Samurai X: O Inferno de Kyoto - Análise do filme

Hoje vou postar aqui minha análise sobre Rurouni Kenshin: Kyoto Taika-hen, um filme lançado em 2014 e que é a continuação direta do fantástico live action Rurouni Kenshin de 2012, e assim como esse também é uma adaptação do anime, mas que não vou fazer uma comparação, já que não tenho uma base por não ser fã, então essa análise é puramente pela obra em si e não se foi ou não uma boa adaptação.

A história começa em Tóquio, com o samurai Kenshin Himura vivendo tranquilamente em um dojo, porém devido a sua fama de antigo retalhador conhecido como Battousai, uma vida de paz parece nunca chegar, e terríveis assassinatos começam na cidade de Kyoto, o que leva as autoridades a chantagearem Kenshin para que vá até lá e enfrente o responsável. Simultaneamente um homem misterioso busca por informações sobre Kenshin, o seguindo por toda parte.


Esse filme tem muito do primeiro, ele usa elementos que me atraíram bastante anteriormente, esse climinha de filme de gangue, com um grupo infernizando um lugar, o que antes era destaque pelo ópio que gerava drogados descontrolados e aqui é um destaque por ser uma gangue mesmo, dedicada a aterrorizar pessoas e reconstruir uma nova era ao Japão. Ao mesmo tempo tem o outro personagem solitário, que tem algo bem mais pessoal relacionado a Kenshin.

Apesar disso o clima aqui é um pouco diferente, no primeiro filme você vê que a coisa foi muito bem trabalhada, mas é algo limitado a Tóquio, aqui tudo fica um tanto amplo, mostrando os personagens viajando longas distâncias e assim dando a impressão de algo bem mais extenso, o que no fim das contas realmente é. Existe uma grande quantidade de personagens e as vezes a trama ganha fogo em alguns deles, então muitas coisas acontecem de uma vez e assim o filme fica bem robusto.

Apesar de quando eu assisti, o terceiro filme já tinha sido lançado, foi uma grande surpresa ao ver que ele segue o padrão de filme dividido em duas partes. Então ele segue aquela moda maravilhosa lançada por Matrix Reloaded, onde um filme é tão grande que decidem dividir em dois e fazer lançamentos próximos. Essa moda pegou especialmente anos mais tarde com filmes adaptando filmes como Harry Potter 7 que foi dividido em dois e O Hobbit, que exagerou na dose, pegando um pequeno livro e transformou em uma trilogia.

Eu sei que alguns acham engraçado ver um país oriental fazendo isso também, mas a verdade é que esse não é o primeiro filme que segue esse formato. Por exemplo o sangrento Gantz foi lançado e no próprio filme colocaram o trailer pra Gantz: Perfect Answer, e de quebra ainda tem um terceiro filme underground que mostra a história no ponto de vista de outros personagens, o Another Gantz.

Mas como falei, foi uma surpresa quando descobri, pois eu pensava que o filme tinha um final, mas ao invés disso aproveitaram bem o fato de que logo lançariam a sequencia e usaram o formato seriado na coisa, portanto tem aquele climinha de "Caramba! Eu preciso ver a sequencia!", o que foi bem fantástico, é sempre maravilhoso terminar de ver algo com aquele gostinho de que você precisa de mais.

Então aqui está um bom filme para se ver com os amigos e se divertir, boas cenas de ação, uma história ampla e uma sensação de satisfação ao se terminar de ver. Com certeza recomendo, especialmente se você gosta de lutas de samurais com um toque de fantasia.

Comentários

Super Suporte disse…
Opa estou comentando só para avisar q voltei a comentar kkk
Estava de ferias antes, mas agora sempre q der vou dar as caras aqui
Skywalkerpg disse…
Bem vindo de volta kkk. =)