Re:Legend | Uma mistura de Pokémon e jogo da fazendinha cooperativo!

Esse é um daqueles jogos extremamente híbridos que pode tanto fazer uma pessoa ir à loucura com a quantidade de possibilidades e variação de gameplay, até exatamente o contrário e com a quantidade de elementos, a pessoa acabar se sentindo meio sufocada por estar jogando algo que dificulta o foco em determinados elementos. Mas de qualquer forma é um jogo que é interessante em seu conceito geral.

A história se passa em uma pequena cidade costeira que fica isolada em uma ilha, a Vila Vokka, onde o seu personagem acaba indo parar sem querer e é encontrado na praia. Ao receber atendimento médico, acorda lembrando apenas do nome, mas sem saber exatamente o que aconteceu. Logo acaba se estabelecendo e começando uma nova vida de aventuras no lugar.
Assumo que não fui atrás desse jogo, pois parecia ser complexo demais e eu estava com um pouco de preguiça de aprender mecânicas novas. Talvez esse acabe sendo um problema para algumas pessoas também, pois assumo que o conceito geral me atraiu e não me importo com muitas mecânicas, mas aprender é o que me espanta. Porém as mecânicas acabaram se mostrando razoavelmente tranquilas de s e pegar.
 
Bom, é um pouco difícil dizer o gênero dominante, mas talvez o mais forte no geral em que esse jogo se encaixa é o de sobrevivência, já que te coloca para vagar pelo lugar, coletar recursos e criar suas próprias plantações, ao mesmo tempo em que vai conseguindo mais e mais coisas, isso inclui as criaturinhas que vivem nos arredores da vila, que você precisa derrotar e capturar para então usá-las a seu favor.
Já de início o jogo apresenta elementos de RPG de forma escrachada, colocando algumas aventuras para você escolher se vai ou não ajudar. Coisas como "Uma garota desapareceu, você vai ajudar?", e assim partir para os arredores da cidade em busca da tal menina. É tudo em um clima bem suave para todas as idade, mas ainda assim dá pra notar que são elementos clássicos de RPG mesmo.

Eu não achei o mapa nem um pouco intuitivo e acho que é mais fácil decorar os locais do que usar ele pra se orientar. E olha que são dois mapas, um geral, que mostra onde você está e os nomes dos ambientes, e um "mini" mapa, que você pode ativar ou desativar em tempo real e assim fica na frente da tela pra você ter uma ideia.

O problema é que enquanto o mapa grande não mostra as coisas detalhadas, mas apenas a sua posição na cidade e os nomes apenas dos principais locais, o mapa pequeno apresenta apenas a silhueta e as extremidades que conectam os cenários. Só que mais de uma vez eu me peguei entrando e indo parar em um local que não queria e fiquei andando em círculos, indo e voltando.

Outra coisa não muito agradável é que o jogo é um tanto pesado para o visual dele. Embora o meu PC aguente bem, quando joguei em live, a coisa não tava das melhores não... Ficava travando. Então pessoas com os computadores modestos podem acabar suando na hora de jogar. E a falta de otimização fica evidente justamente nos mapas conectados. É loading o tempo todo... Com um visual desses eu esperava que fosse um mundo livre pra andar, mas são várias pequenas áreas conectadas.
Você também logo vai ter que lidar com o sistema de administração de inventário, com todo aquele visual clássico que inclui a área em que você coloca itens, a parte que aparece o seu personagem e você equipa peças de armaduras e armas para poder confrontar inimigos, e a área de atalhos de itens consumíveis que tem os slots do tipo 1, 2, 3, 4 e tanto conhecemos de jogos como Diablo.

Essa é uma mecânica bastante frequente, então você vai conseguir itens das mais variadas formas, indo desde aventuras em que você vai achar as coisas, até indo mais direto ao ponto e adquirindo novos em uma loja da cidade. Naturalmente você tem um inventário com espaço limitado e é preciso saber o que você precisa e o que não é útil. Assim você vai progredindo, se desfazendo do que não é necessário e utilizando os itens adequados para cada situação.

Um diferencial desse jogo em relação à maioria de clones de Pokémon, é que por mais que alguns tentem apresentar uma história mais madura, como Nexomon: Extintion, eles continuam a seguir o padrão de que as lutas serão feitas exclusivamente entre as criaturinhas capturadas. E bom... Aqui a coisa é diferente e alguns podem estranhar muito, pois você entrar no cacete com as criaturas!

Sendo assim, foi adicionado diretamente o elemento Action RPG no jogo. Você equipa suas armas, escolhe seu estilo de luta e entra na pancadaria com os seres que encontrar por aí. Se você sempre quis jogar um jogo desses em que é possível usar uma espada ou um cajado para confrontar os inimigos, pois bem... Isso está presente nesse aqui!
Em relação ao elemento Pokémon da coisa, nós temos as criaturas conhecidas como Magnus, que também são usadas de uma forma curiosa. Eles não são apenas os seus companheiros para combates, mas também sua montaria e um tipo de Tamagotchi. Eu noto que rolou um esforço para levar a coisa realmente além.

A forma que você captura eles é jogando comida para o Magnus e enquanto ele se distrai, você se aproxima e pula em cima dele. Então é iniciado um mini game no estilo touro mecânico em que é preciso conseguir manter a direção certa enquanto ele salta descontroladamente até que finalmente você consiga domá-lo.

É muito mais rápido se mover pelo mundo que você você estiver usando um Magnus, e como o jogo conta com um sistema de tempo que o personagem perde energia assim que entra na madrugada, é algo que se torna especialmente importante, já que te poupará muito tempo quando estiver montado, além de obviamente ser melhor chegar rápido nos lugares.

Também é possível aumentar a afeição com o seu Magnus, e assim dá pra você mimá-lo, alimentando com as comidas favoritas e também fazendo carinho. Os bichinhos também vão ficando cada vez mais forte na medida em que você os usa, subindo de nível e chegando a um ponto em que podem até mesmo evoluir.
Por fim existe a parte da administração de colheitas, que é o típico jogo da fazendinha. Você pode posicionar quadradinhos para fazer plantações que podem ser tanto do lado de fora da água, quanto plantações subaquáticas. E assim você vai melhorando a coisa para fazer um belo de um plantio de destaque, sempre tendo que cuidar bem, é claro.

Também existe algo semelhante em relação à criação de peixe. Enquanto você tem o sistema de pescaria, em que pode pegar uma vara de pescar e ir para o mar passar um tempo tentando pescar algo, ele não é focado meramente nisso de pegar, comer e acabar. Você pode pegar os peixes que conseguir e cuidar deles para que fiquem ainda maiores!

Essas duas formas de "plantações" exigem que você fique cuidando, permitindo que você vá até uma loja comprar coisas para melhorar e com toda a combinação de outras mecânicas do jogo, você pode se sentir um verdadeiro fazendeiro cuidando do seu negócio. Certamente é um dos aspectos que mais vai atrair um determinado público.

O jogo ainda conta com um modo cooperativo, sendo assim você pode chamar os seus amigos para formarem grupos de até quatro pessoas e juntos podem sair pela ilha para se aventurar, seja em combates, seja se dividindo para cuidarem juntos da fazenda. É uma opção que pode ser interessante para quem quiser descobrir juntos.

Enfim, Re:Legend é um jogo que acredito que possa dividir o público. É algo que por um lado dá pra encantar com a quantidade monstra de mecânicas. Por outro lado, essa quantidade pode ser exatamente o que assusta alguns jogadores, porque é fácil ver que alguns não vão conseguir ligados a nenhuma das mecânicas por ter muitas presentes. Recomendo sempre dar uma olhadinha no preço dele na Nuuvem antes de comprar na loja direta, algumas vezes os preços deles estão bem abaixo do normal, e sempre lembre de olhar os cupons de desconto que eles espalham pelo site, que deixa a coisa mais barata ainda, dê uma conferida aqui.

Postar um comentário

0 Comentários