Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Enter the Gungeon - Tiro na cara é o que não falta aqui!

Você gosta de curtir um roguelike? Mas quer algo com ainda mais adrenalina? Então que tal um roguelike híbrido com bullet hell? É exatamente isso que você está imaginando, uma masmorra lotada de inimigos e armadilhas com uma quantidade completamente absurda de tiros voando para todo lado e você tendo não apenas que enfrentar as ameaças, mas ficar constantemente atento nas balas se movimentando.


A história apresenta uma arma única graças a não ser algo padrão usado meramente para matar alguém, mas para matar um elemento do passado. Isso permite com que qualquer um que queira alterar algo possa "assassinar" uma parte do passado. Mas essa arma está escondida na perigosíssima Gungeon, e diversos aventureiros com motivações variadas decidem entrar no lugar para modificar algo.

Para quem é um caos em inglês, o nome desse jogo usa um trocadilho com a palavra Gun (Arma) e Dungeon (Masmorra). E isso não acontece apenas em relação ao lugar, mas o jogo por completo tem trocadilhos com a palavra ARMA, sendo assim o próprio visual de muitos dos personagens são de coisas como balas. Então é um jogo completamente temático, o que me fez lembrar de imediato do fantástico Crypt of the NecroDancer.

E outro jogo que me lembrou mais pela temática foi o Tower of Guns que também é algo bastante baseado em armas e é um roguelike, ou seja também uma alternativa de algo lotado de armadilhas que é gerado aleatoriamente e não dá para saber o que espera a seguir. Mas aqui é como se fosse uma versão 2D fofa com personalidade própria da essência transmitida em Tower of Guns.

Primeiro você tem que escolher um entre as opções de aventureiros disponíveis, são os Gungeoneers, cada um com certos equipamentos próprios para serem usados, temos o soldado, o piloto, a caçadora e a condenada. Cada jogador escolhe o que achar melhor para a aventura, com a opção de multiplayer local isso é bem legal.

A movimentação do personagem é uma das coisas mais incríveis, não é apenas um jogo fofo de andar e atirar, é aquele tipo que você se sente em um filme de ação, e não são apenas pelas armas com efeitos variados e as balas voando pra todo lado. Aqui você pode (E deve) saltar para chegar a certos lugares, desviar de balas e passar por armadilhas, isso faz com que rolem sequencias bem emocionantes e sincronizadas.

Outra coisa muito legal é o fato de que os ambientes são destrutíveis e é lotado de coisas que vão se estraçalhar no meio do tiroteio, seja porque alguém atirou neles (balas de inimigos também quebram coisas) ou porque alguém pulou neles e se estraçalharam. Além disso ainda existe a possibilidade de virar mesas e usar como abrigo para evitar tomar tiros.

As armas vão sendo encontradas enquanto você vaga pelos lugares, é algo realmente bem aleatório e assim é possível pegar uma arma muito fantástica já no começo do jogo e fazer um estrago. Mas é preciso lembrar que aqui o negócio é um roguelike, então as coisas podem rapidamente ir embora se você não se cuida.

Os gráficos pixelizados são uma fofura, os personagens tem um design realmente muito bonito, tanto os heróis quanto os bandidos. Até os chefes que tem um estilo mais malvado acabam sendo bem fofinhos no final das contas. Além disso ainda são acompanhados com animações fantásticas e dá gosto de se ver. Se seus olhos brilham com fofuras no estilo dos bonecos Funko Pop, vai amar!

Enfim, tá em clima de jogar algo muito fofinho? Mas quer também ação e diversas possibilidades interessantes que vão liberar muita adrenalina no seu corpo? Pois Enter the Gungeon realmente é um jogo que pode levantar ânimos. Vale a pena dar uma conferida no site da G2A, pois lá eles costumam vender keys da steam por um valor bem mais barato que na própria steam e ainda aceitam boleto bancário. Dê uma conferida aqui.


Um comentário:

Weslley Martins disse...

eu baixei esse jogo realmente é muito bom é muito viciante