Death Crown | Controle a morte e destrua um reino inteiro

Tá aí um jogo que me apaixonei imediatamente por causa da arte, mas logo vi que a proposta em si também é interessante, sendo uma daquelas obras curtinhas, porém muito viciantes. E se você gosta de temáticas de Dark Fantasy como as envolvendo a Peste Negra, certamente vai achar a coisa bem curiosa.


A história é sobre um rei insano que foi consumido por seu desejo por mais poder. Após governar um reino de forma honrosa e justa por anos, finalmente a morte veio buscá-lo, porém se negando a isso, o homem recorre a forças ocultas para impedir seu destino, gerando um artefato chamado "Coroa da Morte", permitindo-o viver para sempre. No entanto a Morte está disposta a destruir todo o reino para poder ceifá-lo.

Essa ideia de monarquia contra a morte me fez lembrar rapidamente de A Máscara da Morte Rubra, e me fez pensar se tinha algo a ver,  no entanto realmente a coisa é bem menos sombria do que imaginei quando vi as imagens. Na verdade o foco é ser uma experiência minimalista, e apesar do visual, é mais para algo fofo do que macabro.

Nas próprias conquistas que tem nomes simpáticos, é algo meio fofinho. Se você vence o rei, aparece ele com aquela cara de tristinho, se ele vence, faz a expressão de louco. Por outro lado há apresentações bem estilosas quando você vence desafios de nível 5, que é o maior nível de dificuldade. São coisas um tanto exóticas, simbólica, às vezes em animação, às vezes em 3D e às vezes em live action com uma qualidade absurdamente quadriculada. As animações sempre  são em preto e branco, respeitando o design do jogo.

A coisa é um tanto simbólica, aparecem o Rei ou a Morte, e coisas meio estranhas acontecendo, como estruturas se despedaçando, fazendo referência ao reino decadente. Apesar de ter gostado do jogo no geral, assumo que adoraria  que eles tivessem aproveitado essa arte sombria pra colocar uma história bem misteriosa para o povo fazer teorias nos fóruns. Combina demais com um jogo medieval bonito assim.

A jogabilidade segue um estilo minimalista de estratégia em tempo real. Então tem todo aquele negócio de fazer construções e enviar exércitos para destruir as estruturas inimigas, assim como é preciso elaborar defesas. Se você gostou de Crush your enemies e BOID, que também são jogos de estratégia minimalista, certamente vai adorar esse.

A campanha é dividida em fases com níveis de dificuldade. Você vê o mapa do reino, escolhe um lugar para atacar e aí inicia a partida. Cada fase tem um ambiente e posição própria, se você não conseguir porque acha que está muito difícil, pode sair e tentar outra para ver se consegue. Não demora para o jogo ficar desafiador.

Você tem três estruturas, as minas que produzem cristais pra comprar estruturas, as criptas, que ficam produzindo soldados automaticamente e você escolhe onde devem atacar, e as torres, que atacam inimigos que se aproximam, mas ficam desativadas um tempo, exigindo que você fique atento em reforçar determinados pontos.

Há também cristais espalhados pelo cenário que te dão bônus e que valem a pena ser capturados. Você não pode construir em qualquer lugar, é preciso conquistar território, e pra isso você tem que adicionar unidades. Quando você constrói algo, novos espaços são destravados ao redor, apenas a mina que não gera espaços. E você tem aquela sensação de cabo de guerra, se destruírem uma unidade, seu reino se retrai, se você constrói mais, ele vai se aproximando cada vez mais de onde você estiver focando, sejam cristais do cenário, seja o reino inimigo.

O objetivo é destruir o castelo, porém é preciso ultrapassar as defesas. Daí você monta sua estratégia, pode ser destruir minas pra dificultar os investimentos dele, pode ser os fortes dele para evitar que fiquem enviando soldados, ou podem ser as torres, que apesar de darem um ataque, se desativam por um tempo, então se você tiver mais soldados atacando, uma hora ela cai.

O jogo conta ainda com modo versus para você enfrentar os amigos, e o que aumenta bastante a vida do jogo. E é também possível ativar o modo cooperativo, para que você e um amigo construam ao mesmo tempo enquanto enfrentam o computador. O único problema é que apenas tem o modo local, o que acaba sendo ruim pra quem só tem como jogar na internet.

Enfim jogo muito gostoso! Visual elegante, uma daquelas obras com essência peculiar, vale a pena, só achei a campanha meio curta, mas vale ficar rejogando. Recomendo sempre dar uma olhadinha no preço dele na Greenman Gaming antes de comprar na steam, algumas vezes os preços deles estão bem abaixo do normal, e sempre lembre de olhar os cupons de desconto que eles espalham pelo site, que deixa a coisa mais barata ainda, dê uma conferida aqui.

Comentários