Monster Hunter: World | Cace monstros em uma ilha misteriosa!

Quem não gosta de Dinossauros, né? E Monster Hunter World apresenta algo que a princípio pode ser naturalmente atraente para fãs, uma ilha misteriosa com diversas criaturas semelhantes a dinossauros que devem ser caçadas e capturadas vivas ou mortas. Apesar de tudo é um jogo que é notável que o potencial poderia ter sido bem mais aproveitado.


A história apresenta um grupo de caçadores que é enviado para uma ilha para investigar o motivo da migração de uma espécie de tempos em tempos e como isso afeta a civilização. E para isso terão que trabalhar em equipe, entrando em zonas desconhecidas cheia de vida selvagem, minério e vegetação que pode ser coletada.

Eu nunca tive a oportunidade de jogar nenhum Monster Hunter antes, mas sabia que era uma franquia enorme e  vários títulos foram lançados antes desse. Além do mais chamou a atenção por ser o primeiro jogo da Capcom que conseguiu vender mais do que Resident Evil 5, jogo lançado quase uma década antes.

Inicialmente foi lançado apenas para consoles no início de 2018 e em agosto veio a versão de PC, que mesmo com o preço bastante alto, foi um sucesso imediato em vendas fazendo o povo correr atrás de promoções para obter uma cópia mais barata. Inclusive na pré-venda o negócio já vendeu feito água e nem preciso falar que a expectativa foi imensa né?

Tiver a oportunidade de experimentar e apesar de ainda não ter entrado em contato, bateu aquela emoção de jogar o jogo que todos estavam falando tanto. E o que eu imaginava é que seria algo no estilo Conan Exiles, em que você é colocado em um gigantesco mundo aberto e enquanto vaga por ele, acaba achando rastros de animais que pode ou não decidir ir atrás para então localizar e lutar contra criaturas enormes.

Ou seja, a minha visão era que seria um survival mesmo, em que você sente a emoção da caça mesmo, algo tipo Carnivores ou theHunter: Primal, só que ainda melhor, afinal de contas trata-se de um jogo caro triplo A que foi lançado depois de vários outros da franquia e teve muitos anos para evoluir bastante a fórmula.

Eu adoro os jogos da Capcom, sei que a empresa já cometeu deslizes com DLC's e cobranças absurdas. Mas no geral sempre achei os jogos dela de qualidade, sou apaixonadíssimo pela franquia Resident Evil e tive muitas surpresas com jogos dela em geral e acho que ela acaba sendo injustiçada por deslizes do passado.

Infelizmente mesmo vendo de mente extremamente aberta o conteúdo publicado por ela, com Monster Hunter não consegui gostar como as pessoas gostaram. Porém percebo que uma maioria esmagadora adorou o jogo e as maiores críticas foram em relação a otimização e conexão com a internet. Ou seja, é improvável que minha opinião seja compatível com a da maioria que ler.

O jogo pode gerar uma boa diversão entre grupos de amigos, e isso definitivamente é algo essencial. Essa não é uma daquelas obras que você deve jogar sozinho, simplesmente não é inovadora o bastante. Sendo assim, se você tiver ao menos um amigo (de preferência pelo menos dois), podem sentir aquela emoção de um jogo coop. Agora se você for solitário, tem que gostar muito de apertar o botão de ataque seguidamente.

Antes dessa análise, eu joguei diversas vezes na live do Nerd Maldito no Twitch, e os que assistiram puderam ver ao vivo os problemas que o jogo apresentou e o quanto tentei realmente apreciar o que a jogabilidade tem a oferecer. Mas a cada live parece que aparecia um desafio novo e uma frustração a ser superada.

A primeira coisa foram as cinco horas de tutorial, na primeira live eu praticamente não parava de ler, a cada passo era um tutorial novo e foram três horas de live e o tutorial não acabou. Textos gigantescos falando de coisas mínimas "Cliquei aqui, vá ali, selecione tal, puxe pra tal lugar, daí faça isso, aperte aquilo!". Um detalhe é que muitos eram tutoriais de coisas que eu nem tinha capacidade de usar no momento, mas tinha um texto gigante.

Isso sem contar com a quantidade de texto inútil, coisas intuitivas, mas que li tudo pra depois não dar a desculpa que eu não sabia. Tipo em uma das primeiras missões que você começa e a personagem vem falar algo que parece estar lá só pra encher linguiça, porque  é muita coisa tosca mesmo, tipo "É preciso concluir o objetivo pra concluir a missão!". Aqui um exemplo do tamanho dos textos e como tava minha frustração:

O real objetivo do jogo não é caçar monstros...

Todos os NPC's tem que falar um tutorial!



Informações muito importantes e relevantes!



A segunda live teve duas horas de duração e os tutoriais não acabaram, e quando chegou na terceira eu decidi que só não ia ler mais nada mesmo e deixar pra lá. E aí chegou a hora de enfrentar um novo desafio... A quantidade interminável de bugs relacionadas a quedas absurdas de FPS (tipo 2fps) e problemas online de ter que reiniciar o jogo.

