Hall of Tortured Souls - O diabólico jogo de Bill Gates

A segunda parte da década de noventa foi no mínimo tensa, como já citei anteriormente na matéria 1999 - Quando pokemons eram demônios, estávamos próximos ao final do mundo. A chegada do novo milênio tava para vir e 1000 anos era tempo demais, vocês sabem como a humanidade é, procuramos significados nas coisas e esse tempo todo tinha que significar algo, como não somos os mais otimistas, parecia que o que se aproximava era o final dos tempos.

Como todos sabem, no apocalipse bíblico fala-se da chegada do anti cristo para trazer o verdadeiro inferno à terra antes do fim de tudo. Em 1995 o Bill Gates não era popular como hoje em dia, as pessoas que curtiam computadores podiam até conhecer, mas aquela era uma época em que computadores eram extremamente limitados a um publico, era um mundo bem diferente de hoje em dia.

Mas de repente Bill Gates passou a se tornar um nome que todos conheciam, nos jornais começava a se falar do "Homem mais rico do mundo". Era como se nunca antes tivesse existido um homem mais rico do mundo e aquele era o primeiro. Foi daí que surgiu a brincadeira sobre falar que alguém é o filho do Bill Gates quando se fala que alguém é rico, essa brincadeira pegou tanto que mesmo com ele deixando de ser o homem mais rico do mundo, as pessoas ainda continuavam usando a piadinha falando do Bill Gates e não de outro qualquer que tenha tomado esse título.

Logicamente os religiosos estavam de olho e naturalmente ninguém pode ser o homem mais rico do mundo sem ter feito pacto com o demônio! Ò_Ò! O resultado disso? Simples, ele era o anti cristo e tinha mostrado o seu rosto na hora certa, pouco antes do final do mundo na virada do milênio! A aparição repentina dele fazia com que falassem que primeiro apenas seria conhecido mas logo estaria causando a miséria de muitos em vários lugares.
A coisa só esquentou com o lançamento do Office 95 que vinha com o excel trazendo uma surpresinha, um easter egg que se você fizesse as coisas certas no programa, acaba fazendo com que o jogo abrisse um jogo oculto. Lembro como se fosse ontem disso, os boatos voaram com força! Me falaram que parecia com um jogo muito popular na época, DOOM, mesmo sem jogar eu sabia que jogo era e falavam que o jogo se passava no inferno e que o demônio tinha o rosto do Bill Gates. Ainda mais com o tão falando Bug do milênio, em um mundo sem computadores, por que de repente todos estavam tão interessados nisso? Parecia uma conspiração.

Isso era simplesmente muito interessante, em 2000 quando eu ganhei meu primeiro computador podia achar na internet várias informações sobre o jogo diabólico da microsoft que previa o final do mundo, avisava que o fim estava próximo. 2000 é um número redondo que dá a impressão de ser a virada do milênio, mas a contagem não começo no ano zero e sim no ano um, portanto a virada era em 2001 e como o mundo não acabou, o povo começou a falar que seria em 2001.

Na época eu não podia testar porque meu windows era 98 e meu office não lembro qual era mas não era o 95, isso era muito frustrante, afinal para um adolescente que começava a usar a internet em um mundo sem internet, descobrir coisas sombrias é simplesmente fantástico e eu estava privado de experimentar o jogo diabólico. Anos depois finalmente pude ver pela primeira vez o joguinho, ele realmente se parece muito com DOOM e pra completar o nome ainda é "Salão das Almas Torturadas". No entanto ao contrário de DOOM, não existe nada de diabólico além do nome sádico. O jogo é uma brincadeira que mostra a equipe que criou o excel em um salão muito colorido, não existe objetivo, é apenas um local para se passear e obviamente o local em 3D foi programado apenas para se brincar. O nome foi uma referência a como os caras ralaram pra fazer o programa, ou seja eles são as almas torturadas. E como todo grupo de nerds, fazer uma brincadeira do tipo é obviamente muito normal. Mas com tantos relatos, o jogo tão simples se tornou o jogo diabólico que servia como aviso da chegada do fim. Confiram o vídeo!

Postar um comentário

2 Comentários