Disney foi atacada por conselho americano, por colocar a série "Demolidor" em seu catálogo

A Netflix conseguiu surpreender quando apresentou ao mundo a série Daredevil, isso porque abandonou completamente o estilo engraçadinho e puritano de obras da Marvel. Ao invés disso, optou por fazer algo extremamente sério, voltado para o público adulto, com a presença de violência desconfortante e temas sexuais. No entanto a vinda do Disney+ acabou com tudo, e mostrou que seria ainda mais complicado, tentar resgatar esse programa.

Assim que a Disney começou a falar sobre seu serviço de streaming, não demorou muito para que a Netflix resolvesse cancelar. Não se sabe exatamente o que rolou, se foi a própria Netflix que viu que não valia a pena ficar investindo ou se a Disney fez o esforço. O que se sabe é que muito provavelmente tem a ver com isso, visto que Demolidor era uma série super aclamada.

E tempos depois a Netflix acabou abrindo mão também dessa série e suas derivadas (Justiceiro, Jessica Jones, Luke Cage e Punho de Ferro) de seu catálogo, mesmo tendo sido ela que produziu e colocou o selo "Original Netflix". Tudo foi para o Disney+ e não demoraram para começar a falar sobre dar sequência a Demolidor, porém adequado para crianças de 13 anos. Mas antes de qualquer anúncio, algumas pessoas e organizações caíram em cima, como a "Parents Television Council" que logo se manifestou:
"Por mais de 98 anos, a Walt Disney Company tem sido sinônimo das palavras Family Friendly, e não consigo pensar em nenhuma outra corporação na história americana que tenha sido construída mais nas costas - e nas carteiras - de pais e famílias. A plataforma da empresa, Disney Plus, se comercializou por conta própria como um serviço de streaming para a família, e os pais confiaram na Disney para entregar exatamente isso."

"Parece muito fora do normal para a Disney adicionar uma série adulta em sua plataforma de streaming e repentinamente aumentar o valor das assinaturas. Então, o que vem a seguir? irão adicionar performances de strip-tease ao vivo ao Fantasyland no Disney World?"
 
Isso causou reações variadas, indo desde apoiadores, que concordaram em ser desnecessário adicionar algo tão violento só porque faz parte do universo Marvel, até os críticos que citaram a possibilidade de controle parental e usaram algumas obras antigas como argumento sobre a empresa não ser tão pura assim, como o desenho do Donald Nazista, que deu muito o que falar, e o curta-metragem "As Crianças de Hitler". Mas e vocês, o que acham?

Postar um comentário

0 Comentários