Aliás, iniciar o jogo já era um inferno, te obrigando nativamente a entrar em modo big picture pra ficar mais pesado do que já é e se eu mexesse no hub... Ah meu amigo... Que peninha né? Era erro atrás de erro, o jogo não iniciava, teve uma das lives que foram uns quarenta minutos com eu tentando abrir o jogo.

O problema de conexão é que do nada vinha um erro que você tava desconectado e ia mudar pro modo offline, o problema é que o único jeito de mudar pro modo online de novo era sair e entrar de novo e aí encarar o erro de inicialização. Esse aliás foi o maior problema do jogo segundo o povo que fez review negativa na steam, porque a maioria tava ali pra jogar online com a galera.

As quedas de fps o povo estava associando ao DRM Denuvo, não sei dizer, sei que tava um inferno, quedas cabulosas demais e isso também variava da forma que eu iniciava o jogo, se no menu caísse abaixo d e 30fps, eu já sabia que podia reiniciar porque quando entrasse no jogo, estaria injogável a coisa.

Acho que existe uma confusão entre design e qualidade gráfica, design é o quanto é interessante o visual da coisa, a qualidade gráfica é o quanto é realista a coisa. Muitos estão falando que o gráfico do jogo é maravilhoso, coisa que não concordo de jeito nenhum (Eu sei, nas screenshots parece tudo lindo e maravilhoso!). Infelizmente é muito fácil se aproximar de uma árvore e ao invés de você vê uma textura de madeira, ver um borrão marrom, sendo óbvio que a coisa é em baixíssima definição.

Por outro lado o design do jogo é maravilhoso, a movimentação a a naturalidade das roupas e visual em geral é fantástica. Realmente parece que é um universo que foi feito com uma certa harmonia, lembra o estilo de JRPG's clássicos como Final Fantasy, onde as armaduras e armas tem um estilo bastante peculiar.

Eu adorei os monstros, são misturas de criaturas que existem de verdade, mas que no fim das contas sempre acabam parecendo dinossauros. Se você é fã de Jurassic Park e coisas do tipo, realmente vai se sentir em casa passeando, os ambientes são extremamente robustos e cheio de coisas, com animais, vegetação, insetos, quedas d'água e muito mais.

A movimentação dos inimigos foi uma das coisas que mais me encantou no jogo, ver uma criatura enorme dando um salto e caindo do seu lado é lindo. O combate entre dois inimigos então é maravilhoso de se ver, super natural. E até detalhes pequenos como ficarem feridos e fugirem mancando é  algo que faz parecerem criaturas realmente vivas.

O "mundo aberto" do jogo é praticamente um papo furado. Na real é uma fase, você tem a base em que mexe no ferreiro, vai à cantina, pega missões, e etc. E então escolhe o desafio, entra, aí tem uma área grande mas não tão grande, rapidamente chega de uma ponta a outra, e não é aberta de verdade, cheia de paredes invisíveis e no fim são um monte de corredores que te levam a pequenos espaços mais largos em que normalmente se ocorre a luta.

Depois que você matar o inimigo da área, volta pra base, melhora suas armas e parte pra outra missão. As missões variam muito pouco, como proteger uma caravana ou roubar ovos, mas no geral sempre acabam envolvendo pancadaria contra um monstro e que no fim das contas bate aquele climinha de arcade.

Rastrear os inimigos é seguir os "guialumes" que são vagalumes muito bonitos que te guiam e aí se você achar pegadas, deve coletá-las e com uma quantidade suficiente, descobre onde o monstro está no mapa. O problema é que você pode só sair correndo atrás dos guialumes e apertando loucamente o botão de coletar, até chegar no monstro e a sensação de rastreamento vai pro ralo já que o personagem nem se abaixa, só vai pegando.

Ao encontrar o monstro você tem que apertar o botão de bater até ele correr pra outro ponto do mapa, você vai atrás e faz o mesmo até ele correr pra outro ponto e faz isso até ele morrer. Sozinho isso é extremamente cansativo, já online gera uma certa diversão por estar com outras pessoas, mas é uma fórmula tão simplória que pra quem espera um survival é difícil engolir.

Você também pode coletar recursos nos mapas e usar eles para fazer novas fórmulas melhorando sua armadura e armas. Isso gera um pouco mais de exploração e é a única coisa que achei que varia mesmo, com amigos pode ser bem divertido entrar em uma sessão exclusiva pra localizar certos recursos, mas no fim se limitam a fazer isso pra melhorar armas e no fim caçar monstros dando ataques mais fortes.

Enfim, esse é um jogo que vejo que a maioria gostou muito, mas que infelizmente não consegui engolir. Jogar com amigos pode ser algo divertido, porém a fórmula de bater até matar, evoluir e bater em outro monstro até matar é bem menos do que eu esperava. Mas como a maioria gostou, realmente recomendo você dar uma olhada pois a possibilidade de se apaixonar é bem menor do que a de odiar. Recomendo sempre dar uma olhadinha no preço dele na Greenman Gaming antes de comprar na steam, algumas vezes os preços deles estão bem abaixo do normal, e sempre lembre de olhar os cupons de desconto que eles espalham pelo site, que deixa a coisa mais barata ainda, dê uma conferida aqui.

Comentários