Children of Morta | Uma harmonia incrível entre narrativa, visual e jogabilidade

Se você tem interesse em fantasia medieval e gosta de jogos pixelizados, certamente esse aqui é uma bela de uma obra prima, conseguindo fazer algo que poucos jogos fazem. A maioria dos jogos foca em um ou dois elementos para serem o destaque, e assim vemos jogos com ótimas histórias, porém jogabilidade paradíssima, ótimos visuais, mas história horrorosa e assim vai. Esse aqui reúne jogabilidade, narrativa e visual de forma incrível.


A história é focada em uma família de heróis, que vive em uma aconchegante casa na floresta, porém o mundo como conhecem começa a se transformar, com um terrível mal se espalhando. Lhes resta investigar o que está acontecendo, e ir usando os dados para tentar fazer alguma coisa, ao mesmo tempo que tentam viver seu dia-a-dia.

Esse é um baita de um jogo fenomenal. Quando o vi, pensei que seria algo semelhante a jogos como Moonlighter e Titan Souls, jogos com visuais maravilhosos pra caramba e focados em jogabilidade. Isso porque se tornou muito padrão esses jogos pixelizados bonitinhos terem jogabilidades viciantes, mas serem algo bem direto ao ponto. E como esse aqui é um roguelite, que são aqueles jogos que você morre, deixa o personagem mais forte e tenta de novo, pareceu óbvio que seria assim.

Então foi uma surpresa ao ver que o jogo vai além e tem uma narrativa fenomenal que é muito difícil você não prestar atenção. O negócio é que o que temos aqui não é apenas mais um jogo 2D, mas sim uma obra que é notável que teve um investimento grande e usaram o aspecto retro apenas para dar um charme diferenciado.

Por exemplo, você nota rapidamente que é um jogo que ,apesar de 2D, foi criado em um ambiente 3D. Então há várias camadas e você consegue notar a profundidade nelas. Enquanto atravessa uma ponte, você vai vendo o mundo lá atrás, a parte de baixo se movendo junto com a tela. Não é algo novo, porém ficou realmente bonito aqui, teve uma bela caprichada nos planos em que você pode ver pontos distantes. Me lembrou um pouco Jotun com aquelas idas e vindas de câmera para mostrar o quanto algo é grandioso.

Mas sem sombra de dúvidas o que mais mostra o investimento, é a narrativa intensa. Existe um narrador que constantemente vai falando o que está acontecendo, descrevendo o mundo. A cada morte, a cada lugar novo, ele vai introduzindo novos eventos. Você vai vendo a família evoluindo e as coisas mudando, me pergunto quanto eles não devem ter gasto com narração. Está em inglês, mas há legendas em português.

Mas o melhor disso é que são coisas envolventes, afinal de contas só voz em si, tem alguns jogos que são chatos demais. Um exemplo é Extinction, jogo que eu não suportava mais a voz de uma das personagens que não calava a boca. Mas aqui a escrita da história foi muito boa, realmente com coisas relevantes e interessantes.

O que é apresentado é uma história de amor entre família, envolvendo problemas e mudanças. Você acaba se sentindo imergido na coisa, pois cada membro tem sua personalidade, hobbies e sonhos. E assim você vai presenciando coisas acontecendo. A cada retorno à casa, o narrador aparece de novo, às vezes citando eventos externos, às vezes citando coisas diretamente relacionadas à sua última aventura, como quando você acha um filhote de lobo ferido e a família começa a tratar ele.

A jogabilidade coloca você para escolher primeiro o ponto que deseja explorar, para então escolher o membro da família, e aí cada um deles tem uma forma própria, assim como uma ficha de talentos próprias. Você pode subir de nível com eles e se acostumar. Dependendo do lugar pode ser mais fácil ir com certas classes.

Nem todos os personagens estão disponíveis no começo, você vai liberando eles com o passar das aventuras, e nas árvores de talento é possível investir pontos mais de uma vez nas habilidades para que elas fiquem ainda mais fortes e a cada ida em uma aventura, você está mais preparado. Porém é normal morrer diversas vezes seguidas e ser enviado de volta.

Retornando à casa, é possível ter acesso à árvore de talentos da família, que beneficia a todos, e assim você pode melhorar atributos que todos têm, como a velocidade dos personagens, a força do ataque primário, a defesa, etc... Desse jeito você não tem um jogo desbalanceado para personagens novos liberados, pois o ataque deles podem estar tão forte, que você ganha nível rapidamente.

As masmorras são geradas de forma aleatória e lá você pode encontrar de tudo, desde itens que dão bônus permanente enquanto estiver na masmorra, até consumíveis. Às vezes você pode conseguir só coisa ruim, mas às vezes o personagem pode ficar extremamente tunado. Além disso é possível também encontrar elementos que vão destravar coisas novas, como achar o vendedor, que então passará a aparecer de vez em quando nas masmorras.

Esses novos elementos destraváveis são extremamente empolgantes, pois após um tempo você vai notando como a jogabilidade vai se tornando cada vez mais tunada. Por exemplo, tem uma hora que você destrava as runas, e elas modificam o ataque primário do seu personagem, fazendo ter um efeito muito mais forte, e assim você vai vendo o dano devastador.

Enfim, jogo simpático, muito viciante e que é surpreendente como consegue manter uma narrativa gostosa, que apesar de não ser uma história genial, é extremamente envolvente. Recomendo sempre dar uma olhadinha no preço dele na Greenman Gaming antes de comprar na steam, às vezes os preços deles estão bem abaixo do normal, e sempre lembre de olhar os cupons de desconto que eles espalham pelo site, que deixa a coisa mais barata ainda, dê uma conferida aqui.

Comentários