Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Overgrowth - Artes marciais nas patas de animais

Para todo admirador de artes marciais, é natural ficar boquiaberto quando se conhece o jogo Lugaru, que já se tornou um clássico dos jogos indie para PC. E hoje falarei sobre o sucessor espiritual, Overgrowth, que ficou quase uma década em desenvolvimento e durante esse tempo deixou as pessoas eufóricas em poder "jogar Lugaru" novamente.



Antes de tudo, eu acho que é preciso pegar um pouco mais leve com a Wolfire Games. Isso porque não é a Ubisoft ou a Capcom, é uma empresa indie com quatro pessoas. E esse jogo é aquele tipo que tem um elemento maravilhoso digno de jogo AAA, que no caso é o combate fantástico, mas também tem diversos problemas que torna claro a limitação.

O jogo foi anunciado em 2008, e no site deles você podia comprar e ter acesso à versão alpha. O tempo foi passando e nada do jogo, até que em 2013 ele entrou em acesso antecipado na steam, se popularizando bastante, no entanto quanto mais demorava para ser lançado, mais as pessoas ficavam ansiosas e passou a existir aquela pressão imensa.

Esse jogo se passa em um mundo fenomenal, sabem aqueles universos que envolvem cultura ocidental e um toque próprio super especial? Tipo Absolver? É mais ou menos isso que temos aqui, porém com bichos lugar de humanos, gatos, cães, coelhos, ratos e lobos, todos andando sobre duas patas e lutando muito.

O que mais impressiona é a movimentação maravilhosa, você se sente em um daqueles filmes chineses de artes marciais, podendo andar na parede, defender golpes de uma forma linda, dar saltos absurdamente gigantescos, arremessar armas ou pegá-las no ar. É tipo a sensação que SUPERHOT cria, mas acontecendo em tempo real.

Existem duas campanhas, uma delas é o remake de Lugaru com um visual muito bonito, para os fãs do jogo, isso vai ser fascinante, rever aquele modo campanha, mas com gráficos melhores. No entanto é tudo naquele mesmo estilo, com níveis cortados de forma bruta. Você vai em um lugar, fala com uns personagens e logo tem uma luta, daí vem a tela de loading, é tudo muito rápido e quebra o ritmo da coisa.

Já a campanha de Overgrowth é melhor elaborada, mas as pausas são extremamente incômodas. Você tem falas no início de cada nível, então normalmente um combate, daí mais algumas falas e pronto, loading. As coisas acontecem na maioria das vezes tão rápidas que a sensação é de que não montaram um jogo, mas pegaram um monte de níveis e os conectaram pra ficar dando loading um atrás do outro, daí colocaram umas falas (sem dublagem) no início de cada uma pra disfarçar o corte brusco.

Eu até que não ligaria se as fases fossem mais demoradas, porém tudo acaba tão rápido que de vez em quando a sensação é de loading atrás de loading. Certas coisas eu não consigo nem ao menos compreender o motivo de não terem usado o potencial real do jogo. Talvez seja problemas com a engine, eu não sei.

O jogo tem cenários grandes e se tivesse mais coisas, poderia facilmente ser considerado um pequeno mundo aberto. No entanto a maioria do tempo é bem vazio, tem o seu charme nisso e poderia até funcionar, os cenários no geral caem bem, o problema é que simplesmente não usam o que tem ali e assim as fases terminam em um piscar de olhos.

Por exemplo, você entra em um lugar e tem uma pequena fortaleza e tal, é bem feito, mas o objetivo é entrar lá, matar todo mundo e pronto, acaba. Você vê que poderia ser melhor porque tem algumas fases que tem coisas bem variadas pra fazer, como escalar um lugar, atravessar uma masmorra cheia de água onde você não pode nadar, salvar um personagem, entre outras coisas.

Agora com tantas possibilidades, por que os criadores não fizeram fases melhor elaboradas? Boa parte tem foco na luta, que é sim algo bem bacana no jogo e com certeza é o charme principal. Mas esse poderia ser não apenas um jogo com um sistema de luta muito divertido, e sim um jogo espetacular com um baita universo e fases bem elaboradas.

E mesmo o sistema de luta tem suas falhas, por exemplo ironicamente ele é bem inferior ao combate de Lugaru! Isso porque tem menos movimentos, por exemplo em lugaru você tem o sistema de saltar fazendo rolamento no adversário, chutar um cadáver no ar e depois meter uma porrada nele, arremessando nos inimigos, correr rapidamente em quatro patas e outras coisas que simplesmente não tem em Overgrowth.

Mas sem sombra de dúvidas o pior problema do combate é a apelação do chute no ar. Você pode matar qualquer inimigo com um chute aéreo! E com fases tão minúsculas, imagina a velocidade em que é possível zerar? Tem fases que é só correr, saltar, chutar e pronto, você venceu! Então você até pode lutar normal, mas pode simplesmente meter um chute e não dá pra defender. Seria ótimo se colocassem o movimento que tem em lugaru onde é possível pegar as patas de um adversário no ar e o tacar no chão com força, mas aqui o único jeito é esperar a morte.

