Carrion | Seja uma criatura monstruosa comedora de humanos

Esse é um jogo que eu e muita gente estava esperando para poder dar uma conferida, especialmente por juntar duas coisas que atraem automaticamente, que são belos gráficos em 2D e uma ideia diferente para jogo. Em especial os fãs de Ficção Científica foram à loucura. O negócio é que depois de vermos tanto a ideia de ser alienígena que cresce aos montes, desde Weeds de Stephen King até mesmo o horror nacional Estrela Radiante, alguém resolveu inovar com a fórmula e fazer uma versão inversa.

Aqui você é colocado no papel de uma criatura monstruosa que consegue fugir da zona de contenção de um laboratório. Você é capaz de absorver outros organismos, crescer e evoluir, mas os funcionários da instalação farão de tudo para impedir que você consiga sair, seja com o uso de barreiras, seja com armas letais.

Bom, eu criei uma certa expectativa para esse jogo e acho que isso acabou sendo bem ruim, pois é sim um jogo muito gostoso, mas eu estava tão empolgado, que acabou sendo um pouco desanimador no início e acabei achando alguns outros probleminhas ao longo do jogo que exigi bem mais do que exigiria se fosse só algo que eu pegasse pra jogar sem pensar muito no assunto. Mas ainda assim é notável que o jogo é super divertido e as notas Muito Positivas na steam confirmam.

O problema inicial do jogo, é que ele já te coloca como uma criatura extremamente grande e poderosa, o que achei uma pena, especialmente porque ela tem a versão pequena e acho que seria legal demais aproveitar por um tempo tendo que se esgueirar, assustar os sobreviventes e comer nas horas oportunas. Mas você logo sai só explodindo tudo e matando sem parar. Achei isso bem cansativo inicialmente porque passou a impressão de que era só isso.

Mas depois você acaba achando outros elementos, que demoraram um pouco para aparecer no meu jogo, porém vi que ele meio que é aberto para se fazer certas zonas. Ou seja, não sei se aquela zona inicial é a mesma pra todo mundo, mas talvez eu apenas tenha escolhido o lugar errado e por isso ficou meio entediante, apesar de que sinto que realmente o começo de todo mundo é só matança.

O segundo e maior problema do jogo, é a falta de alguma orientação. Eu até que aceito não ter mapa no jogo, mas o zerei em 8 horas e tenho a mais plena certeza que no mínimo metade desse tempo foi eu rodando o lugar, tentando achar o que fazer e isso não é desafiador, é frustrante. E olha que o desenvolvedor mesmo tinha a solução em suas mãos, que é a opção de apertar um botão e ouvir onde está o ponto de salvar. Ele não diz exatamente onde está, apenas a direção. Se tivesse isso para saber onde tem objetivos seria ótimo, mas um laboratório grandão com lugares super parecidos e sem mapa, só te faz rodar. Vi nas análises e notei que muita gente ficou frustrada também. No fim do jogo eu fiquei 2 horas rodando atrás da última área. Se a desculpa é ser desafiador, que colocasse mais inimigos com lança-chamas, pois ia ser divertido e não frustrante.

A jogabilidade te coloca pra controlar o monstrengão e quanto mais você come, mais cresce. Além disso tem as zonas de contenção com DNA's diferentes, que se você invadir e se fundir com eles, ganha novos tamanhos e habilidades ou faz upgrades na sua energia para usar essas habilidades. Isso é bem legal. O jogo é semelhante a obras como Blackthorne, Rain World e Abuse. Ou seja, é desses Metroidvanias meio limitados, mas com uma movimentação linda demais e uma atmosfera bem própria.

Após a matança inicial, logo cheguei em locais mais estratégicos, que era preciso usar habilidades certas. Algumas áreas você só atravessa se estiver com uma determinada quantidade de massa. Por exemplo o menorzinho é capaz de ficar invisível e lançar uma teia  de aranha que puxa alavancas, o médio é capaz de estourar obstáculos e criar espinhos que matam todo mundo que o toca, já o enorme consegue lançar tentáculos e puxar pessoas e obstáculos, além de endurecer sua pele e ficar invulnerável a explosões.

Ficou bem legal os puzzles, mas assumo que eu gostaria de poder manipular mais a situação. Esperava que fosse algo mais parecido com Zombie Night Terror ou mesmo Neighbors From Hell, que são jogos que você brinca com o cenário e vê as consequências. Essa sensação de estratégia é muito boa, mas aqui a coisa é mais para puzzles mesmo, apesar de vários lugares te darem a liberdade de você escolher como vai atravessar o lugar. Talvez entrando e matando todo mundo, talvez se esgueirando. Mas a coisa é um tanto limitada.

O jogo é inspirado em filmes como Vida, A Bolha Assassina e sem sombra de dúvidas, especialmente O Enigma de Outro Mundo, e aqui você tem os poderes daquele monstrengo, indo desde  virar vermes para atravessar lugares finos até assumir o controle de um humano e se passar por eles. E aí está mais um elemento que mostra que poderia ter sido bem mais intenso. Isso porque quando você controla, ou é pra sair atirando, ou pra ir ativar algo. Mas seria legal poder brincar com eles, ao invés de só fazer isso e depois sair matando.

Visualmente o jogo é maravilhoso, impecável mesmo, é bem nojento o monstro que você controla e a movimentação é muito linda, convence bastante. Quando você fica parado em um lugar, é possível ver o sangue começar a entrar nele e se tiver um andar de baixo, você vê as gotas de sangue começando a surgir e os humanos desesperados. Ficou super bem feito.

Enfim, apesar de Carrion ser um jogo muito menos estratégico do que eu gostaria que fosse, mas acaba snedo bem mais do que só andar e matar. Ele é bem divertido mesmo, a forma de contar a história é gostosa sem usar uma palavra. Pra quem quer apenas sair fazendo uma chacina, pode ser uma delícia. Recomendo sempre dar uma olhadinha no preço dele na Greenman Gaming antes de comprar na loja direta, algumas vezes os preços deles estão bem abaixo do normal, e sempre lembre de olhar os cupons de desconto que eles espalham pelo site, que deixa a coisa mais barata ainda, dê uma conferida aqui.

Postar um comentário

0 Comentários