Night Lights | Climinha noturno e puzzles brilhantes

Esse é um daqueles jogos que misturam o simples e complexo e faz a galera que gosta de forçar a mente pirar com a proposta, já que é algo que está direcionado para a resolução de puzzles que muitas vezes são um tanto difíceis, mas usando uma mecânica diferenciada que vez ou outra aparece um jogo mais ou menos do gênero.


A história apresenta uma noite calma que é interrompida pela repentina queda de um meteoro. Isso faz com que as luzes da cidade fiquem instáveis e um misterioso efeito surja à partir delas, que passam a ser capazes não apenas de iluminar, mas também de atravessar matéria. Com o estrondo, um robozinho desperta para investigar.

Como podem ver, a história é bastante básica e é notável que o foco aqui realmente é na jogabilidade. A sensação que tive é que o autor se inspirou pela ideia de que no escuro não podemos ver algo que está ali e usou essa ideia ao contrário, fazendo algo que pode ser visto na silhueta simplesmente desaparecer com a iluminação.

Mas esse é um daqueles jogos de plataforma que usam mecânicas diferenciadas, tipo Gris, Constant C, Treeker e Tamashii. Ou seja, é um ambiente de plataforma, porém você usa mecânicas peculiares que distorcem o mundo de alguma maneira para atravessar pelos lugares. E no caso, esse aqui tem o foco em puzzles feitos com luz e sombras.

As luzes de algumas coisas da cidade ainda funcionam, algumas estão acesas e só precisam ser movidas, como holofotes, outras precisam ser ativadas e desativadas, por exemplo um aparelho de TV, ou uma alavanca que ativa um poste em algum lugar. Cada fonte de luz tem sua limitação de distância e dependendo do lugar onde baterem, podem fazer ele desmarializar.

Por exemplo, se você pega um elevador e ele começa a subir, mas no meio do caminho passar por uma luz acesa, ele vai desaparecer e você vai cair. E assim é preciso arrumar uma forma de passar. Talvez você tenha que momentaneamente pular em outra plataforma, talvez tenha que apontar a luz pra outro lado, ou talvez desligá-la de vez.

Algo bacana que achei em relação à evolução, é que nesse tipo de jogo é bem comum serem apresentadas câmaras com desafios, ou fases fechadas. E aqui a coisa é um pouco diferente, pois você vê os desafios, mas muitas vezes não consegue nem alcançá-los, e assim deve seguir em frente, e quando menos espera, volta pra aquele ambiente, porém entrando por uma porta diferente.

A sensação é um pouco semelhante ao gênero metroidvania, embora não se classifique como algo desse tipo, mas é bem legal ver que as "câmaras" ficam meio abertas quando você acha uma saída e depois é uma baita de uma satisfação voltar lá e ver que você coletou os cristais que são capazes de ativar certas máquinas.

Gostei muito do visual, ele é simples, porém elegante. A paleta de cores é de muito bom gosto e gera um certo contraste com os ambientes com iluminação. Me lembrou um pouco os cenários noturnos de Night in the Woods. Apesar de tudo achei meio bugado o jogo, a física dele às vezes dá uns probleminhas bem esquisitos.

Enfim, apesar de não ser uma obra surrealmente inovadora, ela tem sim o seu toque de inovação e pode ser um ótimo passa tempo pra quem não quer apenas jogar mais um jogo de plataforma. Recomendo sempre dar uma olhadinha no preço dele na Greenman Gaming antes de comprar na loja direta, algumas vezes os preços deles estão bem abaixo do normal, e sempre lembre de olhar os cupons de desconto que eles espalham pelo site, que deixa a coisa mais barata ainda, dê uma conferida aqui.

Postar um comentário

0 Comentários