Dark Souls 64 | Demake do jogo da FromSotware pra Nintendo 64

Foi uma empolgação imensa quando Bloodborne PSX foi lançado para computador, fazendo uma simulação de como seria o jogo da FromSoftware se tivesse sido lançado na era do PS1. No entanto, isso dá asas à imaginação sobre como seriam outros jogos do gênero soulslike adaptados para plataformas antigas.

Não é difícil achar jogadores maravilhados com o mundo dos demakes. Afinal de contas, a ideia por si só de ver como ideias modernas poderiam ter surgido décadas antes, é bem incrível. E felizmente, muitos programadores também têm essa visão e se desafiam a fazer as mais inusitadas coisas.

Obviamente, antes mesmo da ideia de um demake de Bloodborne existir, já tinham pessoas pensando em como seria uma adaptação do mais popular jogo da FromSoftware, Dark Souls. E assim surgiu Dark Souls 64 (Capa feita por PennMurtons e demake por Shepp)  foi um desses projetos, tentando apresentar um visual semelhante ao que tínhamos na época do Nintendo 64.

Essa adaptação não se aprofunda pra valer na coisa, mas apresenta uma base interessante sobre como é que as mecânicas poderiam funcionar, colocando dois tipos de inimigos, ambientes com design semelhante que causam aquela sensação de familiaridade ao dar uma olhada, e a possibilidade de lutar.

Infelizmente, diferente de Bloodborne de PS1, o que temos aqui é realmente algo relacionado a contemplação e inspiração, e não para ser zerado de verdade ou se ter algum esforço do jogador. Sendo assim, apesar de ser jogável por todos, é tipo o que aquele cara que mostrou como jogar gta5 em um game boy de 1989, algo que é mais pela curiosidade. Não é como por exemplo Dark Life, que mistura Half Life e Dark Souls e foi feito com foco em ser jogado pra zerar mesmo.

Enfim, Dark Souls 64 não é algo feito para se divertir, mas apenas para despertar a curiosidade ou dar aquela inspiração. Sendo assim é mais para um projeto do que um jogo mesmo. Caso você queira dar uma olhada na coisa rodando, bastar fazer o download aqui.

Postar um comentário

0 Comentários