Gokudolls | 3 machões da Yakuza virando cantoras pop fofinhas

Você certamente já ouviu falar da Yakuza, a famosa máfia japonesa que tanto causa horror e foi forte inspiração em obras como Speed Grapher e Gungrave. Existe toda uma mitologia que os diferencia, desde o senso de honra diferenciado até a famosa punição dos dedos cortados. Então imaginem minha surpresa ao ver algo tão barra pesada ser o tema desse anime mais que esculhambado?


A história é sobre três membros da Yakuza que cometem um terrível erro ao se precipitar em uma missão. Eles são colocados para serem julgados. Em uma situação normal, perderiam a vida, mas o chefe está sabendo de uma febre que tem sido muito lucrativa e está gerando muita grana, a de cantoras pop. E assim ao invés de matá-los, ele decide puni-los com uma cirurgia de mudança de sexo e um rígido treinamento para se tornarem as mais famosas cantoras pop do momento.

Já deu pra sentir a bagaceira que esse anime é, né? Quando um amigo meu descobriu Back Street Girls Gokudolls, soube imediatamente que teríamos que assistir, pois somos fãs de Detroit Metal City e aquele humor super bizarro que tem lá. Aqui finalmente vimos algo semelhante, aliás, tão semelhante que nos pareceu ser do mesmo criador, mas a verdade é que não.

Aliás, por mais que eu tenha adorado esse anime, assumo que parece uma ideia roubada safadamente. Esse lance de um personagem se tornar um cantor de algo completamente diferente do que gosta ficou muito idêntico. Parece que a criadora simplesmente pegou DMC e inverteu a coisa, colocando personagens muito malvados para virarem menininhas fofinhas, e a Yakuza parece ter sido o ápice da malvadeza.

Mas sendo ou não cópia, eu não ligo, pois me divertiu muito e isso sem sombra de dúvidas vale mais do que o plano de fundo da coisa e acontece em todo ramo. É só ver o jogo FEZ, que é extremamente belo e delicado, mas quando você vai ver seu criador, fica abismado com a quantidade de barracos que o cara entre e o ódio rolando solto. Ou seja, não dá muito pra levantar bandeiras pra amar ou odiar algo por causa de seus criadores né?

Aqui o humor é bem esculachado mesmo, e apresentando o dia a dia das "garotas", em como elas tem que fingir constantemente que são o que não são. Por dentro são machões violentos, que falam palavrões e estão prontos para entrar na porrada com qualquer um. Mas por fora tem que ser garotinhas sensíveis e fofinhas.

É apresentado toda a rotina, desde o produtor que é colocado para orientá-las a agirem de certas maneiras e o que não podem falar, até programas de rádio e TV que colocam elas para falar com o público ou irem até certos lugares para passarem o tempo e aumentar a sua popularidade. Porém cada coisa é mais esculachada que a outra.

Por exemplo, elas tem que lidar com o público predominantemente masculino e completamente tarado que tem atitudes estranhas, como em um episódio que elas estão conversando individualmente com cada fã e um deles leva a cueca da sorte dele e diz que a garota vai ter que olhar pra ela por cinco minutos e assim ele fica falando "Nossa, ela tá olhando mesmo! Aii que vergonha! Eu acho que vou me cagar!".

Não apenas as protagonistas se destacam, como alguns personagens de suporte como o chefe da Yakuza, que senta a cacetada neles com um porrete se cometem qualquer erro e é absurdamente rígido. Se o produtor fala algo como "Elas parecem não estar sentindo a coisa", ele já olha e pergunta "Ah, elas não estão sentindo é? Não querem sentir não? NÃO QUEREM SENTIR NADA NUNCA MAIS NÃO?".

Eu assisti dublado em português e gostei demais, achei muito engraçado, tem algumas coisas aportuguesadas que tacam, mas acho que foi no nível certo e acabou caindo muito bem. Sei que nem todo mundo gosta e tem quem prefira aparecer um texto explicando a piada, mas acho que isso quebra muito. São coisas do tipo "Rá! Caiu na pegadinha do malandro! iéié!".

Quanto ao visual, tenho que voltar a falar do Detroit Metal City, porque é simplesmente idêntico, eu inclusive cheguei a pensar "Pode ser que o criador não seja o mesmo, mas o estúdio com certeza é!", porém não... No entanto aquelas mesmas expressões exageradas dos personagens gritando e manias em geral estão lá, parece o mesmo universo.

Enfim, Back Street Girls Gokudolls é um anime muito gostoso para se assistir com um amigo, acho que vale demais usar o Netflix Party e chamar alguém para dar uma conferida no nível de bagaceira presente. Algumas coisas podem ser meio incômodas para aqueles que se sentem desconfortáveis com certos vocabulários como "Ei, não cortaram tua benga?!", mas pra quem não tá nem aí, pode ser só diversão.

Comentários