Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Parasite Eve | O filme que se passa antes do jogo de PS1

Parasite Eve é um jogo que se tornou uma obra cult do Playstation 1, um daqueles jogos que não é tão famoso como o épico Final Fantasy VII, o agitadíssimo Castlevania Symphony of the Night ou mesmo o assustador Silent Hill. Mesmo assim é uma obra que tem uma base de fãs, daquelas que ao mesmo tempo que se é normal ver gente que conhece, também tem aqueles que jamais ouviram falar. No entanto uma coisa que nem todo mundo sabe, é que o universo dos jogos da franquia vai além dos video games, e hoje vou falar sobre o filme Parasite Eve.

Eu devo ter assistido esse filme pela primeira vez lá por 2003, e achei uma desgraça! Isso porque lembro de tê-lo encontrado por acaso, fiquei encantadíssimo e esperando uma adaptação do jogo. De quebra o filme não tinha legendas em português e o meu inglês era terrível, sobrando assim o espanhol que eu fazia curso há um ano. O resultado foi uma péssima experiência de duas horas em um filme que eu não tava entendendo nada, e que não parecia nem um pouco com o jogo.

Muitos anos depois, decidi novamente assistir o filme, mas antes dei uma pesquisadinha e foi então que eu entendi direito a coisa. Parasite Eve é um livro japonês do autor Hideaki Sena, e foi lançado em 1995. A coisa foi tão interessante que em apenas dois anos já saiu um filme baseado nesse livro, e esse é o Parasite Eve que assisti. O jogo por sua vez, veio um ano após o filme, em 1998 e não tem ligação na sua produção com o filme, a Square Soft o fez baseado no livro, e que ainda assim é uma sequencia dele.

Mas aí é que fica interessante a coisa, pois o filme é uma adaptação mesmo do livro, funcionando assim como prólogo também! Sendo assim, para aqueles que jogaram Parasite Eve, ou aqueles pretendem jogar, pode ser uma ótima ideia dar uma assistida no filme antes de começar, fazendo com que o universo fique muito mais profundo.

Então fui assistir novamente, e não é que a coisa é bem interessante? Um filme de ficção japonesa com algumas surpresas muito interessantes. Eu comecei com um certo preconceito e acredito que por isso na primeira uma hora achei cansativo, porém com a movimentação na história que o longa metragem assume a partir da segunda hora, realmente achei bem empolgante a coisa.

A história gira entorno de uma teoria sobre mitocôndrias, portanto vale a pena antes de assistir, dar uma olhadinha em algum resumo rápido sobre o assunto. Nela mostra um cientista que perde a mulher em um acidente de carro, e que começa a cultivar as células dela, mantendo-as vivas. Ele fica obcecado com a ideia de que ela não morreu, pois cada célula é um pequeno pedaço dela. Suas experiências fazem com que as células comecem a crescer e se replicar rapidamente.

O filme é realmente muito interessante, vez ou outra tem um clima meio trash, mas algo que é da época, afinal de contas trata-se de uma obra de 1997 não é? Mas em geral, se você perdoar certas coisas, é um filme realmente estiloso. A história se conecta e vai formando um quadro, tudo é interessante pra caramba. Em alguns momentos me peguei pensando "Caramba! Eu nem imaginava isso!".

Enfim, esse não é um filme no estilo do jogo, mas é uma forma realmente modesta de dar uma introdução, existe sim algo envolvendo biologia e pessoas pegando fogo, mas ironicamente não tão cinematográfico quanto o jogo. Adorei também ver um pouco do Japão daquela época, me deu uma sensação semelhante à que tive assistindo o bizarríssimo Tomie. Essa bagaça não tem trailer não, então recomendo ver só 1 minuto do vídeo aí em baixo pra evitar spoilers:

2 comentários:

Pablo Henricky disse...

Muito ruim esse filme fica só para caráter de citação mesmo, tem horas que eu lhe considero um guerreiro por assistir tanta coisa ruim.

Skywalkerpg disse...

Uahahahha, bom na primeira vez eu achei o filme uma verdadeira desgraça, e pensei que acharia tão ruim quanto na segunda, que só vi pra escrever essa matéria. Mas realmente gostei muito, talvez por saber que era um prólogo e que a partir do fim dele começara o jogo Parasite Eve.