Amizade Desfeita 2 | Uma sequência que supera o primeiro filme

Quando assisti a "Amizade Desfeita", o que pensei é que era mais um daqueles filmes de baixo orçamento com uma história muito interessante que seria esquecido pela eternidade. Então imaginem a minha surpresa ao encontrar "Amizade Desfeita 2: Dark Web" pra assistir? E logicamente, o que pensei é que se tratava de uma daquelas sequências vagabundas. Se o primeiro já não era muito conhecido, então imagina uma sequência? Porém acabei me surpreendendo muito!

A história é sobre um rapaz chamado Matias O'Brien, que decide se apropriar de um notebook e vai participar de uma chamada no Skype com os amigos. Ele mente, dizendo que comprou, mas o dono entra em contato e se mostra uma pessoa extremamente perigosa. Logo todos os que estão na chamada se veem envolvidos em algo ameaçador.
O filme já começa apresentando uma construção interessante de personagens. Um dos maiores problemas de filmes de terror são os personagens genéricos sem profundidade alguma que poderiam perfeitamente ser apenas o Vítima 1, Vítima 2, Vítima 3, porque simplesmente não trabalharam em nada e não existe impacto algum.

Aqui temos Já de primeira o protagonista programando algo que vai ajudar sua namorada a se comunicar com outras pessoas porque ela é surda e é complicado se comunicar via voz pela internet, já que ele tem preguiça de fazer as aulas de libras pra conversar com ela. E isso já adiciona uma história a mais na coisa pra ser desenvolvida.
A dos outros não se aprofunda muito, mas ao menos existe algo, como o casal de lésbica e a aceitação da família, o amigo que está no exterior, portanto bem distante do que está acontecendo e também o rapaz que vive com a mãe e acaba tendo que dar satisfações a ela sobre o barulho ou qualquer coisa que aconteça.

No total, essas pequenas histórias acabam gerando algumas regras para cada personagem e situações próprias. Claro que a do protagonista se sobrepõe facilmente, mas ao menos já é alguma coisa ao invés de só "Oi eu sou o Josh e sou namorado da Tiffany" ou qualquer outra tosqueira nesse estilo que faz ser um total personagem descartável.
Eu tinha uma expectativa realmente muito baixa para a coisa porque realmente essas sequências de filmes que já são de baixo orçamento e ainda não se tem uma divulgação muito grande, costumam ser o verdadeiro bagaço. Sendo assim, não exigi nem um pouco e só esperava ser alguma coisa forçada, tentando se abraçar desesperadamente ao primeiro filme.

Mas curiosamente, a coisa fica bem interessante exatamente nesse laço com o primeiro filme. Aqui foi tomada uma medida ousada de não se usar ele como pré-requisito. Na verdade, dá pra ignorar completamente o primeiro filme. Isso pode ser bem complicado e causar problemas feios, mas aqui caiu muito bem mesmo.
Uma "mitologia" própria foi adicionada a esse universo. Eu sei que pode incomodar quem está completamente preso ao primeiro da franquia, mas se você assistir sem exigir aquilo, pode ver um filme semelhante, porém sem ligação. Talvez tenha sido exatamente a parte da semelhança que fez com que usassem o mesmo nome, pois poderia ser só um filme parecido. Quem sabe o medo de ser chamado de clone fez com que os produtores decidissem usar a mesma franquia.

A história é dividida em atos, então existe aquela parte inicial em que é focada no desenvolvimento, conhecimento dos personagens e tal. E aos poucos a coisa vai mudando e ficando cada vez mais interessante na medida em que novos detalhes vão sendo revelados e o medo começa a tomar conta, além de surgir aquele climinha intrigante.
Eu gostei muito da criatividade usada para as coisas irem se modificando. É um filme que tem algumas pequenas reviravoltas que dão um gostinho aos poucos sobre o mistério ali. E uma coisa que fiquei pensativo foi sobre como seria uma sequência de algo assim. Falo porque se mudaram tanto na continuação do primeiro, como seria o terceiro? Não podia ser só um clone ou teria que rolar uma criatividade ainda maior.

Para fãs de coisas como Watch Dogs Legion, certamente vão se sentir em casa na forma como usam a tecnologia de um jeito interessante aqui, apresentando as profundezas da internet e os locais mais bizarros, além dos fetiches esquisitos. A série de vídeos que acham no computador do protagonista com estranhezas mostram bem esse lado.

Enfim, "Unfriended: Dark Web" é um filme bem interessante. Não é o melhor filme de terror que já assisti, mas se encaixa bem naquele tipo de filme que tem sua dignidade e que rolou um esforço para se fazer algo diferenciado ao invés da mera fórmula fácil dos jovens sendo mortos em sequência e acabar sem explicar nada. Se você gosta de obrasque usam a tecnologia à favor do horror como o filme "Cam", certamente vai gostar. Recomendo pra assistir com um amigo.

Postar um comentário

0 Comentários