Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

terça-feira, 14 de junho de 2016

Wicked City - Não faltam coisas grotescas nesse anime

A estética em anime é algo que sem sombra de dúvidas me atrai demais! E isso é referente a dois pontos, o primeiro é o traço, animes com visuais fofinhos demais tem tendência a me desanimar, pode até ser bom, mas é preconceito a primeira vista. O segundo ponto é a ousadia visual da coisa e isso pode ser tanto em relação à "fotografia" da coisa, quanto à estética. E normalmente coisas bem bizarras me atraem bastante em anime pois parece ser algo um bocado ousado.




Sendo assim quando vi pela primeira vez uma imagem de Wicked City, não teve como não ficar empolgado! Era simplesmente algo macabro demais a um nível que eu tinha visto em poucos animes como Genocyber e o mais do que bizarro Ninja Scroll. Assim, existem bizarrices em animes, mas parece que há um padrão, e Wicked City é uma das obras que a coisa parece ir além na estética e criar algo realmente desagradável de se ver que poucos autores como por exemplo o Junji Ito são capazes de fazer.

Não assisti de imediato, acabei decidindo esperar para um momento certo em que eu estivesse afim de assistir algo do tipo, e quando esse momento finalmente chegou, fui correndo dar uma conferida na coisa. Mas assumo que foi uma verdadeira decepção e a parte atraente acabou se mantendo mesmo somente na estética da coisa, o que é estranho porque normalmente quem faz visuais ousados também tem histórias no mínimo interessantes, só que aqui a coisa é mais pro padrãozinho...
A trama é baseada em um livro publicado pelo autor Hideyuki Kikuchi, o anime foi lançado em 1987 e a história não é no futuro como pensei, mas sim algo mais ou menos naquele ano mesmo. E fala sobre o mundo dos demônios existir mas ser algo secreto, porém finalmente um tratado de paz será feito e as coisas vão melhorar. Naturalmente boa parte dos demônios não querem isso e passam a fazer ataques terroristas contra os responsáveis e assim uma agência chamada de Black Guard é enviada para cuidar disso.

Visualmente o negócio é super bizarro, meio pornô também, então é aquele tipo de obra que não é pra assistir com determinadas pessoas porque os gemidos são altos viu... '-'. E os personagens se deformam, existe uma animação muito boa em relação ao grotesco da coisa embora o cuidado não seja lá grandes coisas quanto ao resto.

Já o desenvolvimento da história é uma verdadeira vergonha alheia, tem até o poder do amor no anime, dá pra acreditar em uma bagaceira dessas? Eu esperava um anime sombrio de verdade, mas aqui temos o super agente que dá pulos gigantescos e tem um coração puro indo contra todos para salvar uma pobre donzela em perigo, argh! Tem até o velhinho tarado e aparece uma musiquinha boba nas cenas dele bem ao estilo "Gente, esse é o momento engraçado da história! Ele é muito trapalhão!".

Enfim, eu nem sei o que dizer quando a essa tranqueira, chega a ser paradoxal a coisa pois capricharam tão bem em colocar coisas repugnantes, mas isso dentro de um anime tão clichêzinho chega a ser cansativo. A parte boa é que é um filme né? Então é menos de uma hora e meia pra dar uma conferida, sendo assim fica a sua escolha se vale a pena, não dá pra eu recomendar ou dizer que não recomendo porque ele tem seus pontos positivos e negativos como baita contraste.


4 comentários:

Rian disse...

Isso me lembra o bom e velho A lenda do Demônio

Saitama - sama disse...

Realmente, esses animes fofinhos (que são chamados de moe) em sua maioria são uma porcaria. Mas tem uns animes com visual assim que são perturbadores e sérios para caralho. Como Elfen Lied, Higurashi, School Days (esse mais por causa do final), Madoka Magica (esse parece ser um anime de garotas mágicas no começo. Mas o autor é o mesmo do Fate/Zero, então dá merda, claro) e Gakkou Gurashi.

Aliás, uma curiosidade: Gakkou Gurashi é de uma empresa chamada Nitro+, que é do Gen Urobuchi, autor de Fate/Zero e Madoka Magica. Essa empresa também lançou umas visual novels bem famosas como Steins;Gate (que é de ficção científica sobre viagem no tempo, nada moe. Inclusive, essa tem uma adaptação em anime) e Saya no Uta (que é bem perturbadora e lovecraftiana... [SPOILERS] a Saya parece um Shoggoth. O_O)

Unknown disse...

Eu gostaria de recomendar um anime que assisti recentemente que se chama Aku no Hana (As flores do mal), ele me lembrou bastante esses curtas de terror japoneses, sem contar que tem um toque muito sombrio e realista, sem essas frescuras que normalmente se encontra em animes.

Skywalkerpg disse...

Que curioso, esse tava na minha lista há anos mas eu tinha até esquecido, fui procurar agora que você indicou e lembrei uahahaha. Obrigado. =)