Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

A terra em que Deus mentiu - Capítulo 38

Esse é um conto interativo onde após a leitura de cada capítulo, os leitores votam na decisão que o personagem tomará para a continuação. Antes de começar, leia o que veio anteriormente:


Por favor, leiam e apontem qualquer erro de português ou digitação, não precisam dizer em que linha está, apenas escrever o trecho e o acharei, isso garantirá que leitores que venham depois, possam ter uma leitura mais agradável.

Capítulo 38

Ensis e Eliu andam pelas ruas da cidade, ela nota que o médico, que tinha visto antes, entra em uma casa. As pessoas do lugar parecem bastante abatidas, existe um certo ar de tristeza no lugar, as casas tem um tom acinzentado que realça ainda mais essa atmosfera, não há plantas verdes e o clima é frio graças à umidade do pântano ao lado.


A população olha para os dois, especialmente para Eliu, alguns cochicham coisas, a maioria das pessoas está dentro das casas. Alguns dos poucos do lado de fora passam rapidamente sem nem ao menos os olhar. As ruas enlameadas estão cobertas de pegadas tanto humanas quanto de animais. Alguns porcos estão soltos pelas ruas, comendo de tudo. Eliu diz:

-São pra comer a merda dos moradores.
-O que?
-Vi que você está olhando pros porcos, eles são deixados na rua pra comerem qualquer coisa que os moradores joguem pela janela, isso diminui as doenças.
-Eu sei disso, mas tinha muito tempo que não via, Xibalba é uma cidade fechada, então um bom cheiro é importante.
-É, percebi que alguns lugares são perfumados por lá, para um povo tão bruto é engraçado ver uma coisa dessas, afinal por todo o Reino do Éden o povo faz isso. Eu tinha até esquecido que você não nasceu lá, por isso comentei.

Os dois chegam a uma casa grande onde pessoas aguardam na porta. É notável que é uma família com uma condição financeira melhor do que o resto da população, muito provavelmente são os moradores mais ricos do lugar. Um homem pálido os recebe e pergunta a Eliu:

-Quem é ela?
-É minha ajudante.

O homem expressa uma surpresa ao olhar para Ensis, e apesar de não falar nada, ela deduz que ser mais velha que Eliu faz a situação parecer esquisita já que na maioria das situações o garoto é que deveria ser o ajudante.

Os dois entram e são conduzidos por uma mulher baixinha até a sala de jantar e onde um corpo está deitado sobre uma mesa. Há vários membros da família e amigos próximos ás paredes, observando o corpo e fazendo orações. Ao lado da mesa há uma bandeja com vários alimentos, que uma garota logo pega e começa a colocar ao redor do cadáver, fazendo parecer um tipo de banquete macabro. Logo depois entrega a bandeja a Eliu, contendo um pão redondo, duas moedas e uma pedra de sal.

Nesse momento um barulho de briga começa do lado de fora da casa, todos os presentes parecem confusos e ficam se entreolhando. Eliu e Ensis também ficam atento com a repentina quebra do clima pesado que a cidadezinha tem.

1 - Ensis deve ir dar uma olhada.
2 - Ensis deve ignorar.

Apontem qualquer erro que verem por favor pessoal, vocês tem até dia 22 pra votar.

8 comentários:

Afranio Filho disse...

2: melhor não arriscar porque o tanto de personagem que ja morreu não quero que morra mais

Miya Seat Lee disse...

1-
Prefiro arriscar...

Ultron Prime disse...

2-vai que é que nem filme de terror

milton honorio disse...

1- Se for uma treta e cair pro lado da Ensis ela vai saber se virar, mas se ela for pega de surpresa pode piorar tudo

milton honorio disse...

Vei, e esses 2 meses aí sem postar em fera?

Skywalkerpg disse...

Fico feliz que tenha cobrado uahaha, bom eu vou postar logo, estou voltando com meus projetos agora, eu dei uma pausinha de fim de ano, aconteceu com tudo, mas logo sai capítulo novo. =)

Yago Gama Araujo disse...

Não há plantar(plantio?) parágrafo 1

Iscai NM disse...

Arrumei, obrigado. =D