V Rising | Seja um vampiro nesse jogo de sobrevivência em mundo aberto!

Esse é um jogo que a principio, tenho que assumir que não me chamou tanta atenção. Parecia legal, mas levando em consideração a quantidade de jogos que saem, eu não fiquei muito preso. Porém não demorou muito para começar a  cruzar o caminho dele com uma certa frequência, o que o tornou mais atraente. No entanto após o ver como jogo mais vendido da Steam, não tinha mais como negar, tive que ir atrás.
A história se passa em um universo de fantasia medieval onde vampiros dominaram a humanidade por muito tempo. Mas após uma revolta, os humanos se uniram para entrar em guerra e conseguiram deter e banir as criaturas da noite. Porém, após centenas de anos, eles começaram a despertar novamente, dispostos a reerguer o seu domínio.

Sem sombra de dúvidas a coisa que mais me chamou a atenção no jogo, dessa vez não foi o visual, que normalmente é a primeira coisa que vejo sem saber de nada, ou a história, que como vocês podem ver ,é um tanto limitada. Mas sim o fato de que se trata de um jogo de sobrevivência, como temos tantos por aí, mas dessa vez tiveram a fantástica ideia de colocar os jogadores como vampiros.
Como vocês já devem imaginar, sim... Existe o problema do sol! Até existem alguns vampiros da cultura pop que não morrem com o sol, mas os desenvolvedores foram ousados em colocar essa fraqueza aqui. E somando isso com o ciclo de dia e noite, é uma sensação um tanto sufocante quando amanhece.

Você consegue andar por aí e até consegue brevemente andar pelo sol, no entanto precisa frequentemente andar pelas sombras, pois dois segundos após entrar no sol, você começa a emitir o brilho como o de um raio de uma lupa concentrando um raio de sol. Algo que vai ficando mais e mais intenso e quando você vê, começa a tomar um dano cabuloso que te mata em poucos segundos se você não sair da luz.
Inclusive é engraçado como na divulgação do jogo tem "Tema a luz", o que é irônico porque vemos tanto "Tema a escuridão" em propagandas, mas que é meramente algo genérico que ninguém teme. Agora aqui, de fato você teme a luz, pois assim que amanhece, você fica muito ligado. Acho que o único jogo que vi algo assim, mas em relação à escuridão, foi Dying Light 2, que você realmente fica completamente atento assim que entra no escuro.

Apesar de tudo, dá pra sobreviver e você pode escolher como fazer as coisas. Talvez usar o dia pra construir seu castelo e o que precisa, sem se preocupar com inimigos. Ou você pode ser ousado e decidir correr em direção a eles em plena luz, talvez pra ao anoitecer você já estar próximo, talvez porque não liga de se adaptar à posição das sombras em combates.
Já a noite, quando ela chega, passa aquela sensação de liberdade e acaba sendo realmente muito atmosférico, já que o aviso de que anoiteceu é praticamente um "As criaturas da noite podem se divertir", e aí sim dá pra ter tranquilidade. Porém da mesma forma é preciso ficar de olho no fim da noite, pois quando amanhece, se você estiver no meio do combate, pode ser complicado.

O mundo é cheio de vilas, cavernas, ruínas, fortalezas e biomas. E você pode explorar pra se alimentar ou capturar humanos como prisioneiros ou escravos. Além disso, pode também usar uma estrutura para que apareça uma áurea indicando o lado em que um chefe está no mapa. Isso te faz viajar sem saber pra onde está indo e assim matá-lo.
Cada chefe gera novas habilidades vampíricas, mas também te permite destravar novas estruturas que vão te deixar criar certos tipos de itens. Então o jogo te incentiva muito a caçar os inimigos espalhados pelo mundo, pois somente com eles será possível criar aquela máquina que vai te deixar fazer o item que você precisa pra passar para o próximo nível.

Aliás, é curioso que nesse jogo o que determina o seu nível são os seus equipamentos. Dessa maneira, se você precisar ficar mais forte para matar um inimigo, vai ter que ir aos poucos, derrotar determinados inimigos e aí sim poder passar para outros locais que você deseja visitar, mas todos os inimigos tem barras de vida com uma caveira, indicando que são de um nível alto demais pra você.
Durante suas aventuras é importante vasculhar baús e coletar itens que inimigos deixam cair, pois alguns deles são livros com sabedoria antiga que vão te permitir criar novos tipos de itens nas máquinas que você tem. Também em algum ponto do jogo, será possível criar papéis pra você mesmo fazer determinados conhecimentos e assim poder ir evoluindo.
 
A construção do castelo também é importante e você vai fazendo seu domínio aumentar cada vez mais. A coisa é bem gótica e usa um estilo de ambientação no estilo do Castelo do Drácula. Você coloca primeiro um núcleo no chão que só indica domínio e depois vai usando sangue pra expandir o território e nessa expansão vai podendo erguer paredes pra ir fazendo o castelo ficar com aquela cara de gótico.
Apesar de tudo, achei o castelo um pouco limitado, pois se por um lado você tem os quadrados certinhos no chão para que fique muito belo, por outro ele é limitado a padrões, não te deixando de repente criar uma coisa louca e fora do padrão, afinal de contas tudo funciona como se fossem peças só esperando para serem posicionadas no formato certinho.

O jogo tem suas semelhanças com outros jogos do gênero survival, tipo Conan Exiles, tipo ter que lutar contra inimigos, capturar eles e então levar até o castelo para colocar em um caixão de servo e esperar eles se transformarem para só então você os deixar ali cuidando do lugar. Mas no geral eu achei um jogo com uma personalidade bem própria.
O próprio fato de ser um jogo isométrico é algo que, embora eu não goste muito nesse jogo em especial, dá um diferencial e torna a experiência única, não sendo apenas mais um jogo em primeira pessoa ou apenas mais um jogo em que você pode ver o personagem por trás. E somado com a temática vampírica e jogabilidade em geral, tem seu estilo próprio.
 
Eu também achei os controles do jogo um tanto zoados, tendo que virar a câmera com o mouse e controlar o personagem com o teclado. O problema disso é que frequentemente você se vira de costas ou pra outro lugar e a câmera fica lá parada com você olhando o personagem de cima, tendo que virar ela pra continuar. Eu acabei me acostumando, mas não dá pra dizer que achei a coisa boa.
Os poderes vampíricos tem parte disso, como o fato de que você pode se transformar em um logo pra correr rapidamente, ou a forma sedutora que você precisa assumir para encantar humanos e os fazer te seguir até seu castelo. Ou parte da maldição, como ter que ficar de olho na sua barra de sangue, que você precisa se alimentar e ver o tipo sanguíneo dos inimigos, pra saber o que é de mais qualidade pra te dar um bônus melhor.

Enfim, esse é um jogo muito gostosinho, seja pra jogar no cooperativo, seja pra quem quer se arriscar em um mundo com outros jogadores e tentar invadir ou torná-los inimigos. Curiosamente esse jogo saiu exatamente um ano após o estouro de Valheim, o que faz ter a sensação de que maio é o mês dos survival indies. Recomendo sempre dar uma olhadinha no preço dele na Nuuvem antes de comprar na loja direta, algumas vezes os preços deles estão bem abaixo do normal, e sempre lembre de olhar os cupons de desconto que eles espalham pelo site, que deixa a coisa mais barata ainda, dê uma conferida aqui.

Postar um comentário

0 Comentários