente dos Belmont que usa uma arma chamada de "A lança de Alucard" dada a ele pelo próprio filho do Dracula, que aparece como personagem anteriormente, em Castlevania III.
As apresentações do jogo são bem legais, contando a história com várias cenas mostradas, com duração bem maiores que as das versões para NES e SNES, porém ainda inferiores às de Rondo of Blood, devido às limitações do console.
O jogo tem algumas mudanças das versões anteriores, como por exemplo não tem mais a contagem regressiva que tem nas versões da Nintendo tinham. O gráfico em geral é inferior ao do Super Castlevania IV, mas apesar disso tem muitos inimigos que são muito melhor trabalhados, principalmente os chefões, que são 3D, não é aquele 3D absurdo, mas mesmo assim são e isso é admirável, pois podemos notar o quão bem foram trabalhados.
A dificuldade do jogo é absurda, achei realmente DO CACETE essa bagaça, tem lugares muito infernais, que lota de inimigos e a quantidade de itens pra recuperar vida é muito reduzida, quase raro você achar algo pra recuperar, o que pode fazer muita gente ficar frustrada. Os controles são razoáveis já que é um jogo de 1994 então dá pra aceitar, mas é impossível ter jogado Super Castlevania IV e não perceber que são inferiores, os personagens são realmente "durões" e há uma quantidade menor de movimentos, você não pode mais mexer o chicote e fazer aquela defesa na sua frente pra impedir que projéteis te acertem, ele só bate e o já volta rapidão, algo que também acontece no rondo of blood, porém com a leveza dos personagens dele, acaba nem sendo perceptível, o que não acontece nesse, além disso, não dá pra chicotear pra cima(apenas na diagonal), já o personagem da lança pode usar ela pra cima, mas é desagradável isso em algums momentos  em que o inimigo ta bem ali e você terá que subir só pra acertar ele, ou ir pro cantinho pra chicotear na diagonal, qual diabos é o problema de meter uma chicotada pra cima? è_é.
O jogo tem apenas seis fases e cada uma dela tem alguns "capítulos" o legal disso é que dentro desses lugares você encontra subchefes, daí dá aquele diferencial de não ser apenas no final da fase que vai achar o vilão.
Os cenários são o ponto mais forte do jogo, não pelos efeitos que tem, mas sim pela variação, você realmente encontra desafios totalmente diferentes em cada lugar que vai, e alguns te fazem achar que você está em outra dimensão, como por exemplo a sala dos espelhos, que você vê um pedaço do pédo personagem em um lugar, e o corpo em outro lugar, ou a escada em 3D que vai rolando e você tem que subir rapidão antes que a parte que você está gire e vá pra trás, só jogando pra entender, e também sos cenários são bem sangrentos e com alguns lugares que dá para interagir, como por exemplo uma parte em que você chega ao lado de uma estátua gigante e tem que destroçar a cabeça para poder passar. Realmente é muito divertido encarar cada desafio que surge.

Enfim

Esse jogo vale a pena jogar, mas ele é muito difícil, então é uma pena que não tem um remake pra PC com uma dificuldade mais tolerável, porque divertido ele é, cheio de lugares desafiadores, mas pode acabar sendo frustrante também.

Postar um comentário

3 Comentários

  1. esse para mim e o melhor e o mais treta dos castlevania que ja joguei[to tirando os do ninetinho por que mais treta que auilo impossivel]....joguei ele por emulador e puts foi foda salvar ele...ainda jogando no teclado.....tem ate o filho do morris e logo um emo naqueles castlevania anime do ds....

    ResponderExcluir
  2. e roga a lenda que o Eric Lecard eh na verdade decendente de Alucard com a Maria Renard (zere o Castlevania: Symphony of the Night pra psx para entender)

    ResponderExcluir