Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

segunda-feira, 4 de abril de 2016

A terra em que Deus mentiu - Capítulo 45

Esse é um conto interativo onde após a leitura de cada capítulo, os leitores votam na decisão que o personagem tomará para a continuação. Antes de começar, leia o que veio anteriormente:


Por favor, leiam e apontem qualquer erro de português ou digitação, não precisam dizer em que linha está, apenas escrever o trecho e o acharei, isso garantirá que leitores que venham depois, possam ter uma leitura mais agradável.

 Capítulo 45

Merda! Não tem jeito, eu não posso simplesmente fechar os olhos e fingir que estou dormindo. Eles queriam me pegar de surpresa? Ou essas crianças estavam o tempo todo paradas ao meu redor sem fazer barulho nenhum? Elas estão apenas me vigiando? Não posso simplesmente fechar os olhos novamente e fingir que não fui visto. Mas são apenas crianças, bem menores do que eu, o jeito é levantar.

Se eles estão me vigiando, provavelmente podem me pegar a qualquer momento, não quero arriscar correr e cair, ainda não tenho certeza sobre como o meu corpo está após terem injetado aquela substância em mim, ao menos por enquanto devo estar seguro. Se quisessem apenas me matar com certeza já teriam feito, não que isso seja bom, pelo o que já ouvi falar sobre bruxas talvez muito sofrimento me aguarde.

Eu me levanto calmamente e as observo, são bem mais baixas que eu, devem ter uns seis anos, estão completamente cobertas de lama, elas me rodeiam com um círculo, não está de mãos dadas então posso facilmente empurrar uma para o lado e fugir. Olho ao redor e não parece ter mais ninguém, tudo está bastante calmo, as pessoas que antes sussurravam já devem estar bastante distante daqui. Olho para uma delas e pergunto:

-O que vocês querem de mim?

Apesar dela me olhar fixamente, não faz movimento algum, continua calada me encarando. Isso me dá arrepios, a lama em seu rosto dá um toque muito sinistro a tudo isso. Olho para o rosto das outras e também se mantém fixas me olhando, sem nada dizer. Então novamente me viro para a primeira e pergunto:

-Onde está minha companheira?

Mas ela simplesmente não diz nada, acho que não conseguirei nada aqui. Coloco minhas mãos nos ombros de duas delas e as afasto. Começo a andar cautelosamente, olho para trás e percebo que agora todas estão viradas pra mim, porém não demonstram agressividade ou tem qualquer reação que indiquem que vão chamar alguém ou mesmo sacarem facas para me atacar.

Olho um pouco ao redor, não há sinal de nada que possa fazer com que eu me localize, nenhum rastro, nenhum objeto jogado no chão, nada... Mesmo assim preciso continuar, preciso buscar por alguma pista de onde está Ensis, se eu não achá-la tudo que fiz terá sido em vão, espero que aqueles que a pegaram tenham agido de forma tranquila como essas crianças. Ela sabe se virar mas ainda assim está ferida. Talvez nunca devêssemos ter ficado nesse pântano.

Começo a andar reto, tudo parece estar tranquilo, não sinto nenhum mal estar, não pareço estar com efeitos colaterais. Talvez eu possa correr, mas ao menos por enquanto é melhor manter esse ritmo, não quero de repente cair no meio dessa lama e como as crianças não estão me seguindo, acho que é o melhor a se fazer por enquanto.


Minha mãe me contava histórias de bruxas quando eu era criança, acho que todas as mães fazem isso. Dizem para as crianças não irem à floresta, como arrancavam corações das crianças e as usavam em rituais macabros. Muitos dos garotos se desafiavam a fazer isso, ir até lá, já vi um deles desaparecer pra sempre, aquilo me deixou desesperado. É claro que eu acreditava nas histórias de minha mãe, mas aquela era a confirmação total de que bruxas existiam.

Hoje em dia eu não sei mais se aquilo era verdade, se aquele garoto não apenas se perdeu e pronto ou mesmo se aconteceu algo mas não relacionado a bruxas. Talvez bandidos, eu provavelmente nunca vou saber... Sinto falta de minha mãe contando aquelas histórias, eu morria de medo mas sempre queria ouvir um pouco mais, aquele conhecimento sobre os horrores que estavam lá fora me encantava.

Quando meus pais morreram acabei me tornando bem menos ingênuo, fui adotado e aprendi muito sobre como o mundo funciona. Pessoas que são chamadas de bruxas com certeza existem, mas se elas são capazes de fazer magia ou se conversam com o diabo, eu não sei. É algo complicado, tem pessoas que querem se temidas e por isso inventam histórias.

Condenados não tem mais direitos de viver nas vilas e cidades do reino, e muitos fogem para lugares isolados, florestas são os mais adequados, porém com certeza um pântano como esse também é um ótimo lugar. E assim roubam de viajantes, são pessoas desesperadas e que veem como presa qualquer um que esteja passando. Mas claro, se forem bandidos eu não sei se isso será algo muito melhor, e essas crianças... Isso é muito estranho.

De repente algo me chama a atenção em uma árvore, me aproximo e vejo que são vários símbolos desenhados ao redor dela, alguns entalhados, outros pintados com alguma substância e em seus galhos há diversos objetos feitos com madeira em formatos que parecem símbolos, com certeza isso é algo que pode ser visto como bruxaria. Será que esse é algum lugar sagrado de adoração?

Ao dar uma olhada ao redor, meu coração dispara quando percebo algo macabro há uns cinquenta metros de mim, oculto parcialmente por uma árvore, há uma pessoa com um manto enlameado. Mas em sua cabeça há um enorme chifre como se ele estivesse usando uma máscara de crânio de algum animal. Ele então estende a mão e começa a fazer um sinal para eu me aproximar.

1 - Se aproximar.
2 - Ir para o lado contrário.
3 - Ficar onde está e perguntar o que ele quer.

Vocês tem até dia 6 pra votar, por favor apontem os erros que sempre cometo. *--*

6 comentários:

Saitama - sama disse...

Sky, impressão minha ou tem certa inspiração em Berserk nos capítulos?

Skywalkerpg disse...

Amo demais Berserk demais *-* , no entanto se tiver é inconsciente. Tem alguma parte em especial que te passou a atmosfera de Berserk?

Obs: Deixa teu voto Ò__Ò!

Saitama - sama disse...

Bem, lá pro começo eu senti um pouco da atmosfera que Berserk. Tipo, aquela sensação de que não vai ter um final feliz e todo mundo vai se f#der. Também tem essa mistura de Idade Média (ou das trevas, como preferir) com seres sobrenaturais (só que em Berserk são demônios e aqui são anjos). Deu até vontade de ouvir aquela música do Susumu Hirasawa que passa na abertura dos filmes. E, a propósito, opção 2. Não confio em pessoas que se fantasiam de capeta, hehehe.

yasmin k. disse...

Sky parágrafo 7(não contei as falas), 4 linha : "esse ritmo"

opção: 3

Skywalkerpg disse...

Saitama - sama

Uahahaha, legal! E que bom *-*! Vou até ouvir também a trilha sonora aqui kkkk =D

yasmin k

Muito obrigado! Arrumei! *-*

Unknown disse...

Opção 3.