Servant | Série de suspense da Apple TV+ produzida pelo diretor de "O Sexto Sentido"

Não é surpresa pra ninguém que adoro o trabalho do M. Night Shyamalan, mas tenho que assumir que não assisto imediatamente tudo o que ele está envolvido, e foi o caso com Servant, uma série de suspense lançada na Apple TV+ em 2019 e que conta com o diretor de "O Sexto Sentido" como produtor e diretor de alguns episódios. Eu nem fui muito atrás porque queria ser surpreendido e chegou a hora da review.

A história é focada no casal Dorothy e Sean Turner, que acabaram perdendo seu filho de 13 semanas. No entanto, a esposa ficou traumatizada e chocada com o acontecimento. E assim uma solução que acham é usar um "Boneco Reborn", que é um brinquedo super realista que parece muito com um bebê de verdade. E assim contratam Leanne, uma babá que por algum motivo age como se fosse um bebê real mesmo quando Dorothy está fora. Até que do nada um bebê real aparece no berço e Sean entra em desespero tentando entender e desconfiando que a babá ou sua esposa sequestraram uma criança.
Bom, essa é uma daquelas obras com um clima pesadão, usando uma fotografia muito obscura e uma atmosfera constantemente tensa sobre o que está rolando. Também acaba sendo natural passar a fazer teoria atrás de teoria sobre a resposta para o caso. Será algo sobrenatural? Será que o surto da esposa fez ela sequestrar um bebê? Será que a serva esquisitona levou o bebê pro lugar?

Algo curioso é que a história se passa praticamente toda dentro da casa, mas ainda assim você acaba tendo a sensação de algo que vai além por causa dos personagens que entram e saem. Isso começa com as profissões dos personagens, sendo Dorothy uma repórter local que você vê na TV o tempo todo e ela filmando, até Sean, que é um mestre de cozinha e frequentemente tá fazendo comidas chiques e abrindo vinho, assim como entrando em contato com os clientes que lhe fazem pedidos.
Mas a coisa acaba se estendendo a outros personagens que acabam fazendo com que a sua conexão com a família gere uma sensação de ir lá fora. Em especial o irmão de Dorothy, Julian Pearce, que é extremamente preocupado com a irmã e passa a ajudar o marido, inclusive fazendo suas investigações lá fora e mostrando a Sean por vídeo. Me lembrou um pouco a técnica usada em A Hora do Lobo, porém não tão apelativo, já que aqui ao menos existem algumas ceninhas externas, mas que no geral são na rua da frente da casa ou na praça atrás dela. Isso dá um toque bem elegante à coisa.
Aliás, por falar em personagens, talvez seja curioso ver alguns rostos famosos, em especial Julian, que é interpretado por Rupert Grint, o Rony Weasley de Harry Potter, mas também tem atores como Toby Kebbell, aquele cara do episódio do olho que grava tudo em Black Mirror, Nell Tiger Free, que faz a princesa Myrcella Baratheon em Game of Thrones e Lauren Ambrose, da fantástica série da HBO, A Sete Palmos.
A série não conta com reviravoltas constantes e assim o foco é realmente mais na atmosfera pesada com aquele climinha medonho. Tipo quando pensam que tem alguém a mais na casa, quando aparecem visitantes inesperados, ou quando dois personagens ficam sozinhos no lugar, mas um deles está dando fortes indicações de ser perigoso.

Enfim, acho que não tem muito mais que eu possa falar que não seja spoiler. Talvez a limitação da série na casa acabe também limitando um pouco a evolução da história, mas ainda assim consegue prender, com seus episódios de apenas meia hora, que por incrível que pareça conseguem passar uma sensação de que foram bem maiores com muita coisa acontecendo, mas sempre rodeada no mesmo mistério, que é o bebê. Recomendo!

Postar um comentário

0 Comentários