Alone in the Dark 2 - Um jogo que é a mais pura arte!

Esse é um dos jogos que infelizmente só me resta lamentar por eu não ter capacidade de zerar, um dia ainda coloco um amigo meu pra zerar e eu assistir uahahaha. Eu sei, existem speed runs, mas não seria a mesma coisa e já que não tenho capacidade de zerar essa maravilha, ao menos assistir ao vivo e ver a história ser desenvolver já vai ser uma coisa uahahaha.

Como é óbvio, essa é a continuação de Alone in the Dark, e foi lançada em 1993, apenas um ano após o primeiro jogo. E uma coisa que eu não tinha falado mas que acho interessante pra caramba, é o fato de que os primeiros jogos da série foram desenvolvido pela mesma equipe que criou Twinsen's Odyssey, e isso é algo completamente notável. Realmente a jogabilidade e mecânica de jogo em geral é extremamente parecida apesar de um ser um jogo das trevas e outro um jogo completamente suave pra públicos em geral.

A história desse jogo se passa em 1924 e são três meses após os acontecimentos do primeiro. Você controla Edward Carnby novamente e investiga o caso do desaparecimento de uma garotinha. chamada Grace Dessa vez não existe a mulherzinha do primeiro jogo, já que ela estava investigando a morte do tio e não era um detetive, portanto sobre apenas o personagem que se transformou no principal da franquia. A investigação acaba conduzindo ele a uma casa onde um líder Gangster mora e é lotado de capangas. Mas apesar disso logo a história começa a se mostrar macabra envolvendo espíritos e vudu.

 Dessa vez foi adicionado um sistema de combate um tanto mais complexo, o personagem dá porrada de uma forma toda estilosa e até tem golpe com o pé, mais um detalhe que mostra a proximidade que ele estava alcançando de Twinsen. Existem tiroteios constantes no jogo e é difícil pra cacete, eu lembro que na primeira vez que joguei fiquei impressionado em como eu mal conseguia passar do jardim da casa e já morria, era simplesmente impossível a bagaça.

O jogo adicionou sistemas muito elegantes na forma de contar a história, a forma como a história vai ficando mais sombria e durante as apresentações há uma narração é linda. Durante o jogo também foi inserida dublagem em alguns personagens. Uma coisa muito legal colocada também nesse são os momentos em que você controla Grace, é como se a história desse uma pausa e de repente mudasse o ângulo de visão pra ela, sendo que como você não luta e nem usa armas com a garotinha, portanto quando ela se torna a personagem principal o jogo se torna um Stealth, se ela é pega, é presa imediatamente, por isso tem que usar o cenário pra criar armadilhas ou passar escondida dos inimigos.

Esse alone in the dark tem uma história sombria mas eu não diria que é um jogo sombrio, não lembro de ter visto susto algum até onde joguei, no primeiro jogo eram constantes coisas como de repente um zumbi entrar pela porta e aparecer aquele som de susto aplicado em filmes, ou um monstrengo surgir pela janela, mas esse não. Nesse você sente como se estivesse controlando um detetive em um caso que envolve elementos sobrenaturais, mas não em uma mansão macabra. Nessa mansão as coisas são diferentes, a maioria dos inimigos são vivos e não entidades.

Enfim, ta aí uma verdadeira obra prima, para os fãs de Twinsen's Odyssey que curtem um jogo extremamente difícil essa pode ser uma opção de jogo bastante parecido porém com um clima mais pesado. E para quem não se acha capaz de zerar algo assim mas gostaria de experimentar, pode jogar o maravilhoso "Jack in the Dark" que é um teaser que lançaram junto com o jogo e a personagem principal é Grace, a história se passa no dia das bruxas e você entra em uma loja de brinquedos assombrada, esse eu zerei ao menos, é muito curtinho e fantástico! Agora confiram o prólogo do jogo, que apresenta Ted Stryker, o parceiro de Edward Canrby que vai à mansão antes dele tentar salvar Grace.

Po vão dizer que não é visualmente lindo? Sério, é um jogo de 1993 isso, olha a movimentação dos personagens que fodona, o carinha pulando a janela e se segurando, e a animação do copo de água caindo no chão, ou até mesmo pequenos detalhes como quando ele ta indo em direção à casa e é possível ver uma silhueta na janela. Lindo demais essa bagaça, muito bem feita! *-*

Confira também a análise de Alone in the Dark 3.

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Nossa apesar da simplicidade dos modelos tridimensionais, as animações são muito lindas. Fiquei com muita vontade de jogar esse jogo HAAHUAHUAH

    ResponderExcluir