Control - AWE | Entrando em contato com Alan Wake

Chegou o momento de falar da mais aguardada expansão de Control, que finalmente coloca a história de uma maneira muito mais conectada com algo que já aparecia durante a campanha principal, mas não era o foco. Estou falando da conexão com o jogo Alan Wake, que talvez seja a mais amada obra da Remedy, mas que foi muito menos explorada do que os fãs esperavam, já que fez muito barulho em seu lançamento, inclusive lançando spin-offs como é o caso da mini-série Bright Falls ou mesmo do não tão falado livro físico do Alan Wake.

A história tem início quando Jesse Faden investiga o elevador principal do Departamento Federal de Controle e descobre algo inusitado, um novo botão no painel de andares. Ao clicar, ela é levada para um andar que não estava ali anteriormente e logo começa a seguir os rastros de uma coisa solta no andar que tem alguma ligação com o desaparecimento do escritor Alan Wake, dez anos antes.

Bom, depois de The Foundation, é óbvio que essa aqui foi a expansão que fez os fãs irem à loucura, seja os que já gostavam de Control, seja os de Alan Wake, que inclusive teve muita gente que comprou o jogo base exatamente por sentir que estava prestes a ter uma pequena amostra do famoso jogo do Xbox 360. No entanto eu já aviso que é bom não ter uma expectativa tão alta, isso porque realmente é uma experiência diferente e com uma atmosfera muito diferente. Assumo inclusive que eu esperava que tivesse um pouco mais a ver, porém não é ruim, é bem bacana e há toda uma campanha nova.

Eu gostei dessa expansão mais do que a The Foundation, apesar de tudo, acredito que a primeira expansão tinha uma variação mais visual à mostra. E isso acontece porque lá a coisa se passa na maioria do tempo em uma escavação, então há todo aquele ambiente de cavernas e tal. Já aqui, é em um andar comum da grande casa, o que eu prefiro, porém há aquela desvantagem de parecer mais do mesmo.

O contato que você tem com Alan Wake não é direto, então é algo mais a ver com investigação e seguir rastros. Há muitos documentos sobre ele, NPC's comentam sobre e o maior contato é através da "Linha Direta", aquele telefone que te permite ter contato com o além e ouvir algumas pessoas. No caso, aparecem cenas em Live Action do personagem em sua máquina de escrever, citando a jornada de Jesse.

Por outro lado, você tem um contato muito mais direto com o Dr. Emil Hartman, que é um dos personagens do jogo Alan Wake, e lá é psiquiatra do personagem. Por outro lado aqui, ele é o vilão principal, consumido pelas sombras e que você enfrenta múltiplas vezes enquanto vaga pelo novo andar do departamento.

Outro elemento presente é obviamente, a escuridão, e aqui foi adicionada a mecânica de usar a luz a seu favor. Nos combates contra Hartman, há sempre a presença da escuridão, que é onde o personagem fica e em alguns poucos pontos de luz é onde você se mantém salvo, precisando achar uma forma de iluminar seu caminho e todo o lugar para vencê-lo.

Já durante a exploração, você encontra pontos cobertos de sombra e precisa achar lanternas, que você usa telecinese para levitar e assim destruir a escuridão com a luz, com aquele mesmo efeitinho que tanto usamos em Alan Wake, em que a luz precisa ficar apontada durante algum tempo para o ponto escuro e assim vai "queimando", até que as trevas sumam por completo.

Infelizmente, acho que não aproveitaram tanto esses elementos. Senti muita falta dos objetos possuídos e as pessoas de sombra. Poderiam ter adicionado aqui esse tipo de inimigo, seria muito bom. Gostei de como há elementos de terror nas lutas contra Hartman, mas acho que perderam uma oportunidade fantástica de adicionar novos tipos de inimigos que poderiam usar os mesmos modelos anteriores, só que exigir luz.

Há também algumas pequenas coisas que dão um "a mais" ao jogo. Assim como o modo de jogo "Expeditions" adicionou uma área nova acessada através do Jukebox, aqui foi adicionada uma máquina de fliperama que é bem um modo arcade mesmo e você pode entrar na pancadaria com hordas de inimigos e a possibilidade de lutar contra chefes já vencidos.

Fora isso foram adicionados algumas melhorias aqui e ali, por exemplo o upgrade na telecinese de poder levitar três objetos ao mesmo tempo ficou bem bacana. Mas no geral não teve nada que adicionasse aquela mudança cabulosa na gameplay do jogo e tal. O que não quer dizer que seja ruim, já que o novo andar é cheio de coisas,a inclusive áreas secretas.

Enfim, apesar de não ser o que eu e muita gente esperava, se a expectativa não for cabulosa de se ter uma experiência mais Alan Wake, Control AWE consegue gerar mais algumas horas de diversão, acho que vale a pena. Recomendo sempre dar uma olhadinha no preço dele na Greenman Gaming antes de comprar na loja direta, algumas vezes os preços deles estão bem abaixo do normal, e sempre lembre de olhar os cupons de desconto que eles espalham pelo site, que deixa a coisa mais barata ainda, dê uma conferida aqui.

Postar um comentário

0 Comentários