Os Demônios de Dorothy Mills | Uma verdadeira pérola do suspense

Eu tava afim de assistir um filme de terror com um amigo meu, mas não estava afim de pensar muito, então pedi pra ele escolher qualquer bosta, e é claro que um filme chamado "Os Demônios de Dorothy Mills" parece ser mais uma tosqueira sobre uma menina possessa pelo capeta e todo tipo de clichê roubado descaradamente do livro O Exorcismo, como acontece há décadas. Bom... A verdade é que eu me lasquei, pois era uma baita de uma obra elegante que eu não estava preparado pra assistir.

A história se passa em uma pequena ilha isolada na Europa, onde vive uma comunidade religiosa que é chocada pelo acontecimento de algo extremamente bizarro. Uma família chega à sua casa, onde deixou a jovem Dorothy Mills, de apenas 15 anos cuidando de seu bebê. Mas se surpreendem ao verem a garota torturando seu filho e se divertindo. A psiquiatra, Jane Morton, é então enviada para investigar o assunto e se depara com um aparente caso de esquizofrenia, com vozes e atitudes completamente diferentes saindo da boca da garota. Porém a comunidade tem uma visão diferente da coisa.

Ele é um filme irlando-francês e por isso dá pra notar de imediato que tem um toque bem peculiar, se passando em uma cidadezinha beira-mar à moda antiga que me lembrou demais o visual da cidade de Pathologic 2, com toda uma cultura local, crenças, medos e a reação das pessoas em relação ao que está acontecendo. É uma cidade de segredos que vão muito além do que aconteceu com a garota. A ambientação em uma ilha também lembra a atmosfera de Draugen.

Eu achei impressionante como o filme passa a sensação de muitíssimo mais grandioso do que é. Tem apenas 1h37m (disponível no Prime Video), mas deixam tão robusto o lugar, que você sente que é algo muito maior, muito cheio de pequenos detalhes e que sinceramente daria uma ótima série, pois seria bom demais explorarem aquele pequeno lugar ao invés de usarem um tempo tão curto, pois se conseguiram fazer algo tão robusto assim, imagino o quão não seria imersivo se tivessem tempo para trabalhar melhor os pontos de vista.

Existem elementos bizarros no lugar que é difícil não pensar em Twin Peaks e realmente é um nível sinistro de esquisitice que foge muito dos filmes padrões de menina possessa pelo capeta. Enquanto apresentam os personagens que vivem na cidade, você vai vendo coisas que têm aquele contraste forte demais, porém encantam ao invés de parecerem toscos. Como a velha cega extremamente estranha de aparência bem frágil que em uma cena aparece tocando guitarra.
Outro filme que senti uma certa essência da coisa, ainda mais em relação aos flashbacks e perturbações que alguns personagens têm, é Alucinações do Passado, nesse caso a coisa é mais para o clima pesado e aquele horror, aquela dor de algo que aconteceu e continua machucando. O passado de vários personagens é apresentado, incluindo o da própria psiquiatra que também tem as suas próprias dores, e em destaque é colocado a perda do filho.

E claro, não posso deixar de citar Fragmentado, que aliás me faz pensar se o Shyamalan não usou esse filme como fonte de inspiração. Isso porque quando Dorothy muda de personalidade, não vemos o demônio padrão, que só fica gritando e se contorcendo, vemos uma mudança total na personagem, a voz, o jeito de agir, a idade, o sexo. Realmente a atriz passa a interpretar outra pessoa. E essa é uma das coisas que mais confundem, pois se por um lado parece perfeitamente científico, por outro tem elementos que parecem muito sobrenaturais.

Enfim, baita pérolazinha que eu certamente não assistiria e foi na base da sorte. Gostei demais, acho que valeu muito o tempo e pra quem estiver procurando um filme com toque sombrio, mas não tão sombrio assim e uma ótima história, esse aqui certamente tem o seu charme próprio e pode dar uma boa satisfação. Com certeza recomendo!

Postar um comentário

0 Comentários