Foram poucas as fases que senti serem desafiadoras de verdade e fiquei me perguntando como não usaram melhor, ironicamente eram as mais atraentes. Por exemplo uma fazenda em que morri diversas vezes com um cachorro que arremessava uma espada enorme e tinha um monte de capangas. Nessa eu morri tanto que tive que foi a única vez que usei stealth no jogo.

Aliás, olha aí outro elemento possível, você pode se agachar e andar de mansinho pra não te perceberem, segurar os inimigos por trás e sufocar eles, assim como esconder os corpos. No entanto é tão mais fácil correr e dar uma voadora na cara dos adversários, que esse é o tipo de elemento que acaba sendo mais fácil só matar geral. Mas nessa fase mostraram dificuldade a ponto de realmente ter que usar e é até bacana se esconder na plantação.

Outra fase fantástica é uma que se passa em uma cidade costeira cheia de inimigos, e você tem que atravessar o lugar até o cais, e lá dar um salto imenso para chegar a um navio onde tem inimigos que precisam ser eliminados, algo interessante dessa é que se você tem uma limitação na voadora, pois ela gera um impulso pra longe, e coelhos não nadam nesse jogo.

Os gráficos do jogo eram maravilhosos na época em que foi anunciado, no entanto o tempo passou e infelizmente eles não conseguiram acompanhar. Isso porque antes o que se via era "Nossa, é um lugaru extremamente bonito!", mas em seu lançamento ficou apenas um visual legal, mas sem se destacar.

Por outro lado, o design do jogo é tão maravilhoso, que é difícil não se encantar, não é apenas o fato de serem personagens animais humanoides, mas todo o visual próprio de tudo, construções, roupas. É aquele tipo de ambiente que você vê que se combina e encaixa perfeitamente. Isso acaba compensando a falta de gráficos que se destaquem.

Outra coisa interessante foram as formas em que os cenários foram montados de forma clara para encantar. Barcos distantes no oceano, construções misteriosas que parecem partes de grandes templos ou algo religioso, e assim vai. Isso dá um charme próprio que gera ótimas screenshots, é uma pena que tão poucas construções são usadas. O mundo poderia ter sido mais robusto.

Apesar dos movimentos do combate terem suas limitações, ainda é extremamente bonitos e você vê coisas incríveis acontecendo. É possível agarrar ataques e lançar inimigos no chão, dar saltos absurdos, pegar armas, e até mesmo lançar elas contra inimigos, e ainda é possível agarrar arremessos que fazem contra você.

É bem fantástico fazer coisas como correr em direção a um inimigo, arremessar uma espada, ele a segurar no ar, mas antes de ter tempo de fazer qualquer coisa, você salta e dá um chute na cara dele. Ou fazer coisas no estilo ping-pong, você joga uma faca, ele segura, joga de novo, você segura e arremessa mais uma vez. Tudo depende bastante de sincronia, então é preciso fazer coisas na hora certa.

Os efeitos de combate também são muito bonitos, quando você finaliza um inimigo dá aquela parada em slowmotion que mostra bem o corpo dele fazendo os últimos movimentos. Mas isso também acontece com você e certos momentos são dignos de filmes de ação exagerados. Por exemplo muitas vezes corri em direção a um inimigo, saltei, e na hora que fui dar o chute, ele lançou uma faca na minha cabeça, daí deu aquela parada em slow motion mostrando a cabeça indo pra trás e a posição de combate se desfazendo no ar.

Agora acho que sem sombra de dúvidas o que salva o jogo é o suporte a mods. Existem alguns que são de arenas eternas, pra quem apenas quer fazer movimentos, mas também tem modificações de visuais, skins, aperfeiçoamentos e até mesmo campanhas inteiras feitas pela comunidade, tudo ligado diretamente a steam.

Tem inclusive um modo multiplayer que é fantástico pra caramba, é apenas local, mas o diferencial dele, é que coloca uma tela lateral no estilo de jogos de luta, porém ainda é no mundo aberto do jogo e você pode se mexer a vontade, inclusive com os personagens se distanciando e a câmera indo pra longe no estilo Super Smash Bros, porém com o diferencial de que o mundo é aberto, então vocês podem ir pra onde quiserem.

O ritmo da história do jogo é intenso, falta dublagem, o que é uma pena, mas felizmente o protagonista não é o herói da justiça, ele é apenas alguém que tenta sobreviver. É bacana ver como segue o caminho de forma natural, ataca quando necessário e se precisar matar, ele faz isso e é direto ao ponto, sem aquela enrolação. Ele tenta evitar combates, mas não tem aquela choradeira de super herói, se o jeito é matar, ele vai e faz.

Enfim, esse é um jogo que vale a pena sim, no entanto é tipo jogos como Paint the Town Red e Clustertruck, são jogos que você deixa instalado pra passar o tempo, entrar de vez em quando e se entreter com a mecânica. Não é o tipo que o foco é zerar e desinstalar, até porque embora a história da campanha seja bacana, a pausa constante no ritmo irrita. O jogo está disponível na steam.


Nenhum comentário: