The Last Hero of Nostalgaia | Paródia de Dark Souls surpreende e tem até modo coop!

Todo mundo sabe o amor que Dark Souls despertou nas pessoas (ou seria ódio?). E naturalmente isso fez com que diversos jogos do gênero soulslike passassem a existir e tentar inovar de sua própria maneira. Alguns dando muito errado, outros conseguindo criar o seu próprio grupo de fãs. Então me surpreendeu demorar tanto pra chegar um jogo como "The Last Hero of Nostalgaia", que não busca inovar, mas sim criar uma sátira do jogo da FromSoftware.

A história se passa no fabuloso reino de Nostalgaia, o mundo dos videogames, com gráficos fabulosos em 3D! No entanto, um grande mal está caindo sobre o lugar, e as criaturas tridimensionais estão sendo transformadas em seres 2D! Alguns corrompidos completamente, outro conseguindo resistir. Você assume o papel de um herói que foi tão pixelizado que virou um boneco de palito em pixels, mas ainda consegue se equipar e armar com itens 3D e por isso parte em uma jornada para tentar deter esse mal.
Nós já vimos diversos soulslikes com suas personalidades próprias. Seja The Surge 2, que se passa no futuro, em um universo cyberpunk, Hollow Knight, que usa um ambiente 2D adorável e com visual tão peculiar, ou Chronos: Before Ashes, em que cada vez que o seu personagem morre, ele fica mais velho até que uma hora morre.

Independente de qual jogo seja, é notável que eles tentam sempre se afastar de Dark Souls para tentar mostrar sua personalidade própria. Mesmo Mortal Shell, que é visualmente tão parecido e passa uma essência tão forte, tenta ter sua própria personalidade ao usar mecânicas completamente próprias de combate.
Em "The Last Hero of Nostalgaia"  a coisa não é bem assim e é notável que rolou uma dedicação da equipe para criar uma mecânica IDÊNTICA. Toda a movimentação do personagem, incluindo o jeito de caminhar, detalhes peculiares como a apunhalada pelas costas, menus e o mapeamento de controle são exatamente os mesmos! Alguém poderia facilmente achar que é um mod de Dark Souls.
 
Se você estiver por fora, é basicamente aquela coisa de andar e matar criaturas pra ganhar pontos de experiência até conseguir achar um ponto de descanso onde poderá evoluir seu personagem. Mas se você morrer, toda a sua experiência não gasta cai no chão e você vai ter que ir lá pegar de volta e se morrer de novo, essa experiência some do chão.
Então o que temos aqui é uma experiência mais esculhambada, com um personagem muito estranho e situações esquisitas. A coisa já começa na criação de personagem, em que você pode personalizar o visual dele. No entanto, como se trata de um boneco de palito, não importa o que você escolha, seu personagem sempre vai parecer igual.

Se você jogou Dark Souls antes, vai saber tudo o que precisa saber rapidamente e sentir uma familiaridade total. Então é fácil olhar para um lugar e saber que vai ter uma armadilha ali, que tem um cara escondido atrás de um pilar ou que  um tesouro pode estar discretamente posicionado em um cantinho.
 
Um narrador cínico está presente, e em partes chaves da aventura, ele sempre surge para dar detalhes sobre a jornada do herói. O jogo também conta com dublagem de vários personagens, então você vai encontrando gente estranha enquanto vaga por aí, seja o que parece ser um antigo mago, seja um ferreiro ou mesmo alguém escondido em uma casa, sem se revelar, mas que conversa com você.

Apesar de Dark Souls ser o principal, o jogo faz homenagem a vários outros jogos, como por exemplo uma versão medieval da armadura do Master Chief de Halo, ou uma espada que exige que você ofereça um sacrifício em almas antes de conseguir revelar seus segredos, e ao utilizá-la, você vê que parece demais com o visual da Soul Reaver.
O visual acaba tendo o seu charme próprio. Embora tenha algumas coisas realmente esquisitas, como portas com placas explicando que ali é exclusivo para NPCs ou um cantinho cheio de itens em neon como se fosse um barzinho underground, o jogo ainda consegue ter um certo ar épico, com estátuas grandiosas e lutas contra chefes poderosos.
 
Por incrível que pareça, os caras também adicionaram um multiplayer cooperativo. Não é algo tão elegante quanto em Dark Souls, mas mostra o esforço deles em fazer a coisa. Nele, você e o amigo precisam estar na mesma área para que um possa invocar o outro e assim ambos se ajudam enquanto vagam por Nostalgaia.
Enfim, tá aí um jogo que foi uma bela surpresa. Por um lado eu sabia que tinha algo de Dark Souls nele, mas eu imaginava que seria uma mistureba bem maior e não tão focada em soulslike. Caso queira comprar jogos baratinhos, recomendo sempre dar uma olhadinha no preços das keys da Steam (e outras lojas) à venda na GMG, muitas vezes os preços deles estão bem abaixo do normal, e comprando keys lá, você acumula XP, que gera várias vantagens como descontos extras nas próximas compras e até jogos grátis! Dê uma conferida aqui.

Postar um comentário

0 Comentários