O disquete de Earthbound restaurado 26 anos depois

No universo dos video games nunca se sabe quando algo vai virar um clássico, obra prima ou algo do tipo, no entanto levando em consideração a quantidade de pérolas que existem na loja da Nintendo, já se sabe que os jogos da empresa no mínimo merecem algum tipo de atenção. E enquanto isso, diversos clássicos são explorados até a última gota e não podia ser diferente com Mother 2. Um exemplo é o disquete que ficou 26 anos parado até finalmente em 2021, conseguirem restaurar o conteúdo perdido ali.

Mother 2: Giygas' Counterattack foi lançado originalmente em 1994 e assim como diversos jogos japoneses da era pré-internet, a desenvolvedora achou melhor investir logo na versão mais atual para ser lançada no Ocidente como se fosse a primeira e simplesmente ignorar a obra original. E assim o jogo chegou no resto do mundo com o nome de Earthbound.
O tradutor Marcus Lindblom foi responsável pela adaptação para inglês em 1995, no entanto após concluir o serviço, ele pegou o disquete sem utilidade e resolveu reaproveitar com alguma outra coisa. Dessa maneira, gravou um pequeno arquivo de texto. E em meio a várias outras velharias tecnológicas, ele se perdeu.

Em 2018, ele acabou achando e sabendo como o mundo evoluiu nesse tempo e videogames passaram a ser adorados, notou que ali tinha ouro. Já vimos muito isso antes, seja no jogo de SNES do Akira ou aquela completamente inusitada versão de game boy de Resident Evil. Levando em consideração que Mother foi um jogo que caiu na boca do povo após a internet dominar o mundo, não podia ser diferente o interesse.
 
E assim ele tentou recuperar os arquivos originais ali presentes, no entanto como já era um disquete velho demais, mesmo com apenas um arquivo TXT tendo sido colocado lá, os programas de restauração não conseguiram ler. Assim, Lindblom resolveu doar o item para o Video Game History Foundation (VGHF). E com muito trabalho, a instituição recuperou!
 

As descobertas foram de cenas cortadas do jogo, como uma NPC que fala para as crianças na praia: “Na Praia Carillion, há uma moça chamada Jill que faz massagens bem interessantes. Aparentemente, eles até fazem você ter bons sonhos. Sonhos realmente bons, sabe? Não parece ótimo?”. E que obviamente dá pra notar o tom de safadeza na coisa, portanto saiu.
Nessa versão também existem comentários do desenvolvedor Shigesato Itoi, que são colocados como se estivessem conversando com o jogador e explicando detalhes sobre como foi a produção. No entanto esses detalhes comentavam também sobre o primeiro jogo da franquia e provavelmente foram cortados para não deixar o público norte americano confuso, já que pensavam que aquele era o primeiro.

Certos cortes ou mudanças não parecem ter tanto sentido, como em um momento em que o jogador come um bolo mágico e tem alucinações, e na versão do disquete o que acontece é que o jogador recebe uma mensagem com óleo na praia. Também tem uma luta contra um NPC que se diz o homem mais fraco de Twoson, mas que vai dar um couro na criançada e no final toma porrada.
E assim mais uma relíquia esquecida foi restaurada. Me pergunto o tanto de coisas que não devem estar por aí. Esse é um dos motivos da importância dos emuladores, pois enquanto muitas empresas começaram a oferecer retrocompatibilidade, trazer jogos de volta e etc, há coisas que simplesmente jamais veriam a luz do dia.

Enfim, já jogaram algum jogo da franquia? Rolou uma grande popularidade de Mother durante a época de estouro das creepypastas e sendo um jogo cheio de coisinhas escondidas e significados ocultos, ainda mais não lançado por completo no Ocidente, foi um verdadeiro prato cheio para as pessoas especularem coisas realmente macabras. É bem o tipo de jogo que faz gente comprar um Super Nintendo só pra explorar a obra.

Postar um comentário

0 Comentários