Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

domingo, 14 de junho de 2015

Hatred - Um jogo ultra-violento e polêmico ao extremo!

Tem alguns jogos que devem deixar fanáticos como o Jack Thompson mais frenéticos que os maníacos da ultra violência em si. E esse é bem o caso de Hatred, um jogo onde a matança é parte de sua própria essência. O jogo é quase a reencenação do estereótipo dos jogos ultra violentos capazes de deixarem pais chocados, e que a mídia fica louca na hora de escolher a cena mais brutal pra por em uma matéria falando que jogos são fábricas de assassinos. Sabem do que estou falando não é? Jogos como o insano Shadow Warrior, porém aqui a coisa vai além.

A história é bem direto ao ponto, apresentando um cara no estilo roqueirão no estilo Brütal Legend, só que sem nada de toque fofinho, com uma cara de malvado mesmo, cabelão enorme caindo na cara e sobretudo. A cena inicial é ele em uma garagem pegando uma penca de armas narrando a trama que é algo do tipo "O meu nome não é importante, o importante é o que estou prestes a fazer, eu odeio a porra desse mundo inteiro e os vermes humanos que vivem nele. Mas hoje eu vou ter minha vingança! Além disso eu sempre quis morrer violentamente, mas eu vou levar o máximo de gente que eu puder comigo!".



Já deu pra ter noção da violência do bagulho não é? A história em si é inexistente, pois essa trama é claramente uma desculpa para um jogo ultra violento sem sentido. E eu realmente não consigo lembrar de um outro jogo nesse estilo a não ser o polêmico Super Columbine Massacre RPG, que causou uma treta louca na época de seu lançamento.

Basicamente o jogo é no mesmo estilo do divertidíssimo Alien Shooter, no entanto é como se fosse a experiência ao contrário. Ou seja, ao invés de ser uma pessoa lutando contra hordas imensas de aliens, aqui você é exatamente o vilão da coisa e vai atrás das pessoas para matar todo mundo, atirando, metendo a faca, chutando, jogando granadas, e cometendo execuções nos que caem no chão.
O jogo varia entre fases abertas como bairros, e ambientes fechados como esgotos. É preciso fazer a "purificação", algo que para quem acabou de assistir Uma Noite de Crime: Anarquia, certamente vai ser uma baita de uma simulação da bagaceira apresentada ali. Você pode invadir casas, roubar carros, perseguir pessoas.

Tive uma sensação de conto noturno sombrio, onde você controla um psicopata, mas é um jogo que certamente me tirou boas risadas, pois é meio zuada demais a coisa, esse negócio de matar todo mundo sem sentido é um tanto exagerado demais. Para algumas pessoas definitivamente é chocante, até porque existe o botão de execução de pessoas caídas.

Uma coisa fantástica, é que nas áreas com casas, você chega do nada e a reação das pessoas é de desespero, começam a correr gritando coisas como "Ele tem uma arma!", "Ele vai matar todo mundo!". E você ouve o rádio da polícia, viaturas chegam e as vezes até a SWAT.

Me sinto um tanto sádico escrevendo sobre esse jogo, mas realmente a diversão dele é o assassinato louco. E as missões são sempre a purificação de um certo número de pessoas. Mas se você andar pelo lugar, pode achar missões alternativas como "Mate todo mundo do hotel", "Purifique a delegacia de polícia inteira" ou "Cause um acidente de trem". É hilário em algumas partes encontrar coisas do tipo uma casa com festinha no estilo adolescente e jogar uma granada pela janela. Como tudo é destrutível, com bombas você pode mandar paredes inteiras pros ares e então entrar atirando.
O gráfico é bastante escuro, o que destaca ainda mais aquele clima que falei de conto noturno, tudo é meio preto e branco. Lembra um pouco o estilo de Sin City, porém especialmente quando se tem explosões, as coisas ganham cores por um momento. O jogo usa visão isométrica, o que me diverte, mas sinceramente eu gostaria muito mais que a coisa fosse com visão nas costas do personagem, até porque durante as execuções a câmera muda e você percebe que é tudo feito de forma muito detalhada e seria possível esse tipo de câmera.

Enfim, Hatred é um jogo que considero perfeito para se fazer gameplays e tacar na internet, porque é impossível não fazer muitos comentários em cima do nível de bizarrices que aparecem. Definitivamente recomendo para quem gosta de obras super violentas. Vale a pena dar uma conferida no site da G2A pra ver o preço que está lá, pois eles costumam vender keys da steam por um valor bem mais barato que na própria steam e ainda aceitam boleto bancário. Dê uma conferida no preço que tá lá, clicando aqui.

Um comentário:

New El disse...

Mais um ótimo post Sky, eu já tinha visto o vídeo do Zangado jogando este jogo, acho que este é um jogo que os criadores só querem criar uma polêmica. E a semelhança com Postal(o primeiro) então nem se fala,mas visualmente é um belo jogo...