O escandaloso banimento da Blizzard da TGA 2021

É bastante comum ter barracos nas indústrias em gerais e com a indústria dos jogos se tornando uma fonte monstra de dinheiro e gerando muitos empregos, investidores e obviamente tudo quanto é tipo de subproduto de video games, vieram também os barracos e escândalos nela. E com a mudança do mundo, lutas sociais e popularização da internet. Esses escândalos se tornaram verdadeiros shows públicos com interação direta da audiência. Um exemplo foi a Blizzard o escandaloso chute que levou do evento que ela mesmo patrocinava, a The Game Awards.

A Activision Blizzard enfrentou uma série de polêmicas em 2021, relacionadas a casos de assédio, processos e a coisa realmente pegando fogo quando o Wall Street Journal lançou um artigo enorme com um verdadeiro dossiê sobre o CEO da empresa, Bobby Kotick, mostrando casos de assédio e até ameaças de morte indo desde funcionários a até mesmo advogados e isso resultou na revolta de seus próprios funcionários, que se juntaram para exigir a expulsão dele.
Apesar disso, a empresa ficou em maus lençóis, sem saber o que fazer e alegou não ter provas o suficiente porque muitas das acusações eram de casos de uma década. E os próprios acionistas começaram a se preocupar, também passando a fazer pressão para que o CEO saísse. Logo vieram também figuras famosas da indústria.

E com a proximidade do final do ano e a vinda do The Game Awards 2021, o produtor e apresentador do evento, Geoff Keighley, conversou com o jornal The Washington Post, em que explicou que ainda não sabia o que fazer sobre a participação da Blizzard na TGA. Ele não deu detalhes sobre as denúncias, apenas falou sobre "o caso espinhoso". O grande problema é que a editora era uma das principais parceiras e financiadoras da TGA).

Ele explicou que queria que aquele ambiente fosse apenas para focar nos jogos e apresentações relacionadas a trabalhos em geral, sem virar uma guerra política. E o resultado disso foi que usuários do twitter se revoltaram, dizendo que ele não estava sendo corajoso e era a oportunidade perfeita de usar algo tão grandioso para dar visibilidade e conscientizar sobre problemas de assédio em ambientes de trabalho. E após algumas horas, ele finalmente se manifestou, dizendo:
"Tirando as nomeações, eu posso confirmar que a Activision Blizzard não vai fazer parte do evento desse ano. O The Game Awards é um momento para celebrar a indústria de videogames, a maior forma de entretenimento do mundo. Não há espaço para abusos, assédio e práticas predatórias em nenhuma empresa ou comunidade. 
 
Também percebo que temos uma ótima plataforma que pode acelerar e inspirar mudanças. Estamos empenhados em fazer isso, mas todos devemos trabalhar juntos para construir um local de trabalho melhor e mais inclusivo para que todos possam se sentir seguros enquanto criam os melhores jogos do mundo."

Problemas no mundo do desenvolvimento gamer ficaram mais sérios e visíveis com o crescimento da indústria. Se aparecem alguns barracos simplesmente bizarros como o desenvolvedor de Mineirinho xingando um reviewer ou aquele já clássico barraco entre criadores de Diablo, os casos mais pesados começaram a ficar cada vez mais frequentes e coisas que antes eram visto apenas como besteirinhas de escritório se tornaram públicas e faladas para todos os lados. E vocês, o que acharam disso?


Postar um comentário

0 Comentários