Agente Oculto | O filme mais caro da história da Netflix também conta com Wagner Moura

Eu fui assistir Agente Oculto (The Gray Man) na base da curiosidade, pois filmes de ação no geral não me impressionam ou causam aquela vontade de ver só pra passar o tempo. No entanto, fiquei encabulado com a ousadia da Netflix em ter decidido investir em um filme de mais de 200 milhões de dólares que não iria para os cinemas em geral (só selecionados), mas sim direto na plataforma. E assim, foi curiosidade o suficiente para querer dar uma olhada.

A  história é sobre a CIA decidindo analisar perfis de criminosos com penas altíssimas e lhes oferecendo treinamento para cumprirem missões internacionais de assassinato. Dessa forma são criado os "Sierras", que são chamados de "Agentes Ocultos", pois se acontecer algum problema, eles não vão ser ligados à coisa. E entre eles está Sierra Seis, que ao se enviado para matar um alvo, descobre que ele é o Sierra Quatro e tem um chip criptografado com as informações que o fizeram se tornar o novo alvo.
Eu descobri só enquanto assistia que esse filme foi feito pelos Irmãos Joe Russo e Anthony Russo, que fizeram Vingadores Ultimato, e se tornaram extremamente desejados na indústria de ação. Sendo assim, é notável a base da aposta que a Netflix fez, contratando dois grandes da indústria, chamando um elenco lotado de rostos conhecidos e investindo pesado em locações e efeitos especiais.

Como não quis pesquisar sobre o filme, vi apenas imagens aleatórias, pensei que se passava em um mundo cyberpunk, com o preço altíssimo, somado ao visual deslumbrante. Mas realmente não é, apenas algo muito urbano. É até engraçado imaginar que a coisa realmente poderia ser Cyberpunk, parecendo estar a um passo, já que é forte a presença de gente vestida de forma estilosa, com hackers, mercenários e espionagem.
Apesar de tudo, apenas usaram tudo o que o mundo moderno tem a oferecer e colocaram variedade em locais do mundo. Então o filme passa muito aquela sensação de viagem, indo desde grandiosas comemorações em Bangkok, na Tailândia, cheia de fogos de artifício e um clima noturno elegante incrível, até uma gigantesca cena de ação em alta velocidade através de Praga, na República Tcheca, destruindo a cidade com o tiroteio exagerado.

Para quem é fã desse climinha, de mundo moderno e cheio de possibilidades para viajar, certamente vai sentir um certo calor no coração ao ver a mudança tão frequente de ambientes enquanto o agente é caçado pela CIA. Para os fãs de obras como Splinter Cell e Hitman, acho que esse é bem o estilo de clima que passa, com muitas missões ao redor do mundo.
Da mesma forma o elenco é bem variado e chamaram um monte de famosos para participar, indo desde Chris Evans para encarnar o vilão Lloyd Hansen, até o nosso brasileiríssimo Wagner Moura, que assume o papel de um personagem muito esquisito chamado Laszlo Sosa, e com um visual tão peculiar que muitos podem nem reconhecer ele, como podem notar na imagem aí em cima.
 
Infelizmente, é um filme que não me impressionou. Ele é lindo, grandioso, tem cenas de ação fantásticas com destruições cabulosas. Existe uma técnica peculiar que fazem com a câmera (provavelmente em um drone), que dá um toque bem próprio da obra. Mas no geral, é um filme que parece visualmente lindo, porém vazio.
Agente Oculto simplesmente não tem nada que outro filme de ação não tenha. Todos os elementos básicos estão lá. Só que o grande problema é que todos eles são superficiais. Eu acredito que dá pra pegar uma história clichê e ser boa, criar aquela emoção real. Mas aqui, parece que temos um mistureba de tudo quanto é filme de ação, pegando só conceitos básicos e reutilizando.

Tem coisas como a tão conhecida e abusada ao extremo, cena do avião onde rola uma treta louca com tiroteio e pancadaria enquanto o veículo vai virando só o bagaço, até que o infeliz do protagonista acaba decidindo pular, coisa que não causa emoção alguma, já que obviamente o desgraçado não está em perigo e sobrevive (quem nunca, né?).
O protagonista é aquela coisa cafona, em que querem colocar a pessoa de mais puro coração possível, mas querem que ele tenha seus erros para mostrar que não é perfeito. Mas adivinha só? O erro dele é algo "bondoso", que o mandou para a cadeia. E assim acaba sendo mais um herói de filme de ação, o homem dos sonhos que todo mundo quer casar. "Ele é foda, ele é gatão, ele é bondoso!" Esquecível pra caramba!

Temos a gostosona que serve de apoio para o protagonista, sempre presente pra salvar a vida dele e mostrar que é fodona também, participando dos tiroteios e fazendo altas piruetas para espancar os vilões que vão aparecendo só pra morrer alguns segundos depois. E claro... fica o tempo todo aquele climinha de "Nossa, ela é gata! Ela é foda! Será que eles vão ficar no final?".
E claro, tem todas as cenas de ação clichê possíveis, mas acho que os irmãos russo tentaram inovar ao furar o personagem frequentemente. Só tem um porém... É como se não tivesse acontecido nada! Tem uma hora que o maluco toma uma punhalada bem no ombro, e parece que só esqueceram de colocar alguma reação de dor no cara. Atravessam a mão do desgraçado e não tem consequência nenhuma. 
 
É até bizarro porque outros personagens demonstram isso, tipo o vilão principal que fala que a água tá ardendo em seus ferimentos, ou um personagem que foi torturado e não consegue usar a mão porque arrancaram as unhas dele. Já o protagonista toma uns furos cabulosos e não dá em nada, mas sim... Também tem cenas milagrosas como uma em que tá preso a um banco de praça e várias equipes não acertam um tiro(que dá até pra perdoar por ser um filme de ação).
Existe mais de um vilão no filme, mas o vilão principal é TERRÍVEL, sinceramente... O cara simplesmente parece um perdido que só grita. Ele era pra supostamente ser o fodão, mas as decisões dele não fazem dizer "Uau, o cara fez mesmo!", é até bizarro, parece bem sem alma. E o combate final, sinceramente não tem nem sentido pra mim.

O diálogo tem umas falhas que eu acho que não deveriam ter. Tem uma hora que o vilão vai começar uma tortura, então segura as orelhas de um cara, começa a balançar e falar "Sabe isso que eu fiz com suas orelhas agora a pouco? Isso nem era tortura! Eu improvisei! E é assim que vai ser". Meu... Quem escreveu isso? Felizmente a maior composição do filme não é de tosqueiras desse nível, mas aparece com uma frequência razoável, fazendo parecer que o roteirista só não tinha ideia do que mais colocar.
E pra não dizer que estou só esculhambando de graça, é só ver outros filmes de orçamento monstro que deixaram sua marca de verdade. Tipo "A Origem" em 2010, que teve um orçamento de 160 milhões de dólares (que convertidos para 2022 dá mais ou menos isso). É de ação, é grandioso e mostrou uma personalidade completamente própria.

Mas se você acha injusto elementos de ficção científica, então vamos  outro filme que o próprio Ryan Gosling é protagonista e também tem todo um estilo urbano neon, envolvendo o submundo, tiroteio, perseguição com carros e com um orçamento de apenas 15 milhões de dólares. O filme "Drive" de 2011, uma verdadeira obra prima que marcou a história do cinema. E isso tudo sendo de baixo orçamento.
 
Enfim, eu sei que eu desci o cacete em "Agente Oculto", mas eu acho que ele é um filme legal pra passar o tempo. Creio que se você gosta de ação e explosões, certamente vai ver algo grandioso aqui. O problema mesmo é que com tanta grana investida, realmente dava pra ter feito algo que ia muito além do visual. E vocês, o que acharam?

Postar um comentário

0 Comentários