Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Firestarter - Uma obra biopunk de Stephen King

Atualmente estou assistindo muitos filmes antigos, especialmente os dos anos 80 e chegou a vez de Firestarter, ou Chamas da Vingança como foi nomeado no Brasil. Esse filme é baseado em uma das várias obras do mestre Stephen King, o livro de 1980 "A Incendiária". Essa adaptação para filme foi lançada em 1984 e a recepção não foi das melhores, apesar disso eu gostei bastante do filme.

Não tenho ideia de quando conheci Firestarter, mas sei que faz muito tempo. É daqueles filmes que você sempre vê uma cena ou outra, tem ideia do nome, mas nunca foi atrás. Comigo foi exatamente isso, e o filme só se fixou mesmo na minha mente em 2011 quando comecei a escrever Eu sou Deus e fui atrás do termo "pirocinese". Foi uma surpresa descobrir que o Stephen King que popularizou e talvez tenha até mesmo inventado esse termo.


Mas somente agora decidi assistir de verdade a coisa e também foi uma imensa surpresa a história. Isso porque pelas fotos da garotinha com o cabelo arrepiado e as chamas rolando soltas, sempre imaginei que a trama seria algo do tipo "A menininha malvada que inferniza a vida de umas pessoas com suas habilidades paranormais". Mas ao invés disso é uma obra puramente biopunk e por essa eu não esperava.

A trama apresenta uma experiência que é feita em dez pessoas, apenas um casal sobrevive e ganham habilidades psíquicas. Os dois tem uma filha e passam a ser vigiados, a garota não demora muito para demonstrar que tem a habilidade de atear fogo nas coisas com a mente. Porém quando descobrem o potencial da menina, o governo assassina a mãe e passa a perseguir pai e filha.

Uma curiosidade sobre o livro "A Incendiária" é que ele foi criticado demais na época do lançamento. Falaram que era uma obra sem originalidade e não passava de uma cópia de Carrie A estranha. Eu tinha lido sobre isso antes de ver o filme, e quando fui ver, pensei que seria uma experiência semelhante demais, porém não. Acho que a essência das obras são bem diferentes na maior parte do tempo.

Esse é um filme que tem aquele toque científico fortíssimo, existe um climinha perturbador constante que obras biopunk costumam provocar. Aquela sensação de não ter controle sobre o próprio corpo e de que a qualquer momento algo muito terrível pode acontecer. Além da constante perseguição para que os personagens sejam usados como cobaias. Mas não tem como negar que realmente tem uns detalhes que lembram muito Carrie, especialmente a sensação de imensa dor.

Achei curioso como esse filme te faz entender o ponto de vista do governo, pois temem que o poder dela seja fora de controle. Com 8 anos pode atear fogo, mas assim como ela tem que se concentrar pra começar, tem que se concentrar pra parar. Um cientista faz uma observação assustadora, ele diz que talvez na adolescência ela possa causar uma explosão nuclear e na fase adulta possa partir o mundo em dois. Isso te faz pensar, seria mesmo uma maldade matar aquela garotinha fofa? Ela é boazinha, mas e quando uma pessoa amada morrer? E quando o namorado se separar dela?

Os efeitos do filme também são interessantes pra caramba, você nota bem a limitação tecnológica da época, o que podia fazer com que decidissem se limitar. Mas você vê o tempo todo o fogo se materializando em coisas e pessoas. Quando chega NA CENA, ela dura mais de 5 minutos com bolas de fogo, gente em chamas, veículos explodindo e mais. 

Algo curioso é que esse filme seria dirigido por John Carpenter, no entanto assim que ele lançou O Enigma de Outro Mundo e foi um fracasso comercial, o substituíram rapidinho. Outro detalhe é que a garotinha de 8 anos é ninguém menos do que a Drew Barrymore! Ela tinha se destacado anteriormente em "ET - O Extra Terrestre" de 1982, aí ganhou esse papel de protagonista em Firestarter, fazendo uma atuação mirim espetacular.

Enfim, não é um filme inacreditavelmente bom, mas é uma obra bastante decente. Um ótimo exemplo de biopunk e não entendo qual é a frecura das pessoas em relação a ele. Me deixou bem mais entretido do que clássicos como Tubarão ou A Hora do Pesadelo por exemplo. Sendo assim, com certeza recomendo!


2 comentários:

André Ibanez disse...

Oi,me lembrei desse filme quando assisti stranger things, outro filme tbm com telecinese é the fury de Brian De Palma que tbm dirigiu Carrie,ótimo blog Sky!!!!!!!

Iscai NM disse...

Obrigado! *-*