Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Shrouded in Sanity - Um jogo pra você morrer no tutorial

Tem alguns jogos que você nota que são muito difíceis, enquanto tem outros que vão além e você mais morre do que vive. Esse é o caso de Shrouded in Sanity, um daqueles títulos que você percebe rapidamente que não basta sair apertando o botão de dar porrada, é preciso ser bastante cauteloso. Apesar de tudo é aquele tipo de jogo que causa uma baita de uma sensação realizadora ao se finalmente conseguir passar por certos lugares.



Tenho que assumir que a primeira coisa que me atraiu nesse jogo não foi a jogabilidade em si, mas sim o visual maravilhoso! O estilo gótico é algo que simplesmente é muito estiloso, não é à toa que mesmo sendo algo extremamente antigo, até hoje existe a moda gótica, e não importa quanto tempo passe, você continua vendo ela por aí. Então esse visual sombrio com um toque pixelizado fez ser paixão a primeira vista. Mas com certeza a jogabilidade também brilha um bocado.

A história no ano de 1897 de uma realidade alternativa, você é obrigado a assinar um contrato em que aceita adentrar na Mansão Berelai, onde todos os servos e outros habitantes do lugar enlouqueceram, atacando violentamente qualquer um que se aproxime, além de macabras forças que surgiram e vagam pelo lugar. Você não sabe quem são seus contratantes ou o motivo de estar fazendo isso, mas deve localizar e eliminar a origem desse mal e por algum motivo sempre que você morre, desperta em frente a seu contratante.

Esse é um jogo que já ensina uma lição de respeito bem no começo, a primeira coisa que você tem que fazer é assinar o contrato, caso a resposta seja não, o primeiro Game Over já aparece, destravando uma conquista, algo curioso, de certa forma um final alternativo já nos primeiros segundos de jogo hehehe.

Mas a coisa não para por aí, estão lembrados que eu citei que em We Are the Dwarves eu tomei um belo de um susto no primeiro combate do jogo? Aqui a coisa foi no mesmo estilo, você pode escolher entre fazer ou não o tutorial. Naturalmente todo mundo sabe que tutoriais são fáceis e pra aprender o básico, pois é... Morri no primeiro inimigo do treinamento!

O susto foi grande pra caramba porque o tutorial simplesmente não pega leve, os inimigos chegam descendo o cacete, e isso inclui em momentos que você tá lendo o que os personagens estão dizendo, se você se aproximar demais eles vem correndo prontos pra te fatiar. Então imaginem a surpresa que não foi uma empregada descendo o couro em mim e me matando?

Mas no fim, essa é a melhor forma de dar boas vindas nesse jogo, porque o resto dele é tão difícil quanto. A sensação que eu tive foi a de estar jogando uma junção entre Symphony of the Night (visual e parte da jogabilidade), Final Fantasy 7 (O personagem parece um clone do Sephiroth), Dark Souls (A jogabilidade é muito semelhante) e um toque de Mitos de Cthulhu na história, envolvendo loucura e horror cósmico.

A jogabilidade te coloca para vagar pela mansão e enfrentar inimigos, o combate pode ser tanto a distância usando arma de fogo quanto corpo a corpo manejando uma espada. Porém é daquele tipo de jogo bastante polido no combate e que você tem que observar tanto os seus movimentos quanto o dos inimigos e saber a hora certa para fazer as coisas.

Cada rival, não importa o quanto ele pareça fraco, tem potencial para te matar em pouquíssimo tempo. Como falei, a empregada passou a faquinha na minha garganta já nos primeiros segundos de jogo, sendo assim ao invés de partir pro ataque, você tem que ver como o inimigo age, quanto tempo leva em cada golpe e aproveitar brechas.

O jogo tem também um inventário que você armazena itens e um sistema de upgrade que é um verdadeiro alívio por aumentar a vida do personagem. Você tem que saber economizar as coisas, por exemplo as balas, cada uma deve valer o tiro e restaurar a vida também requer injeções que tem limite.

Enfim, esse é um jogo que realmente sugou muito de Dark Souls em sua essência, porém que tem um climinha próprio bem fantástico, isso graças a esse toque gótico 2D em um visual pixelizado tão atraente. Vale a pena dar uma conferida no site da G2A, pois lá eles costumam vender keys da steam por um valor bem mais barato que na própria steam e ainda aceitam boleto bancário. Dê uma conferida aqui. Vale a pena dar uma conferida no site da G2A, pois lá eles costumam vender keys da steam por um valor bem mais barato que na própria steam e ainda aceitam boleto bancário. Dê uma conferida aqui.

3 comentários:

Saitama - sama disse...

Ou seja... É um fucking Symphony of the Night com a jogabilidade de Dark Souls, o Sephiroth de protagonista e uma participação de Lorde Cthulhu e companhia........... foda.......

alex5432 disse...

Cara incrível como todo mundo teve a mesma impressão do jogo logo de cara... eu ainda não comprei mas na hora que eu vi ele na steam eu pensei "porra parece symphony of the night com darksouls..." e logo desci pra ver os comentários e bem no primeiro tinha um cara dizendo exatamente isso kkk.

Enfim eu ainda não peguei o game, pretendo pegar, vou ver se compro ele e o Salt and Sanctuary, alias ta ai outra recomendação Sky: Salt and Sanctuary, todo mundo se refere a ele como o Dark Souls 2D. Ah e não se esqueça de jogar Hyper Light Drifter...

Gabriel Villar disse...

Se esse tipo de trilha sonora do trailer tbm estiver no jogo é outro ponto forte!