Mousebusters | Cace assombrações em um prédio amaldiçoado

Esse é um jogo que me chamou a atenção imediatamente pelos simpáticos gráficos pixelizados e a bizarrice presente, envolvendo dias de trabalho e criaturas sobrenaturais, o que rapidamente me fez pensar em Yuppie Psycho. E assim decidi experimentar para ver se a coisa conseguia chegar ao mesmo nível e o melhor é que roda em qualquer modelo de celular atual.

A história é sobre um cara que precisa muito se mudar para um novo lugar barato, pois está sem dinheiro e assim acha uma espelunca em um prédio acabado. O apartamento que ele aluga é peculiar porque alguém cometeu suicídio ali. Ele não se preocupa, mas basta uma noite de sono e ele acorda no corpo de um rato e sua vida muda completamente ao conhecer outro rato que lhe diz que a única forma de saírem dessa é localizando e eliminando assombrações que infernizam os moradores do prédio.

Bom, esse jogo foi desenvolvido pela Odencat, que já é uma empresa conhecida mesmo por jogos que têm um climinha de creepypasta. No caso desse aqui acabou sendo menos macabro devido à presença dos ratinhos amaldiçoados, no entanto vimos outras obras com climinhas mais tensos como foi o caso do Angel Road e do maravilhoso Bluebird of Hapiness. Ainda assim dá pra notar aquele toquezinho de mistério bem gostoso.

O jogo é bastante narrativo e te coloca para receber ordens do rato chefe que é responsável por localizar energias sobrenaturais vindo de qualquer um dos apartamentos e te enviando para investigar, localizar e eliminar os fantasmas que estiverem nos locais. Eles podem se esconder em qualquer lugar, inclusive dentro de objetos.

A jogabilidade é no estilo point and click, então você escolhe qual apartamento quer investigar primeiro e em cada um vai ter um inquilino com suas próprias manias. Seja o homem que veio de outro país e não consegue se acostumar com a comida local, a senhora que vive com sua gata ou o jovem que quer conquistar uma garota. Nenhum deles lida muito bem em ter uma ratazana em casa, então você age escondido para tentar encontrar.

Os gráficos do jogo são maravilhosos, muito fofinhos mesmo e adoro o toque pixelizado tão bem feito ao invés de usarem um 2D padrão. A bizarrice das criaturas presentes também acaba dando um charme bem grande na coisa, especialmente pelo fato de que são personagens bem fofos e ter algo como uma massa roxa cheia de olhos e bocas ao redor é algo que chama a atenção com certeza.

Infelizmente a mecânica do jogo é absurdamente limitada. Pra falar a verdade, pode ser um completo tédio para quem não gosta de jogos narrativos, isso porque a liberdade é praticamente zero. O chefe fica falando o tempo todo "Olha, não deu certo, tenta aquili ali", e você só vai clicando. Não é preciso pensar, você pode zerar o jogo só clicando nos locais que quer investigar ou nas respostas até terminar.

E nem adianta dar a desculpa de que é algo do estúdio, porque Clock of Atonement é deles e tem toda uma variação de possibilidades em sua mecânica para você tentar mudar os eventos de uma cena. Então realmente não sei o que aconteceu aqui, mas é um jogo que encanta pelo visual e pode atrair pela história, mas qualquer interação livre é mínima. São coisas como mexer no PC e ver os bônus liberados ou escolher qual apartamento quer ver primeiro.

Enfim, é algo que pode ser agradável para se jogar antes de dormir, mas é tipo ler um livro, não é como se fosse para você jogar mesmo, é mais para passar o tempo. A parte boa é que o jogo base é gratuito e apenas a expansão é paga. Quem se interessar pode conferir aqui.

Postar um comentário

0 Comentários