Everreach | Jogo de ficção científica e tiroteio à moda antiga

Eu vi muita gente batendo os olhos em Everreach: Project Eden e comparando com Mass Effect, no entanto me impressionou não compararem com Starcraft Ghost, esse sim eu achei absurdamente semelhante (até demais pra falar a verdade). Isso foi exatamente o que me fez querer jogar, pois a mecânica em si não foi tão apaixonante. Apesar de tudo, acredito que fãs de Ficção Espacial em geral podem também se atrair imediatamente.

Você assume o papel de Nora Harwood, que faz parte de uma divisão  de segurança da Everrreach, empresa que faz esforços para colonizar Marte, no entanto ao chegar no lugar, logo percebe que algo aconteceu, pois sua nave é atacada, dividido sua equipe. Mesmo sobrevivendo à queda, logo se vê diante de um ataque de drones e até mesmo humanos.

Antes de tudo, já saiba que esse é um jogo no estilo old school. Então esse é um detalhe que pode servir tanto como atrativo quanto como ser o que fará alguns correrem. No meu caso, me agradou a ideia. Gosto de alguns jogos mais simples de vez em quando e parecia um bom passatempo a ideia de uma mecânica mais tradicional.

O jogo tem alguns pequenos elementos de RPG, o que foi uma surpresa, pois o que eu esperava era apenas o tiroteio sem fim. Mas há uma pausa entre as fases e você pode falar com membros e até fazer algumas escolhas. Não é um elemento muito profundo, porém dá um toque especial à coisa. Não sei se todos vão gostar, pois poderiam ser apenas cutscenes, mas achei elegante essa pausa antes da próxima missão.

Apesar de tudo, no geral o jogo era o que eu imaginava. Você anda e atira nos inimigos, as missões não são completamente lineares por serem em mapas abertos em que você tem que fazer certas coisas em determinados pontos, porém no geral ao terminar o último, você destrava o ponto de extração e os objetivos se resumem a matar inimigos.

Uma coisa que varia e que achei bacana a ideia, foi colocar uma moto voadora que você usa tanto para chegar rapidamente a certos pontos quanto para fugir de uma área enquanto inimigos aparecem e a explosão rola solta. É também um item que acaba dando um charme peculiar, apesar de você não ter liberdade pra entrar e sair quando quiser.

Nos mapas existem algumas coisas alternativas, então você pode dar uma explorada para coletar recursos ou ir direto ao ponto. Se decidir explorar, você é recompensado, pois com determinados tipos de materiais, você melhora sua personagem, indo desde da mais dano até maior velocidade em uma árvore com mais de 80 melhorias. Ao passar de nível você também pode melhorar os atributos da personagem.

Acredito que se for comparar com algum jogo clássico, Advent Rising acaba sendo o mais semelhante, com essa ideia de exploração espacial e alguns poderes. Mas tem vários outros jogos que acabam se encaixando bem como "mesmo gênero", tipo Jedi Outcast, Second Sight e Shade. No entanto infelizmente acho que acabou sendo não tão polido.

O negócio é, eu acho bacana demais alguns jogos que usam mecânicas à moda antiga, no entanto tem como fazer algo depois da era de ouro dos jogos de aventura 3D e ainda assim dar um toque diferenciado. É só ver algumas obras que vieram depois, tipo Divinia Chronicles e Son of Nor, que você consegue sentir bem que são jogos no estilo antigo, mas que ainda assim adicionaram um toque especial à coisa.

Everreach talvez fosse inesquecível se fosse lançado em 2005 pra baixo, no entanto não acho que seria colocado ao lado dos jogos mais polidos da época (como citei), mas os com problemas bem evidentes, tipo Dirge of Cerberus, que as pessoas amam, lembram com muito carinho, mas era cheio de parede invisível e limitação pra todo lado.

Aqui o maior problema não é o cenário, mas sim os controles. Inicialmente usei um controle de xbox one, e a configuração é ótima, bem apropriada. O problema é que quando percebi que leva uns dez segundos pra fazer uma volta completa com a câmera, mesmo com a sensibilidade no máximo, notei que era melhor ir pro mouse e teclado.

No mouse e teclado o problema foi outro, usar a moto era insuportável e se a câmera virasse pra trás sem querer, era adeus. Ou seja... Comecei a variar entre os comandos, se era a moto, eu pegava o controle, se era a personagem, eu pegava o mouse e teclado. Algo simplesmente bizarro demais e um tanto cansativo.

Mas nesse quesito até que tudo bem, já que a troca não era tão frequente, o maior problema mesmo é que exatamente a mecânica principal do jogo, a mira. Não existe sensação satisfatória de impacto, você mira, atira, vê uma barrinha com a vida do inimigo descendo, mas parece que é um grande ponto flutuante que você não está mirando de verdade.

Para terem uma ideia, eu ficava completamente atrás de obstáculos, mas como a câmera é daquelas meio laterais introduzidas em Resident Evil 4, eu ainda podia ver o inimigo e a mira podia ficar nele, porém se eu atirasse, ele tomava dano. Ou seja, existe muito a sensação de que você está jogando algo na base da gambiarra.

Os gráficos variam entre "simples, mas legais" e "muito bacana". Tem alguns momentos que os efeitos de luz e ambientação exótica são realmente maravilhosos combinados e inclusive teve uma das primeiras fases que eu até me espantei quando entrei, pois parecia outro jogo, de tão bonito que estava a coisa.

O problema do gráfico é o mesmo que vemos em jogos como Vampyr. É lindo, mas é estático demais, então você vê tudo como se fosse uma grande escultura, paradão ali e isso acaba sendo um baita de um ponto negativo, pois apesar de não ser um gráfico ultra realista de títulos Triplo A, é sim um gráfico charmoso demais, porém sem movimento algum isso acaba desvalorizando a coisa.

Apesar da dublagem não ser maravilhosa, ela também não é um horror. A narrativa agradável acaba salvando bastante e tornando tudo mais suave. Alguns momentos são bastante hilários, como a protagonista terminando um objetivo e o robô comentando que ela é muito boa em matar e perguntando se ela entrou nessa divisão pra matar gente.

Enfim, Everreach é um jogo que precisava de um pouco mais de polidez. Ele pode ser muito divertido se você abrir BASTANTE a sua mente pra jogar com pensamento de que é um jogo antigo. Mas se procura por controles bem sólidos, a experiência pode não agradar tanto. Recomendo sempre dar uma olhadinha no preço dele na Greenman Gaming antes de comprar na loja direta, algumas vezes os preços deles estão bem abaixo do normal, e sempre lembre de olhar os cupons de desconto que eles espalham pelo site, que deixa a coisa mais barata ainda, dê uma conferida aqui.

Postar um comentário

0 Comentários