Strange Brigade | Explore o Egito Antigo durante os anos 30!

Existem certos momentos da cultura pop, e os filmes dos anos 30 envolvendo exploração do Antigo Egito acabou encantando o público por ser uma era de expansão do entretenimento com as Revistas Pulp e cinema fazendo o público viajar. Sendo assim acabou sendo algo bem característico e em Strange Brigade temos uma homenagem a isso de uma forma que encanta por ser um jogo extremamente concentrado de referências e cooperativo.



A história apresenta um grupo de aventureiros conhecidos como Strange Brigade e que estão prontos para desvendar os mistérios escondidos por quatro mil anos em uma tumba que ressurgiu e trouxe de volta a rainha feiticeira conhecida como Seteki, que naturalmente está louca por vingança e pronta para acabar com aqueles que a tacaram no esquecimento.

Inicialmente é inevitável comparar o jogo com Left 4 Dead, no entanto para quem conhece outras obras que usa esse gênero, acaba sendo fácil notar que está mais parecido com outros jogos, e especificamente os da própria desenvolvedora Rebellion, como Zombie Army Trilogy, colocando um grupo de jogadores em um mundo inusitado.

Mas se for pra falar o jogo mais parecido que já joguei, acho que foi GodMode, só que a diferença é que lá o grupo de quatro jogadores enfrenta criaturas da mitologia greta, enquanto aqui são criaturas e elementos da mitologia egípcia. Mas no geral são jogos que tem uma atmosfera bastante semelhante, com um tiroteio louco.

A mecânica básica te coloca pra atravessar um cenário cheio de inimigos e meter bala em todo mundo, porém eles deram uma variada adicionando dois elementos, o primeiro são puzzles, que acabam caindo muito bem, com câmaras fechadas que precisam ser desvendadas para abrirem, e assim o grupo pode ou não tentar.

O segundo elemento são a presença de itens e tesouros únicos, ou seja, quem pegar primeiro fica com a coisa e isso adiciona um elemento competitivo dentro de um jogo cooperativo. Isso pode ou não agradar jogadores, já que há quem jogue um coop exatamente porque não gosta de competição. Por outro lado pode dar a variada que muitos esperam.

Os itens e armas adquiridos tem propriedades especiais, pode ser um poder especial que vai causar certo efeito nos inimigos, ou pode ser uma arma muito boa que quando acabar as balas irá desaparecer e aí você terá que obter outra. Existem malas em que você pode pagar uma certa quantidade de ouro e pegar uma arma aleatória.

Existe um narrador que pode gerar belas gargalhadas, já que é o tipo que fala com os personagens e diz coisas dependendo do que está acontecendo. Não achei ele tão hilário quanto o de GodMode, mas dá pra gerar umas gargalhadas, tendo uma atitude bastante dramática e inclusive tendo uma conquista que é "Irrite o Narrador", em que você tem que ficar parado um tempo e ele vai ficar puto com isso.

Os gráficos do jogo são belíssimos, você pode escolher entre as API's Vulkan e Directx 12. E escolhendo a Vulkan, consegui rodar a 144fps, tendo quedas, mas não vi ficar abaixo de 100fps em momento algum, acho que a média era 120 por aí, o que é cabuloso e ainda mais com um visual bastante bacana e brilhante.

Enfim, se você gosta de jogos tipo Deadfall Adventures e Melissa K, ou outras obras semelhantes a Indiana Jones, certamente vai se apaixonar por completo se você for um jogador de coop. Mas lembrando que a fórmula é um tanto direto ao ponto, ou seja, é daqueles jogos de correr e atirar, a diversão está mais no passatempo do que na originalidade. Recomendo sempre dar uma olhadinha no preço dele na Greenman Gaming antes de comprar na steam, algumas vezes os preços deles estão bem abaixo do normal, e sempre lembre de olhar os cupons de desconto que eles espalham pelo site, que deixa a coisa mais barata ainda, dê uma conferida aqui.

Comentários