Dono da steam é contra os haters da Epic Games

Todo mundo notou o quanto a Epic Games cresceu de forma tão repentina. Muita gente a odiou desde o começo e existem inúmeras críticas em cima e uma quantidade enorme de haters. No entanto o que os haters talvez não esperassem é que o próprio Gabe Newell (dono da Valve), declarou que não é à favor desse modo de agir.

A Epic acabou crescendo muito especialmente pela quantidade de jogos grátis que passou a dar, que encantou muita gente por grande parte serem jogos com notas muito positivas ou Triplo A. E naturalmente isso só deixou os haters mais irados. Críticas das mais variadas foram se acumulando com o tempo, algumas deixadas de lado, outras surgindo. Algumas pessoas pegando os jogos grátis, mas dizendo que é um lixo, outras dizendo que nunca vão pegar esmola e se venderem. Críticas a elementos que faltam na loja, críticas à compra de exclusividade, e assim vai.

A steam por outro lado sempre ficou super calada em relação a isso, ela só observou acontecer, mas sem fazer nada, inclusive teve o lance do dia que a steam xingou a Epic usando o Google, que gera bastante discussão se foi ou não real, já que embora falem que foi um xingamento vindo de uma review, o texto de xingamento estava ligado à página inicial. E em uma Edge Magazine, o nosso amado Gaben se manifestou o que acha disso:

"Competição em lojas de jogos é algo fantástico para todo mundo. Ela nos mantém honestos, faz com que todos sejam honestos"

"Mas é feio à curto prazo. Você fica tipo 'Argh, eles estão gritando, eles estão fazendo com que pareçamos malvados.' mas à longo prazo, todo mundo se beneficia da disciplina e consideração que você tem que ter com o seu negócio, com pessoas vindo e te desafiando."

"Nós ficamos muito mais nervosos não pela competição, mas pelas pessoas tentando impedir a competição. Se você nos perguntar o que é mais assustador, são pessoas caindo de amores pelo modelo da Apple de controlar tudo e ter burocratas sem rosto que impedem seu produto de entrar no mercado se eles não o quiserem ele lá, ou desenvolver uma loja de uma maneira que minimize o valor agregado aos software em relação à experiência e coisas desse tipo."

Sinceramente não me impressionou muito a forma dele ver, pois em outras ocasiões ele já se mostrou muito compreensivo na forma de ver as coisas. Certa vez ele comentou sobre a pirataria, que não condenava e que as pessoas apenas queriam jogar, assim como sua visão de que a forma de parar a pirataria era oferecendo um serviço superior. Então acho que é bem o estilo dele mesmo não querer ser tão grande que vai matar qualquer concorrência menor que ameace a coisa, mas sim levar como incentivo pra ficar ainda melhor.

Ao meu ver, em meio a todo esse barraco e inúmeros argumentos, acho que o que falta mesmo é honestidade das pessoas consigo mesmas. Quero dizer, sim, todos os argumentos são bem válidos, itens que faltam na loja, o medo de terem dados vendidos, a compra de exclusividade e diversas outras coisas. Mas tem um detalhe que acho que faz tudo isso cair por água abaixo e mostrar que o verdadeiro motivo não tem nada a ver  com os argumentos que as pessoas gritam tanto, e esse detalhe se chama GOG.

As pessoas gritam que só não usam a Epic Games por isso e por aquilo, mas a Uplay e Origin sempre estiveram lá também e ninguém nunca deu bola. Seria o que a Epic iria ser se usasse o mesmo padrão de negócios, mais uma loja de jogos que as pessoas só abrem quando não tem outro jeito, porque no geral deixam lá eternamente. Mas ela usou uma forma agressiva e conseguiu se destacar e crescer como nenhuma das outras que ficaram anos.

E aí as pessoas aparecem super puristas dizendo que só não apoiam porque é uma empresa malvada, que no PC não pode ter essa putaria de exclusividade, que não é console... Que não usam por causa dos preços, porque não tem busca, porque não tem fórum, porque não tem um monte de coisa, mas que se tivesse, aí sim usariam. Mas convenhamos, iriam usar mesmo? Qual a chance? Sejam sinceros vai!

Olha o GOG, loja maravilhosa, simples, baita carinho pelo cliente, tem jogos com coisas exclusivas, jogos que aparecem primeiro por lá antes de ir pra steam, versões de jogos antigos adaptadas para rodarem facilmente em PC's modernos, tem um launcher com lista de amigos, conquistas, etc... Mas você só deixa ele aberto se quiser! Se não quiser pode jogar. E... Quem é que tá no GOG? Quem é que vê promoções lá e vai correndo comprar porque tá mais barato? São raras as pessoas que realmente fazem isso.

Como disse, acho que o que falta é honestidade das pessoas, pois o que realmente não gostam é... Não é a steam! As pessoas querem ter todos os jogos em uma loja só, esse é o motivo real e é por isso que nenhuma das outras foi pra frente. O que irrita é o medo de de repente ter listas divididas, não ter tudo em um único lugar. Essa é a verdadeira irritação em relação à Epic, de repente apareceu uma loja que atraiu tanta gente, que gerou a possibilidade real de não se ter um jogo na steam.

Talvez eu não me importe tanto porque na minha época nem launcher tinha, era CD e precisava por a bagaça do CD pra cada santo jogo que fosse jogar. A área de trabalho precisava ficar cheia de ícones de jogos ou criar uma pasta kkkkk. Então abrir um launcher diferente é bem tranquilo ao meu ver. Seria sim legal todos na steam, mas não me incomoda dessa forma e acho realmente bem saudável, pois obriga  outras empresas a se moverem e convenhamos que antes da Epic, a steam tinha se aconchegado, desistiu de seus jogos, a steam sales antes era super diferenciada, e só voltou a ter elementos próprios "coincidentemente" depois da Epic aparecer na jogada e de repente Half Life Alyx foi anunciado depois de mais de uma década uma palavra em relação à franquia.

Postar um comentário

0 Comentários